conecte-se conosco

Polícia

Operação “Jaguar” prende quadrilha que sequestrou gerente de banco em Matinhos

A investigação, coordenada pelo Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), durou dois meses

Publicado

em

Sete pessoas de uma quadrilha suspeita de sequestrar gerentes de bancos nos Paraná e Santa Catarina foram presas pelo Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), unidade de elite da Polícia Civil do Paraná, durante a “Operação Jaguar” – que contou com o apoio da Delegacia de Polícia Civil de Jaguariaíva.

Os policiais apreenderam um fuzil, três pistolas, um revólver, farta munição, três coletes à prova de bala, quase R$ 250 mil em espécie, balaclavas, luvas, além de 3,8 quilos de crack. Duas motos e cinco carros comprados com o dinheiro roubado foram apreendidos e outros quatro veículos roubados e/ou furtados pela quadrilha para o cometimento dos sequestros foram recuperados.

A operação aconteceu em Curitiba, Matinhos, Ponta Grossa e Itajaí. Durante dois meses, os policiais do Tigre e da Delegacia de Jaguariaíva cumpriram sete mandados de prisão e outros 30 de busca e apreensão. Dois sequestros, um no Paraná e outro em Santa Catarina, foram impedidos graças à atuação dos policiais.

A quadrilha era chefiada pelo ex-pastor evangélico Ronei Goes Camargo. Ele foi identificado como sendo responsável por pelo menos dois sequestros no Estado do Paraná. O primeiro ocorrido em 23 de maio deste ano, na cidade de Jaguariaíva e o segundo, em 10 de julho, na cidade de Matinhos.

QUADRILHA ESTRUTURADA

A organização criminosa era extremamente especializada e segmentada. O "modus operandi" era sempre o mesmo: havia uma pessoa da cidade que era cooptada pela quadrilha para fazer o levantamento do local e da rotina do gerente do banco. Era ele que anotava rotas, dados familiares, horários, endereço da casa do gerente, bem como dados referentes à agência bancária escolhida como alvo. Assim como propunha os caminhos a serem percorridos, locais de agrupamento dos membros da organização criminosa e para manutenção de reféns em cárcere privado, rotas de fuga e os pontos para que os veículos usados no crime fossem abandonados.

Outra parte da quadrilha era responsável por abordar o gerente do banco no período da noite e manter a família dele em cativeiro. Normalmente, este grupo ficava na casa do gerente, mantendo ele e a família incomunicável durante toda a noite. Do lado de fora, permaneciam os “seguranças” do bando que faziam a vigilância no entorno da casa das vítimas, devendo avisá-los se houvesse movimentação policial nas imediações.

Cabia ao chefe da quadrilha o papel mais importante. Normalmente ele chegava ao cativeiro horas depois da tomada dos reféns. Era ele que acompanhava o gerente até o banco, logo cedo, no dia seguinte à tomada de reféns. Os familiares só eram liberados depois que o gerente entrava na agência, pegava todo o dinheiro disponível e entregava ao líder da quadrilha.

A última célula da quadrilha tinha como atribuição o plano de fuga, pela garantia da guarda dos valores até serem divididos, da forma acordada previamente, bem como responsáveis pela guarda das armas do bando e pelos locais de encontro para planejamento dos crimes.

VIAGENS

Durante toda a investigação que culminou com a operação, o Tigre descobriu que após os sequestros e roubos bem-sucedidos integrantes das quadrilhas faziam viagens – algumas delas de luxo. Depois do roubo ao banco de Jaguariaíva, em maio deste ano, Ronei Goes Camargo foi de avião até o Rio de Janeiro, onde foi recebido por representantes de organização criminosa sediada nos morros cariocas, e voltou para o Paraná com um veículo Pajero, lá adquirido com dinheiro proveniente da extorsão mediante sequestro.

Nesta viagem, Camargo foi acompanhado por Camila Alves, com quem mantinha relacionamento extramatrimonial. Era ela quem em troca de dinheiro fornecia a casa para que fossem planejados os crimes e em seguida para que houvesse a contagem e a repartição do dinheiro produto dos crimes. Camila Alves foi presa na quarta-feira, 18.

Ozéias Troi, conhecido como Batman, e José Vicente Filho foram presos quando se preparavam para realizar um sequestro e posteriormente o roubo a banco no interior do Paraná. Eles foram detidos na região de Palmeira no dia 20 de junho, quando estavam viajando para a cidade em que cometeriam os crimes. A dupla estava num veículo Logan, roubado em Curitiba, quando foi abordada por uma equipe do TIGRE. Com eles foram apreendidos revólver calibre 38, colete à prova de balas, duas pistolas calibres 9mm e uma 380, além de balaclavas, luvas e celular.

