Connect with us

Segurança

PMPR faz balanço positivo da operação Carga Segura em Paranaguá

Operação visa a reforçar segurança, urbanismo e higiene na entrada de Paranaguá

Publicado

em

Ação conjunta é realizada há dois meses 

Na tarde da quinta-feira, 18, a Polícia Militar do Paraná (PMPR), através do seu 9.º Batalhão (9.º BPM), atuante no litoral, fez mais uma ação que faz parte da Operação Carga Segura, realizada em conjunto com forças de segurança federais, estaduais e municipais com foco principal na prevenção e combate ao roubo de cargas no período de safra em que muitos caminhões desembarcam a produção paranaense e nacional no Porto de Paranaguá. Durante a operação, que ocorre há cerca de dois meses no município, a PMPR destaca a redução drástica das “vazadas”, algo que gera, consequentemente, a diminuição de crimes conexos como o tráfico de drogas, entre outros. 

De acordo com o comandante da 1.ª Companhia do 9.º BPM, 1.º tenente (QOPM) Sérgio Antonio Merege de Mello Filho, o balanço da ação é positivo. “São dois meses de operação. Na quinta-feira, 18, fizemos uma ação mais contundente e enfática para continuar este trabalho que vem sendo desenvolvido. Nesse período, além de reduzir drasticamente o número de ‘vazadas’, conseguimos desmantelar depósitos em que eram depositados esses roubos de carga. Além disso, conseguimos apreender uma alta quantidade de droga, armas envolvidas em crimes conexos, como o tráfico de drogas. 

“Temos que continuar este trabalho conjunto com a Guarda Civil Municipal (GCM), Guarda Portuária, Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), Guarda Civil Municipal (GCM), que vem dando certo”, completa o comandante Merege, destacando que a ação é mais focada em Paranaguá. 

Abertura de bica ou “vazada”

A abertura de bica ou “vazada” é o ato em que criminosos, no trajeto ao Porto de Paranaguá, abrem a parte da carga do caminhão e despejam produtos diversos na pista e fazem o furto da carga. “Com esta carga receptada eles levam a armazéns e dão destino ilegal ao material, sem pagar impostos e tributação, algo totalmente à margem da lei. Além disso, há risco à saúde dos próprios usuários das rodovias e locais onde as bicas são abertas, uma vez que vários acidentes são ocasionados por causa da sujeira, bem como é algo visualmente feio para a nossa cidade. Então é algo que, além da segurança, abrange a higiene de Paranaguá para com todos os moradores”, explica. 

Merege destaca que a “vazada” é uma abordagem direta ao caminhão quando está chegando ao Pátio de Triagem para descarregar. “Enquanto eles estão na fila ou se deslocando em baixa velocidade, os marginais, às vezes com uso de pedras, atacam caminhoneiros, ou vão na retaguarda e fazem a abertura da bica, que no momento em que é puxada já se extravia pela pista. Caminhoneiros adotam medidas como colocar cadeado, entre outras ações, mas isso não é obrigatório. Nós temos um volume expressivo de caminhões que vêm a nossa cidade, chegando a 5,5 mil veículos que chegam ao dia, então é algo muito grande e se torna inviável colocar o cadeado toda hora na carga pelas empresas e profissionais”, completa.

Receptadores

Comandante da 1.ª Companhia do 9.º BPM, 1.º tenente Merege, afirma que “vazadas” foram reduzidas em Paranaguá com atuação policial

Segundo Merege, a operação possui foco na identificação e prisão de receptadores em Paranaguá. “Nosso principal alvo é desmantelar essas quadrilhas de receptação, pois a partir do momento em que conseguimos isso, principalmente os usuários de drogas param de fazer a abertura de bica por não ter onde levar este material. Conseguimos já fechar armazéns com ações firmes dando resultados positivos. Na quinta-feira, 18, realizamos abordagens específicas nesse sentido”, completa.

Trabalho de inteligência e denúncias 

“O trabalho conjunto de inteligência com troca de informações se mostrou muito positivo em Paranaguá e é algo essencial, muito eficaz nesta operação. Na quarta-feira, 17, tivemos uma ação entre a PRF e a PMPR que resultou na apreensão de cerca de 22 quilos de maconha e arma de fogo”, afirma o tenente. 

Merege ressalta que o envio de denúncias pela população é essencial nesse trabalho de inteligência e pede que os cidadãos prossigam nesse sentido. “Que os cidadãos sigam nos informando de ocorrências em locais específicos com o máximo de informações sobre as pessoas envolvidas, placas de caminhões, local onde droga está sendo escondida, entre outros itens, algo que pode ser feito de forma totalmente anônima e segura. Com isso, a PMPR desenvolve ações específica com resultados positivos”, explica. 

Guarda Portuária e Atexp

O tenente afirma que a Guarda Portuária é essencial neste apoio à Operação Carga Segura. “Ela colabora com diversas informações e consegue dar vazão aos materiais apreendidos de acordo com as leis ambientais, algo que contamos com o apoio também da Associação dos Terminais do Corredor de Exportação de Paranaguá (Atexp)”, completa.