conecte-se conosco

Fábio Campana

Três é demais

Uma vaga para três candidatos. Não é vestibular, é a situação do PT no Paraná, que tem três candidatos a deputado federal e pelos cálculos dos aritméticos do partido, só um conseguirá se eleger. Vão à luta os atuais deputados federais Enio Verri e Zeca Dirceu…

Publicado

em

Uma vaga para três candidatos. Não é vestibular, é a situação do PT no Paraná, que tem três candidatos a deputado federal e pelos cálculos dos aritméticos do partido, só um conseguirá se eleger. Vão à luta os atuais deputados federais Enio Verri e Zeca Dirceu. Pois agora os dois têm uma adversária em sua própria trincheira. Gleisi Hoffmann, a que não pode ficar sem mandato, desistiu há muito da reeleição ao Senado, Vai tentar uma cadeira na Câmara Federal.

 

Efeito Requião

O sonho dos três é Requião candidato a governador em aliança com o PT. Quem sabe? De Requião tudo se pode esperar, explica um marqueteiro petista.

 

Quo vadis, Requião?

Ninguém sabe, nem o próprio Requião, que não conseguiu responder à pergunta que o frade das Mercês lhe fez em latim: aonde vais, Requião? Pois, pois, ele está sem rumo. Passa de uma hipótese a outra com a rapidez do Usain Bolt. Amanhece candidato a governador, no almoço vai tentar a reeleição ao Senado, adormece considerando a hipótese mais segura de virar deputado federal, o que ajudaria o seu filho, Mauricio, a se reeleger deputado estadual.

 

Sem aliados

Quanto aos aliados, uma grande dificuldade. Ninguém quer Requião ao seu lado, com exceção do PT de Gleisi Hoffmann et caterva, que está se segurando em fio desencapado. Nem mesmo os deputados do próprio PMDB andam satisfeitos com Requião, convictos de que ele fará tudo para reeleger o filho, pouco se importando com o destino deles e do partido.

 

Osmar e a mídia

Osmar Dias diz que percebeu que quando não há notícia nova ele vira manchete. Na véspera de fim de semana ou de feriado, quando a Lava Jato acalma, o parlamento entra em recesso e o governo vai para a praia, começam as especulações sobre a sua candidatura, opções partidárias e de alianças.

 

Mantra

Para que não haja dúvidas, ele repete mais uma vez o seu mantra: será candidato a governador, em nenhuma hipótese será candidato a senador. Sobre a questão partidária, não tem pressa e nada vai decidir antes de abril. Se mudar de sigla só terá uma opção, o Podemos, de seu irmão Alvaro Dias.

Publicidade






Em alta