conecte-se conosco

Política

Eduardo Leite anuncia renúncia ao cargo de governador do Rio Grande do Sul

Político é cotado para a disputa do cargo de presidente da República nas eleições de 2022

Publicado

em

Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini

Na tarde de segunda-feira, 28, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, do PSDB, anunciou que renunciará ao seu cargo no Executivo próximo ao dia 2 de abril e prosseguirá na sigla partidária. Leite deixa o mandato dentro da data limite imposta pela Justiça Eleitoral para ser possível concorrer ao cargo de presidente da República nas eleições de 2022. Se ele tentasse se reeleger como governador, ele poderia prosseguir como chefe do Executivo no Rio Grande do Sul. 

Em coletiva, o ainda governador afirma que está se apresentando como uma opção para concorrer à presidência pelo PSDB, partido que realizou prévias para definir seu candidato ao Palácio do Planalto, com a vitória do governador de São Paulo, João Doria. “Não é sobre as prévias, sobre o partido, é sobre o Brasil. Não pode qualquer projeto outro estar acima do nosso sentimento de viabilizar uma alternativa para o país”, afirma Eduardo Leite. Há a possibilidade também de o político sair do seu atual partido para concorrer à presidência por outra sigla. 

Eduardo Leite segue cotado para ser candidato ao cargo de presidente, tendo 1% das intenções de voto no cenário sem João Dória na pesquisa de intenção de voto Datafolha divulgada no último dia 23 de março.  Na coletiva, Leite não afirmou para qual cargo irá concorrer. “A renúncia me abre muitas possibilidades e não me retira nenhuma. Então, é importante dizer, a lei eleitoral exige que nós estejamos fora de um cargo executivo, a não ser que a única alternativa que se visualize seja a da reeleição”, relata. “As prévias são legítimas, nós respeitamos as prévias. Mas nós estaremos diante de uma discussão que envolve outros partidos políticos”, explica Leite.

“Eu me sinto preparado, me sinto em condições, tenho vontade, tenho disposição para ser, sim, presidente. Mas ninguém é presidente pela sua mera vontade pessoal. Uma candidatura à Presidência não é levada por um projeto pessoal, ela é um projeto que tem que ser construído coletivamente”, afirma o gaúcho. 

Com a renúncia, assumirá como governador do Rio Grande do Sul o atual vice-governador, Ranolfo Vieira Júnior, também do PSDB. 

Com informações do G1