conecte-se conosco

Meio Ambiente

LEC realiza tratamento de seis aves e duas tartarugas-marinhas no litoral

Atendimento especializado envolve várias etapas

Publicado

em

Foto: LEC/UFPR - Divulgação

Na tarde da quarta-feira, 18, o Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), destaca que atualmente estão em tratamento oito animais resgatados no litoral do Paraná, entre eles seis aves e duas tartarugas-marinhas. Eles estão passando por atendimento especializado que envolve várias etapas no Centro de Reabilitação, Despetrolização e Análise da Saúde da Fauna Marinha (CRED/UFPR), localizado em Pontal do Paraná, no balneário Pontal do Sul. 

“Atualmente, nossa equipe do LEC da UFPR via Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) vem atendendo diariamente seis aves, entre elas, duas gaivotas (Larus dominicanus), um pinguim-de-magalhães (Spheniscus magellanicus), duas fragatas (Fregata magnificens), um atobá (Sula leucogaster) e duas tartarugas-marinhas, sendo uma tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta) e uma tartaruga-verde (Chelonia mydas)”, detalha a assessoria do LEC.

Segundo o laboratório, as espécies em questão são registradas encalhadas em diferentes estações no litoral paranaense, sendo que muitas delas encalham nas praias devido à interação com atividades humanas na região. “O dia a dia da reabilitação envolve uma série de etapas e tratamentos para que os animais se recuperem e estejam apto para retornar à natureza, nosso maior objetivo. No entanto, há animais que levam mais tempo para a recuperação do que outros, dependendo da condição de saúde ao serem resgatados pela equipe”, informa a assessoria.

LEC da UFPR atua o ano todo via Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos – PMP-BS (Foto: LEC/UFPR – Divulgação)

“Apesar do esforço coletivo ao longo do tratamento médico e ações para melhoria de aspectos comportamentais do indivíduo, nem sempre é possível a recuperação da saúde e habilidades motoras e fisiológicas de alguns pacientes, a exemplo da tartaruga-verde (Chelonia mydas) adulta e o filhote de lobo-marinho (Arctocephalus australis) que, recentemente, não resistiram às inúmeras debilitações e foram à óbito”, explica o LEC. 

Apesar disso, as equipes afirmam que continuam firmes nas atividades, sabendo que “fazem a diferença no bem estar animal e na possibilidade de sobrevivência destas espécies, tanto no CRED, quanto por meio das pesquisas das populações no ambiente natural”, completa. “A luta é diária para salvarmos vidas. A vida marinha importa”, ressalta o laboratório.

“E você, se importa com a vida marinha? Conte aqui o que tem feito para ajudá-la. Caso encontre tartarugas, aves e mamíferos marinhos debilitados ou mortos nas praias ligue 0800 642 3341 e acione nossa equipe de resgate. Nós também atendemos aos chamados via WhatsApp pelo telefone (41) 99213-8746”, finaliza o LEC da UFPR.

Com informações do LEC da UFPR