Logotipo

Capitão dos Portos do Paraná fala dos desafios frente à instituição

03 de fevereiro de 2019

Capitão de Mar e Guerra Rogerio Antunes Machado assumiu recentemente a Capitania dos Portos do Paraná

Compartilhe

“Nosso lema como instituição militar é: sua segurança no mar é nossa missão”, reitera o comandante


Rogerio Antunes Machado é filho de Orlando Machado e Teresinha Conceição Antunes Machado, casado com Renata e possui três filhos, Orlando, Mariana e Rafael. Iniciou a carreira como aluno do Colégio Naval, em 1989, galgando postos como tenente e capitão tenente (2001), capitão de Corveta (2007) e capitão de Fragata (2013), sendo elevado a capitão de Mar e Guerra no ano de 2018, posto que ocupa atualmente na Marinha do Brasil. 
Dentro dos cursos acadêmicos, destacam-se: graduação em Ciências Navais, com habilitação em Sistemas e Armas, na Escola Naval; especialização de Armamento para Oficiais; aperfeiçoamento para Oficiais de Superfície; curso de Estado-Maior para Oficiais Superiores e curso de Administração, pela Copead (SIGLA) RJ, entre outros.  


Entre os principais cargos e funções, foi comandante do Navio Balizador “Comandante Varella” (2005/2006), imediato da Escola de Aprendizes-Marinheiros do Espírito Santo (2008/2011), imediato do Navio de Desembarque de Carros de Combate “Almirante Saboia” (2012/2015), Chefe do Departamento de Ensino do Navio-Escola “Brasil” (2016), imediato da Base Naval do Rio de Janeiro (2017/2018) e, atualmente, exerce o cargo de capitão dos Portos do Paraná. 


Já recebeu as seguintes condecorações: medalha Militar e passador prata, medalha Mérito Tamandaré, medalha Mérito Marinheiro, quatro âncoras e medalha Mérito Pedro Ernesto, pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro. 
O comandante Rogerio está à frente da Capitania dos Portos do Paraná, que tem o propósito de contribuir para a orientação, coordenação e controle das atividades relativas à Marinha Mercante e organizações correlatas, no que se refere à segurança da navegação, defesa nacional, salvaguarda da vida humana no mar e prevenção da poluição hídrica.


Nesta entrevista, ele fala um pouco sobre o trabalho que está iniciando na Capitania dos Portos do Paraná, em que tomou posse no dia 17 de janeiro, e que tem em sua jurisdição um dos maiores portos do País, o Porto de Paranaguá. Confira: 

Folha do Litoral News: O senhor está vindo do Rio de Janeiro. Quais são as primeiras impressões que teve de Paranaguá? 

Comandante Rogerio: Já estive em Paranaguá em outras ocasiões, vindo com os navios da Esquadra, em outras comissões da Marinha. A riqueza histórica da cidade me chamava a atenção com seus casarões e prédios históricos. É uma cidade muito bonita e minha família ficou ansiosa quando soube que estava intencionado para vir para a Capitania, e todos estão gostando muito. A minha primeira impressão é que a cidade é acolhedora, tem um povo simpático e tenho certeza de que seremos muito felizes neste período que estarei à frente da Capitania. 

Folha do Litoral News: Quais serão seus objetivos na Capitania dos Portos do Paraná? 

Comandante Rogerio: O objetivo da Capitania e sua missão principal se constituem na segurança da navegação. O lema aqui da capitania é: “sua segurança no mar é a nossa missão”. A missão principal é em relação à segurança do tráfego aquaviário e a gente vai se empenhar bastante em manter este processo, para que as embarcações estejam trabalhando e viajando dentro da regulamentação, pois este é o dever principal da Capitania. 

Folha do Litoral News: Como a Capitania pretende cumprir a missão no litoral do Paraná? 

Comandante Rogerio: Estamos no curso da Operação Verão e é exatamente nesta época em que grande parte da população se dirige ao litoral para aproveitar banhos de mar, em travessias, esportes aquáticos e, neste período, a Marinha realiza em todo o País a Operação Verão, que consiste exatamente na fiscalização em relação às embarcações, se elas estão com a documentação em dia, se os pilotos estão devidamente habilitados, a parte de segurança dos passageiros, se as embarcações possuem coletes salva-vidas, boias e toda a parte de segurança. Neste período, a Capitania, que é responsável pela região do Paraná, tem intensificado esta fiscalização. 

Folha do Litoral News: Como será conduzida a relação da CPPR com o Porto de Paranaguá? 

Comandante Rogerio: Com relação aos Portos do Paraná, temos o Porto de Paranaguá que é o segundo maior do País e o primeiro em exportação de grãos. É importante mantermos viva a economia do País e a segurança é um dos pontos chaves.  Sempre o nosso foco será a segurança da navegação. A economia precisa caminhar e a nossa relação com o porto é torná-lo cada vez mais seguro, para que mais navios possam atracar e, com isso, aumentar a riqueza da região e do País. 

Folha do Litoral News: Qual o balanço até agora da Operação Verão 2018/2019? 

Comandante Rogerio: Com relação às inspeções navais tenho uma prévia até o dia 29 de janeiro, em que já tivemos 1.195 embarcações de recreio inspecionadas, entre as quais 78 foram notificadas. Tivemos duas apreensões e dois acidentes na região neste período da Operação Verão. 

Folha do Litoral News: Em janeiro, havia a previsão da realização da Operação Travessia Segura na Operação Verão, o que tem sido feito? 

Comandante Rogerio: A Operação Travessia Segura possui como foco principal a travessia de passageiros por embarcações no mar. Estamos vistoriando, principalmente, se essas embarcações que fazem o transporte de pessoal e material, e embarcações de recreio que atuam na área de turismo, tenham as condições necessárias para atuar. Estamos vistoriando se estão com a documentação em dia, se os pilotos estão devidamente com suas carteiras, se os itens de salvatagem, coletes e boias salva-vidas estão presentes. O importante é salientar que nesta época de verão o pessoal se excede no consumo de bebidas alcoólicas, também atuamos repreendendo quem está pilotando as embarcações e, se tiver consumido álcool, que é proibido, haverá notificação.   

Folha do Litoral News: Como as pessoas podem contribuir para o serviço da Marinha na região?

Comandante Rogerio: Digo que isso não é um serviço exclusivo da Marinha, a fiscalização é um dever de todo cidadão, o qual ao perceber que algo estranho está fora das regras, tem o dever de comunicar a Capitania dos Portos. A gente possui um serviço de ouvidoria, recebemos denúncias e informações de embarcações que não estão regularizadas e de pilotos que não tenham a documentação necessária para conduzir. Nós averiguamos essas denúncias e, se constatadas realmente essas falhas, as pessoas são notificadas e as embarcações poderão ser apreendidas, tudo isso em nome da segurança na navegação.    

Folha do Litoral News: Qual mensagem o senhor deixa à população paranaense?

Comandante Rogerio: Estou muito feliz por estar na cidade de Paranaguá, a cidade mãe do Paraná. Paranaguá tem a vocação do mar, com o Porto de Paranaguá, um dos maiores do Brasil, e é importante que cada um também se sinta responsável pela segurança da navegação. Reitero que temos um canal de comunicação com a população e qualquer sugestão ou denúncia pode ser encaminhada para a Capitania, pois não mediremos esforços para tentar solucionar os problemas. 
 

Colunistas