Connect with us

Meio Ambiente

Por precaução contra febre amarela, IAP fecha 15 parques estaduais do litoral

Parques estaduais e APAs do litoral estarão fechados para visitação durante 15 dias (Foto: IAP/AEN)

Publicado

em

Determinação ocorre devido às ocorrências da doença na área de divisa entre Paraná e São Paulo

Na quinta-feira, 24, o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) determinou que todas as Unidades de Conservação Estaduais no litoral do Estado estão fechadas para visitação pública durante 15 dias. A medida ocorre durante a temporada de verão que concentra um alto fluxo de turistas na região. De acordo com o IAP, a medida é uma precaução por conta da ocorrência de casos de febre amarela na área de divisa entre São Paulo e o Paraná, no Vale do Ribeira, entre os municípios paulistas de Eldorado, Iporanga e Registro.

Com a medida, estão fechadas nos sete município litorâneos os parques estaduais do Boguaçu, Pico Paraná, Roberto Ribas Lange, do Palmito, da Graciosa, do Pau Oco, Rio da Onça e Pico do Marumbi, assim como as áreas de preservação ambiental (APAs) de Guaratuba e Guaraqueçaba.

"Quanto às Estações Ecológicas e unidades de conservação onde são realizadas pesquisas, será permitida a entrada de pesquisadores com a apresentação da carteirinha de vacinação contra a febre amarela", destaca o IAP. Ainda segundo o órgão estadual, foi recomendado o fechamento das Unidades Municipais, Federais e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs).

"Caso sejam encontrados primatas mortos na região litorânea, é preciso informar a Secretaria de Meio Ambiente do município mais próximo, ou o IAP, pelo número (41) 3213-3462 ou (41) 3213-3830", complementa a assessoria.

AINDA É INVESTIGADA LIGAÇÃO DE MORTE DOS MACACOS EM ANTONINA COM FEBRE AMARELA

Na tarde de terça-feira, 22, uma equipe da Secretaria de Estado da Saúde (SESA) foi convocada para investigar em Antonina a morte de três macacos de uma carcaça mais antiga no Morro dos Queimados. O objetivo foi apurar a possibilidade de que os animais morreram devido à febre amarela. "Ainda não se pode afirmar se eles morreram por causa da doença. Os técnicos colheram material para fazer os exames necessários e enviaram as amostras para a Fiocruz/Paraná. Em função do pedido de urgência na identificação da causa da morte dos animais, acredita-se que os resultados possam estar prontos em uma semana", afirma a Sesa, destacando que a causa da morte só será divulgada na próxima semana.

Segundo a Sesa, já havia sido emitido um alerta sobre iminência de que casos de febre amarela podiam acontecer no litoral do Paraná, por ser próxima à divisa de São Paulo, que já registrou casos de doença e mortes. “Agora, o importante é convocar a população para tomar a vacina, disponível em todas as unidades de saúde do Paraná”, afirma o superintendente interino de Vigilância em Saúde, João Luís Crivellaro. Todas as unidades de saúde de Paranaguá estão disponibilizando a vacina contra a febre amarela para a população local. Quem pode tomar as doses  são pessoas entre 9 meses a 59 anos de idade.

Equipe da Sesa recolheu material dos macacos mortos e divulgará resultado na próxima semana (Foto: SESA/AEN)

A morte dos macacos em Antonina gerou alerta extensivo a todo o Paraná, sendo que as outras regiões, além do litoral, já foram recomendadas pela Sesa a disponibilizarem a vacina. Além do litoral, a região de Curitiba está oferecendo e fazendo campanha de vacinação contra a febre amarela devido às ocorrências da doença em São Paulo. A médica veterinária Ivana Belmonte, do Centro de Vigilância Ambiental de Saúde, afirma que a Sesa havia entrado em contato na quarta-feira, 23, com a Secretaria de Desenvolvimento Ambiental e Turismo, recomendando o controle de parques e áreas de mata próximas a Antonina, algo que foi estabelecido pelo IAP na quinta-feira, 24.

MACACOS NÃO TRANSMITEM DOENÇA E NÃO DEVEM SER MORTOS

Segundo a médica veterinária Ivana Belmonte, a população jamais deve matar macacos, visto que os animais não transmitem a febre amarela. “Os macacos são tão vítimas da doença quanto os seres humanos”, explica. Os espécimes são inclusive aliados do ser humano no controle e prevenção da febre amarela, visto que a morte deles é um indicativo para a existência do mosquito com vírus transmissor da doença. A desinformação por parte da população já levou pessoas a matar primatas no Rio de Janeiro e em São Paulo, algo que é crime ambiental.

"Em áreas de mata, o vírus é transmitido pelos mosquitos haemagogus e sabethes, que vivem nas copas das árvores e preferem o sangue dos macacos. Entretanto, quando esses animais são mortos, as fêmeas vão em busca de sangue humano", explica a assessoria. "O IAP ressalta que os macacos não são vetores da febre amarela e sim vítimas. A morte deles é um alerta que ajuda a população a se prevenir", finaliza.

*Com informações da AEN e IAP.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.