conecte-se conosco

Meio Ambiente

Início de verão registrou encalhe de 75 tartarugas marinhas no litoral do Paraná

Apenas dois animais sobreviveram

Publicado

em

Mortalidade da espécie preocupa especialistas, visto que maioria dos encalhes é de animais subadultos e adultos já reprodutivos / Foto: LEC/UFPR

Na segunda-feira, 29, o Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), via Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), anunciou que registrou um aumento de encalhes de tartarugas-cabeçudas (Caretta caretta) no litoral do Paraná durante o início do verão em dezembro de 2023. A espécie é uma das tartarugas marinhas com maior registros de encalhe na região, sendo que somente no último mês do ano passado foram contabilizados 43 encalhes, número maior do que o mesmo período em 2022, quando houveram 11 animais encontrados nas areias paranaenses. 

“A mortalidade de indivíduos preocupa os especialistas neste início de verão, já que a maioria dos encalhes é de animais subadultos e adultos já reprodutivos, o que interfere significativamente na manutenção da espécie no oceano Atlântico Sul. Em dezembro de 2023, registramos um aumento preocupante no número de encalhes de tartarugas-cabeçudas em relação ao mesmo período de anos anteriores: 43. Em dezembro de 2022, foram encontrados 11 animais; em 2021, 26 indivíduos; e em 2020, seis animais”, informa a assessoria do LEC.

Foto: LEC/UFPR

Segundo o Laboratório da UFPR, as tartarugas-cabeçudas sofrem devido ao impacto de diversas atividades humanas, entre elas:

“O lixo e demais poluentes que chegam ao mar; embarcações e dragas; ferimentos intencionais causados por humanos; e captura acidental em atividades pesqueiras consideradas pouco seletivas, como a pesca industrial”, acrescenta. “A colaboração entre pesquisadores e pescadores tem papel essencial na obtenção de dados sobre os padrões de interação, permitindo o desenvolvimento de estratégias sustentáveis que reduzam o impacto da pesca nas populações de tartarugas marinhas”, informa a assessoria.

Segundo o LEC, em dezembro de 2023,75 tartarugas marinhas, de quatro das cinco espécies que ocorrem no Brasil, encalharam no litoral paranaense, sendo que apenas dois indivíduos estavam com vida. O maior número de registros foram de tartarugas-cabeçudas, seguido pelas espécies tartaruga-verde (cerca de 28), tartaruga-oliva (dois) e tartaruga-de-pente (1).

PMP-BS

“A realização do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma exigência do licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama, para as atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural na Bacia de Santos. No estado do Paraná, Trecho 6, essa condicionante é realizada pela equipe LEC/UFPR (@lecufpr e www.lecufpr.net)”, finaliza o LEC.

Com informações do LEC/PMP-BS

Em alta