Logotipo

Guilherme Costa completa 25 anos de carreira musical

05 de agosto de 2018

Cantor foi selecionado para mais de 30 festivais e pretende expandir agenda de shows para outras cidades

Compartilhe

Guilherme Costa está completando 25 anos de carreira musical. Natural da cidade de Cambará (norte do Paraná), chegou a Paranaguá quando tinha apenas três anos. Filhos dos músicos Sonia Costa e Edgar Bruno (em memória). Se envolveu cedo com a música, pois traz consigo a herança genética para as notas musicais. O ano de 2018 é um marco em sua trajetória pelo fato de ter lançado seu primeiro CD. É sobre sua vida artística que ele fala nesta entrevista. Confira: 

 

Folha do Litoral News: Como surgiu o interesse pela música?

Guilherme Costa: Naturalmente, em minha casa sempre houve muita música, meu pai tocava violão, minha mãe toca acordeão e canta muito bem. Aos sete anos de idade, meu irmão também músico, Alexandre, me ensinou os primeiros acordes no violão e as coisas foram acontecendo, sem muita pretensão.

Folha do Litoral News: Quando criança imaginava ser o músico que é hoje?

Guilherme Costa: Sempre me imaginei compondo, sempre foi muito natural essa atividade, comecei a compor logo que dominei o violão, mas realmente nunca imaginei fazer carreira com isso.

Folha do Litoral News: Quais foram as maiores influências do início da carreira?

Guilherme Costa: Várias fases diferentes, influências diversas, na minha adolescência ouvia muito rock, quando comecei a entender a grandeza da MPB me encantei com a riqueza harmônica, mas sempre gostei da boa música independente de gênero, nota-se isso no meu CD, talvez seja esse o motivo do título “Estudante do Mundo”, pois ali pode-se ouvir reggae, blues, música regional, pop, fandango etc… tudo junto e misturado (risos).

Folha do Litoral News: Cite alguns momentos marcantes em sua trajetória.

Guilherme Costa: O primeiro grande momento foi ficar em primeiro lugar no 2.º Festival da Canção de Paranaguá com a composição do meu irmão Alexandre. “Eu Vou Voltar Pro Interior”, se não me engano foi em 1994, outro momento marcante foi a classificação para o FEMUCIC, em Maringá, em 1996 com duas músicas “Vida Dura" e “Um Samba”, foi a primeira experiência de encontrar grandes artistas nacionais, a vitória no FUC em Ponta Grossa com “Panela de Barro”, junto do meu grande parceiro Leonardo Damião, foi muito emocionante também, pois lá se encontravam os melhores artistas nacionais nesse circuito de festivais, o show com Renato Bras em 2005 no Sesc Paranaguá foi muito marcante pra mim também.

Folha do Litoral News: Como é completar 25 anos de carreira musical mantendo a mesma origem?

Guilherme Costa: Não é fácil! É difícil navegar na contramão do mercado, mas quando fazemos o que gostamos e com amor, as coisas acontecem, hoje temos a Internet que nos ajuda bastante na divulgação dos trabalhos.

Folha do Litoral News: O CD “Estudante do Mundo” representa a concretização de um antigo sonho. Fale um pouco sobre esse trabalho.

Guilherme Costa: Com toda certeza, um sonho de muitos e muitos anos, mais do que um sonho, um compromisso com o público que acompanha meu trabalho.Comecei a gravar esse CD em 2011 no Estúdio V Music do grande profissional Vando Nascimento. Foi um trabalho de muita paciência utilizando minhas horas de folga, um trabalho em que contei com a colaboração dos meus amigos músicos que acreditaram no projeto, se doaram e deram o seu melhor, muito grato a todos.

Folha do Litoral News: Você chegou a ser selecionado para muitos festivais de música. No total, quantos e quais foram?

Guilherme Costa: Foram muitos, difícil lembrar de todos, mas vou citar alguns: só no FEMUCIC (Maringá) foram 13 edições, FUC (Ponta Grossa) 6 edições, Canta Guarapuava-PR, Maricá-RJ , Avaré-SP, Boa Esperança-MG, Toledo-PR e outros que me lembro é que foram mais de 30 festivais percorridos nesses anos. Os festivais foram para mim muito importantes, pois me fizeram crer que realmente eu era um compositor com alguma qualidade, acabei fazendo muitos amigos e surgiram algumas parcerias, dentre elas Adolar Marin, meu parceiro na canção “Trindade”, e Léo Nogueira, letrista da canção “Estudante do Mundo”, ambos de São Paulo.

Folha do Litoral News: Quais são seus projetos para o futuro?

Guilherme Costa: Em breve entrar em estúdio para gravar o segundo CD, fechar alguns shows em outras cidades para divulgação do CD “Estudante do Mundo’, lembrando que o mesmo dentro de alguns dias estará disponível nas mídias digitais nas seguintes plataformas: Spotify, Music, Deezer, Google Play Music e Shazam.

Colunistas