Connect with us

Entrevista

Paraná está em primeiro lugar em número de doadores de órgãos

“Como temos uma grande oferta de órgãos, as pessoas saem da fila e conseguem o seu transplante”, destacou Arlene Terezinha Badoch (Foto: Arquivo AEN/PR)

Publicado

em

Coordenadora do Sistema Estadual de Transplantes explica como o trabalho é realizado

Em abril deste ano, o Governo do Estado divulgou que o Paraná é o Estado que está em primeiro lugar em número de doadores de órgãos, em transplantes realizados, em autorização das famílias e em busca por possíveis doadores.

Enquanto a taxa de doadores no Brasil foi, no ano passado, de 17 por milhão de população (pmp), o Paraná fechou o ano com índice 47,7 doadores por milhão, quase três vezes maior que o do País. E nos dois primeiros meses de 2019 o Estado já alcança 47,2 por milhão.

O resultado é fruto de um trabalho desenvolvido pelo Sistema Estadual de Transplantes do Paraná. A coordenadora do sistema, Arlene Terezinha Badoch, relatou qual a realidade da doação de órgãos, as principais dúvidas da população e a importância de cada cidadão manifestar para a família a sua vontade. Confira:

 

Folha do Litoral News: O Paraná se posicionou como o primeiro em número de doadores. Como foi possível alcançar esse índice?

Arlene: Os nossos números são impressionantes graças a um grande trabalho feito junto à população, com equipes muito bem treinadas, somos o Estado que mais realiza transplantes. Isso é ótimo, porque as pessoas estão recebendo os órgãos e voltando a ter uma vida normal.

 

Folha do Litoral News: Quantas pessoas estão na fila para receber órgãos no Estado atualmente?

Arlene: Nós transplantamos em torno de duas mil pessoas ao ano e todos os anos entram outras duas mil pessoas que aguardam por um órgão ou tecido. Por isso, a média é essa.

 

Folha do Litoral News: Existe uma espera maior por algum órgão?

Arlene: O rim é o órgão que mais transplantamos, porém a distribuição é por estudo genético. É a lista que mais tem pessoas aguardando. Porque o rim, quando não conseguimos o órgão, a pessoa se mantém viva, com o uso de diálise. Quando a situação envolve coração ou fígado, infelizmente se não receber os órgãos meses após entrar na fila, pode falecer. Não é o caso do Paraná, como temos uma grande oferta de órgãos, as pessoas saem da fila e conseguem o seu transplante.

 

Folha do Litoral News: Ainda existem muitos mitos sobre a doação de órgãos. Como as equipes de Central de transplantes lidam com as dúvidas das famílias?

Arlene: Nós temos equipes muito bem treinadas para dar ajuda aos hospitais, esclarecer todas essas dúvidas e trabalhar as recusas que muitas pessoas fazem por desconhecimento. Hoje, a educação continuada é um projeto do sistema estadual com profissionais extremamente capacitados para trabalhar a recusa e reverter esse processo.

 

Folha do Litoral News: Como os interessados em doar seus órgãos devem proceder?

Arlene: Quem doa é a família, não se deixa nada por escrito, por isso é importante comunicar aos familiares que você é doador. Caso ocorra uma morte encefálica e você possa ser um doador, a família será consultada e sabendo que você é um doador, a família doa. A família hoje está muito esclarecida e nós temos equipes que fornecem a ela todo o esclarecimento de dúvidas. O item que a família mais questiona é que durante a vida a pessoa não esclareceu que era doador. Por isso, é importante que a gente fale para a família.

 

Folha do Litoral News: Qual o procedimento dos hospitais para a doação de órgãos?

Arlene: Os hospitais que têm UTI e equipes médicas treinadas para identificar pacientes com morte encefálica fazem o protocolo, notificam a Central de Transplantes e o Sistema Estadual acompanha todo esse processo, finalizando o diagnóstico de morte, e quando o paciente tem condições de ser doador, é dada a oportunidade para a família fazer a doação. Se a família aceita, todo o processo é feito pelo Sistema Estadual, desde a identificação, de quem irá receber, até a logística de quem vai transportar. É muito complexo, envolve, normalmente, mais de 60 pessoas em cada procedimento.

 

Folha do Litoral News: Quando se constata um doador, quantas pessoas podem ser beneficiadas?

Arlene: Um doador pode doar até sete órgãos: coração, fígado, pulmões, rins, intestino. Dependendo das doenças prévias do doador, das doenças prévias que ele tinha, se faz o quantitativo de órgãos que ele doa. Todo o processo é pago pelo Sistema Único de Saúde, todo o diagnóstico, captação, mesmo que o paciente esteja internado em hospitais particulares, tudo é feito pelo SUS.

 

Folha do Litoral News: Algumas famílias têm resistência à doação de órgãos. Como ocorre o trabalho neste aspecto?

Arlene: Fazemos campanhas permanentes de educação continuada, mostrando a importância da solidariedade e a transparência em todo o processo e a credibilidade do sistema para que a família se torne doadora e para nós mudarmos a realidade brasileira. As pessoas que queiram conhecer mais sobre a Central de Transplantes podem consultar o nosso site (www.paranatransplantes.pr.gov.br), onde tem todas as informações pertinentes sobre o processo de atuação, transplantes, os hospitais que transplantam, os hospitais que notificam.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.