conecte-se conosco

Meio Ambiente

Portos do Paraná discutem atividade pesqueira no litoral

Durante as atividades diárias do monitoramento da pesca, os pescadores estão sendo convidados a participar dos seminários. (foto: Claudio Neves/ Portos do Paraná)

Publicado

em

Os Portos do Paraná realizam, a partir da próxima semana, seminários sobre a atividade pesqueira na região de Paranaguá, Pontal do Sul, Antonina e Guaraqueçaba. Pela primeira vez, a administração portuária vai disponibilizar os resultados de quatro anos de monitoramento da pesca e debater com os pescadores sobre impactos, rendimento e variações no número de peixes.

“Queremos ter uma conversa franca com os trabalhadores. Vamos mostrar os dados que foram coletados entre janeiro de 2014 a dezembro de 2018. É um período importante que nos fornece dados como tempo de pesca, rendimento, pesos, variações, preços”, explica o presidente dos Portos, Luiz Fernando Garcia.

O primeiro encontro acontece na quinta-feira, 11, às 14 horas, no Museu de Arte e Etnologia (MAE), em Paranaguá. No dia 12, a reunião será em Pontal do Sul, ao lado da Banca da Doca. No dia 15, em Antonina, o evento acontece na Escola Brasílio Machado e, em Guaraqueçaba, no dia 29, na Colônia de pesca Z-2, sempre no mesmo horário.

A administração portuária vai disponibilizar os resultados de quatro anos de monitoramento da pesca. (foto: Claudio Neves/ Portos do Paraná)

DESENVOLVER PROJETOS

Para o presidente da Federação de Pescadores do Paraná, Edemir Manoel Ferreira, tanto o monitoramento quanto os seminários são extremamente necessários. “Se não tivermos dados, pesquisas, não temos o que fazer. Através dos dados é que conseguimos ter noção da realidade para desenvolver projetos como o de repovoamento das espécies de peixes nativas da região”, afirma.

Ferreira reforça, junto aos pescadores, a importância da participação nos seminários. “Se eles não participarem das reuniões, não saberão o que influencia e determina o futuro da própria atividade. Convidamos a todos e esperamos que muitos participem. Esses dados são para os pescadores e para o futuro dessas famílias”, conclui.

Além de apresentar os estudos, a equipe de Meio Ambiente dos Portos do Paraná vão realizar ações de educação ambiental durante os seminários. (foto: Claudio Neves/ Portos do Paraná)

FERRAMENTA

Segundo a assessora técnica e bióloga, Angeline Saucsen, não são apenas os pescadores que não costumam ter dados estatísticos que auxiliem na atividade. “Os próprios órgãos oficiais não possuem um banco de informações tão preciso sobre a pesca na região quanto esse que os Portos conseguiram compilar. É uma ferramenta que todos podem usar para saber das oscilações dos pescados e tudo o que está acontecendo no dia a dia da pesca no litoral do Estado”, afirma.

Além de apresentar os estudos, a equipe de Meio Ambiente dos Portos do Paraná vão realizar ações de educação ambiental durante os seminários, principalmente em relação às espécies ameaçadas de extinção na região e a importância de respeitar os períodos de defeso.

“Será um trabalho de conscientização sobre a importância do defeso, por causa da reprodução das espécies, para continuar os estoques e para que os pescadores possam continuar exercendo a atividade”, completa a bióloga.

MONITORAMENTO

Ao longo desta semana, durante as atividades diárias do monitoramento da pesca, os pescadores estão sendo convidados a participar dos seminários.

São sete entrepostos de monitoramento. Além de acompanhar e entrevistar os pescadores no Mercado de Peixe e na Vila Guarani, em Paranaguá, a equipe também realiza abordagens em Antonina (Mercado de Peixe, Praia dos Polacos e Ponta da Pita); em Pontal do Sul (no Canal DNOS e na Vila dos Pescadores); e em Guaraqueçaba (na Colônia de pesca Z-2).

INFORMAÇÕES

O objetivo do programa é acompanhar alterações na pesca, identificar oscilações na produção e nos preços de comercialização de pescados em função da atividade portuária e das demais influências. São coletadas informações sobre a embarcação (pescador, nome do barco, sistema produtivo de pesca, tipo da embarcação, origem, arte de pesca, duração da atividade) e do pescado (nome, peso ou dúzia, preço, rendimento).

Até o momento, foram registrados mais de 50 pesqueiros e mais de 30 comunidades no monitoramento. De 2014 a 2018, a média anual é de quase 403,5 mil quilos de pescados na região, o que gera, em média, renda anual de R$ 3,7 milhões. Além da Tainha e do Camarão Branco, as espécies mais pescadas são Parati, Bagre, robalo, Pescada Bembeca e Baiacu.

A realização do programa de monitoramento da atividade pesqueira é uma medida de mitigação exigida pelo licenciamento federal, conduzido pelo Ibama (LO 1173/2013 e 1364/2017).

 

Da Assessoria da APPA

Continuar lendo
Publicidade

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.