Marco Antonio Nicleviski foi preso na BR-101 quando viajava para Curitiba. Ele já tinha monitorado toda a rotina de um gerente de banco de uma cidade pequena próxima a Itajaí, em Santa Catarina. Quando foi preso ele confessou para a polícia que havia ajudado no planejamento do sequestro do gerente na cidade catarinense.

LÍDER PRESO

No dia 12 de julho, os policiais do Tigre chegaram até Ronei Goes Camargo. Ele foi preso em Curitiba juntamente com Dhonata Marques dos Santos. Os dois foram reconhecidos pelas vítimas do sequestro ocorrido na cidade de Matinhos. Com eles foram apreendidos um revólver calibre 38 com numeração raspada, R$ 180 mil e três veículos adquiridos com o dinheiro roubado. Os dois assumiram ter participado do crime em Matinhos. Com o dinheiro foi possível identificar, pela numeração coletada, a origem comprovada no sequestro de Matinhos.

A dupla entregou outros dois comparsas da quadrilha: Liude Meneis da Silva e Rodrigo Pedroso de Moraes — ambos também reconhecidos pelas vítimas em Matinhos. Os dois suspeitos já haviam sido presos em 2014 por roubo a instituições financeiras. Liude foi detido pelo Tigre no início desta semana juntamente com a esposa Lorena Calixto na cidade de Foz do Iguaçu. Com os dois foram apreendidos R$ 69 mil um veículo modelo Fiat Argo, um fuzil calibre 556 utilizado durante os crimes, bem como uma pistola no calibre 9mm, farta munição e 3,8 quilos de crack. A droga era comprada com dinheiro dos sequestros e revendida, aumentando assim os rendimentos da quadrilha.

FORAGIDOS

Moraes segue foragido, assim como outros quatro integrantes da quadrilha: Patrick Leonardo Correa Krutqueviski, Cleverson Camargo Gonçalves (conhecido como Cré ou Gordo) e Luiz Alexandre Canestraro, vulgo “Cachorrão”.

O Tigre suspeita ainda que a quadrilha esteja envolvida com roubos de veículos, venda de entorpecentes e até homicídios.

RELEMBRE O CASO

No final da tarde de segunda-feira, 9 de julho, o gerente de uma agência bancária instalada na área central de Matinhos, junto com sua família, foi feito refém por uma quadrilha de criminosos armados em sua própria casa.

Constantemente ameaçada, toda a família foi mantida refém durante a noite da segunda-feira e a madrugada de terça-feira, 10. Já pela manhã, a quadrilha foi com o gerente até o banco e rendeu outros funcionários, recolhendo grande quantia em dinheiro do cofre principal e de quatro caixas eletrônicos. Foram levados também, dois revólveres calibre .38, 20 munições e dois coletes balísticos, que pertenciam aos vigilantes da agência e ficavam guardados no cofre.

Na sequência, os assaltantes fugiram, liberando uma das vítimas no banco. O veículo utilizado na ação, um Ford Fiesta branco, placas AXM-7727, foi abandonado pela quadrilha na estrada do Bom Sucesso, no bairro do Sertãozinho, na entrada da cidade, dentro do carro, além de parte da quadrilha, estavam a mulher do gerente e os dois filhos menores de idade, que só foram libertados depois dos comparsas terem saído da agência bancária com o dinheiro e as armas. O carro, que estava com placas adulteradas, foi roubado em Curitiba, no bairro Ahú, em fevereiro. 

EXTINTORES

Para esconder as digitais dos criminosos e dificultar o trabalho da perícia na identificação e coleta da outras pistas, o carro usado na ação criminosa foi coberto com o pó químico de dois extintores, que foram encontrados no local. Um dos extintores possivelmente é de outro carro, que deu fuga à parte da quadrilha do local.

SEQUESTRO

Segundo informações da polícia, quatro elementos invadiram a casa, que também fica na área central de Matinhos, e permaneceram durante a noite e madrugada com a família. Eles estavam armados com uma submetralhadora e uma pistola e dois deles estavam encapuzados e usando luvas. A polícia acredita que mais criminosos participaram tanto do sequestro quanto do roubo, já que possivelmente eles estariam divididos em grupos, cada qual, com funções definidas.

INVESTIGAÇÃO

Além das equipes das polícias Militar e Civil de Matinhos, que prestaram o primeiro atendimento à ocorrência, ainda na manhã de terça-feira, 10, homens do GRUPO TIGRE, Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial, unidade especial da Polícia Civil do Paraná, voltada para ações específicas em delitos em que haja a figura de refém, tais como sequestro, roubo, cárcere privado, violação de domicílio, extorsão mediante sequestro e rapto, já estavam na cidade colhendo todas as informações sobre o caso.

 

Fonte e fotos: Polícia Civil do Paraná

Continuar lendo
Publicidade

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.