conecte-se conosco

Meio Ambiente

Pronto atendimento do IAT ajuda a salvar a vida de animais silvestres no litoral

Atendimentos aos animais acontecem no Parque Estadual do Palmito

Publicado

em

Esse espaço será ampliado por meio do pagamento de compensações ambientais por parte do Porto de Antonina. / Foto: Erica Fernanda/IAT

No meio da imensidão dos mais de 1,7 mil hectares que formam o Parque Estadual do Palmito, em Paranaguá, uma pequena casa de 35 metros quadrados chama a atenção pelo entra-e-sai constante. É lá que funciona o Pronto Atendimento de Animal Silvestre (PAS) do Litoral do Paraná. Desde a implementação do complexo pelo Instituto Água e Terra (IAT), no segundo semestre de 2022, foram salvos 509 bichos que vivem na natureza, aqueles que não têm (ou não deveriam ter) contato com os humanos, entre aves, répteis, mamíferos e anfíbios, entre outros.

A estrutura é enxuta, com custo mensal estimado em R$ 10 mil, mas faz toda a diferença para os animais vitimados por caçadores, criminosos ou feridos em acidentes. Funciona no antigo depósito de um dos laboratórios da Universidade Estadual do Paraná (Unespar) e conta com um veterinário e um biólogo, ambos residentes, e um técnico em Meio Ambiente e estudante de Biologia, que atua como bolsista.

Esse espaço será ampliado por meio do pagamento de compensações ambientais por parte do Porto de Antonina. Com investimento de R$ 85 mil, está em construção uma nova área para manejo das aves, com local específico para testes de voo.

“Trabalhamos com as condicionantes como contrapartidas aos licenciamentos, abrindo possibilidade de ter mais recursos para alimentação, equipamentos de manejo e de proteção individual (EPI). Além disso, nos permitiu fazer construções como essa área de manejo”, afirma o técnico em Meio Ambiente e responsável pelo setor de destinação e manejo de animais silvestres do IAT, Rafael Galvão.

“Recebemos muitas aves, mas não conseguimos testar se ela está voando e em condições de retornar à natureza. Por isso esse manejo é importante. Além disso, do lado externo da nova estrutura haverá um tanque para soltar os quelônios (tartarugas)”, acrescenta.

Foto: Erica Fernanda/IAT

ATENDIMENTO

Dos 509 animais que passaram pelo PAS, 23 foram destinados para guarda provisória por meio do Termo de Guarda de Animal Silvestre, dois estão com fiéis depositários, através do Termo de Destinação de Animal Silvestre, e 81 encaminhados a mantenedores conveniados. Outros 179 retornaram ao habitat natural, devolvidos após a plena recuperação. O restante não resistiu ao tratamento.

“A área de cobertura verde em Paranaguá é imensa e, consequentemente, temos uma grande biodiversidade de fauna. Portanto, infelizmente, é comum encontrarmos animais atropelados, vítimas de caça ou feridos”, diz Galvão. “Nós sempre incentivamos a entrega voluntária desses animais em pontos como esse do IAT para a correta destinação e tratamento desses bichos”.

VERÃO

Segundo o biólogo João Pedro dos Santos Mello, um dos voluntários que ajudam no atendimento no PAS, o verão é o período em que há mais ocorrências no Litoral. Parte em razão do aumento do número da população com o fluxo maior de turistas, parte pela intensificação na fiscalização atrás da Operação Verão Maior Paraná, organizada pelo Governo do Estado.

“Aumenta o resgate de animais adultos em geral porque o fluxo de pessoas é muito maior, acontecem mais atropelamentos”, afirma.

CONTATO

Se você mora no litoral paranaense e avistou algum animal machucado ou vítimas de maus-tratos, tráfico ilegal ou cativeiro irregular, entre em contato com a regional do IAT de Paranaguá pelos seguintes telefones: Fauna Litoral – WhatsApp (41) 97401-6701 e Parque do Palmito – WhatsApp (41) 93424-5016.

Fonte: AEN

plugins premium WordPress