conecte-se conosco

Meio Ambiente

Programas ambientais garantem bom andamento das obras na Orla de Matinhos

Dezessete programas de monitoramento ambiental são realizados de forma integrada com as obras previstas no Projeto de Recuperação da Orla de Matinhos

Publicado

em

Foto: DTA e AQUAPLAN/SEDEST

Dezessete programas de monitoramento ambiental integram as Obras de Recuperação da Orla de Matinhos, no Litoral, previstos no projeto executivo elaborado pelo Governo do Estado, por meio do Instituto Água e Terra (IAT). As obras são executadas pelo Consórcio Sambaqui, vencedor da licitação pública. O objetivo é permitir que as obras ocorram de maneira equilibrada e sustentável, promovendo ações que previnam, controlem ou até mesmo compensem satisfatoriamente os impactos ambientais.

O secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest), Everton Souza, lembra que as obras são realizadas com o objetivo de evitar problemas causados por intercorrências da maré alta e das chuvas na região. “O acompanhamento do projeto executivo elaborado pelo IAT prevê um amplo trabalho com programas ambientais. Todo o projeto foi pensado em garantir o cuidado com o meio ambiente, uma praia sem grandes impactos que vemos nos últimos anos, como a erosão e as enchentes”, afirmou.

A gestão e supervisão ambiental das obras envolve o destino eficiente dos resíduos, a mitigação dos impactos nas vias de circulação, o correto gerenciamento dos efluentes, o monitoramento dos níveis de ruídos, a gestão do patrimônio arqueológico, assim como várias outras ações em caso de paralisação dos trabalhos. 

Sob o aspecto social, são realizados também os programas de capacitação profissional, assistência social e educação ambiental junto da comunidade local, além dos que focam em qualificação turística e no desenvolvimento de Matinhos.

No que se refere às questões ambientais, são desenvolvidos programas de monitoramento da turbidez da espuma levantada pela remoção dos sedimentos da dragagem; das comunidades de animais e demais organismos marinhos (biota aquática); dos manguezais, relacionados à fauna e à flora nestes ambientes; e dos recursos hídricos.

RESTINGA 

Em paralelo ao andamento das obras, segue em andamento os trabalhos para o plantio das mudas de espécies de restinga previstas para a proteção da orla, e para o replantio dos espécimes da flora retirados desde o início dos trabalhos. A faixa dos 6,3 quilômetros de recuperação terá 75 mil metros quadrados de restinga nativa.

O trabalho de replantio será feito por técnicos especialistas nesta flora e fauna, e terá acompanhamento constante para que a restinga seja de fato adaptada à região de Matinhos. A retirada e o transplante da restinga nativa no Litoral do Estado possui Autorização Ambiental de acordo com a Resolução CEMA nº 107/2020.

Objetivo é garantir intervenções de maneira equilibrada e sustentável (Foto: DTA e AQUAPLAN/SEDEST)

OBRAS 

As Obras de Recuperação da Orla de Matinhos têm previsão de serem executadas até o segundo semestre de 2024. O investimento de R$ 314,9 milhões do Governo do Estado tem o objetivo de minimizar os impactos gerados pela combinação de desequilíbrio de sedimentos, ocupações mal planejadas e a frequente ocorrência de ressacas no Litoral, que comprometeram boa parte da infraestrutura urbana, turística e de lazer na região.

O litoral paranaense recebe engorda da faixa de areia por meio de aterro hidráulico, estruturas marítimas semirrígidas, obras em canais de macrodrenagem e redes de microdrenagem, e revitalização urbanística da praia e da calçada com o plantio de árvores nativas. Também serão realizadas melhorias na pavimentação asfáltica e a recuperação de vias.

A engorda da faixa da areia já foi feita em mais de 5 km nos balneários e na praia de Caiobá. Ao todo, serão 6,3 km de alargamento, obra que deve ser finalizada ainda neste mês. A utilização pública da praia deve ser liberada somente após a estabilização da areia, porém a prática de surfe já está liberada.

A construção do espigão no Pico de Matinhos encontra-se na faixa de 50% de conclusão e os guias-correntes no Canal da Avenida Paraná, na orla, estão em 5% de obras. Além disso, as intervenções urbanísticas em Caiobá já começaram, com 60% das ações previstas já concluídas.

Fonte: AEN

Publicidade






Em alta