Connect with us

Meio Ambiente

Ibama autua empresa por exportação de produtos perigosos sem atender aos trâmites da Convenção de Basiléia

Publicado

em

Ibama autua empresa por exportação de produtos perigosos sem atender aos trâmites da Convenção de Basiléia

No dia 16 de novembro, a Unidade Técnica do Ibama em Paranaguá/PR, em ação integrada com a Divisão Técnica do Paraná e a Coordenação de Controle de Resíduos e Emissões, vinculada à Diretoria de Qualidade Ambiental – Diqua, autuou a empresa brasileira MGC Global Suprimentos de Informática Ltda, pela exportação de 16.500 cartuchos de impressão usados para Hong Kong, sem atendimento aos trâmites da Convenção de Basiléia, da qual o Brasil é signatário.

Segundo o Chefe da Unidade Técnica do IBAMA de Paranaguá , o Analista Ambiental Antonio Fabricio Vieira, a carga havia sido retida do porto de destino na China pelo Departamento de Proteção Ambiental (Enviromental Protection Departament) e devolvida para o Brasil para as providências cabíveis. Seguindo a agenda de gestão de resíduos do Ministério do Meio Ambiente, a empresa foi notificada a dar a destinação ambientalmente apropriada ao material. Os cartuchos de impressão/tonner, tendo em vista os elementos de sua composição, são classificados como resíduos perigosos, que de acordo com a NBR 10.004/04 são aqueles que apresentam riscos à saúde humana e ao meio ambiente. Portanto, devido a possível contaminação de suas embalagens deve-se haver um maior cuidado no seu gerenciamento e transporte.

Sobre a ação com a empresa exportadora dos cartuchos/tonners usados, o Superintendente do Ibama no Estado do Paraná, Dr. Luiz Antonio Corrêa Lucchesi, destacou a complexa missão do Ibama de atuar em várias frentes, com vista a buscar a sustentabilidade ambiental, que tem reflexos não apenas no meio físico mas também na economia e na vida dos cidadãos brasileiros. Para o Superintendente, a atuação do Ibama em Paranaguá tem importância estratégica, já que abriga um dos principais portos do Brasil e que, portanto, o município continuará recebendo atenção especial da Superintendência, que busca atuar de forma ampla e articulada com outros atores federais, estaduais e municipais.

A Convenção de Basiléia sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito

A Convenção foi concluída em Basileia, na Suíça, em 22 de março de 1989. Ela define os resíduos considerados perigosos e aqueles passíveis de controle e reconhece, ainda, o direito soberano de qualquer país definir requisitos para a entrada e destinação, em seu território, de outros resíduos considerados ou definidos como perigosos em sua legislação nacional. O Brasil é signatário desta Convenção e ao aderir à mesma, adotou um instrumento que considerava positivo, uma vez que segue os mecanismos internacionais estabelecidos para o controle desses movimentos, baseados no princípio do consentimento prévio e explícito para a importação, exportação e o trânsito de resíduos perigosos.

A Convenção procura coibir o tráfico ilegal e prevê a intensificação da cooperação internacional para a gestão ambientalmente adequada desses resíduos. Como a importação e a exportação de resíduos perigosos é regulada pela Convenção de Basiléia sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito, seu controle é de competência exclusiva federal, cabendo ao Ibama, como autoridade competente perante a Convenção de Basileia no Brasil, emitir a autorização para a importação, exportação e trânsito de resíduos no país.

Leia também: Empresa Portos do Paraná obtém 98% de aprovação no desempenho ambiental

Continuar lendo