conecte-se conosco

Meio Ambiente

Governo do Estado realizará ações no litoral na Semana do Meio Ambiente

Programação inclui mutirão de limpeza de praias, manguezais e rios

Publicado

em

O Governo do Estado do Paraná, em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no dia 5 de junho, tem uma agenda com ações de promoção de educação ambiental até o próximo dia 9. Entre as iniciativas estão a manutenção de trilhas de montanhismo, mutirões de limpeza e visitação de alunos do ensino fundamental e professores pelo projeto Parques Escola (ações educativas para alunos da Rede Estadual nas Unidades de Conservação do Paraná).

No litoral, está programado um mutirão para limpeza das praias na Ilha do Mel e inauguração de composteira no dia 4 de junho, sábado, a partir das 9h. No dia 6, segunda-feira, a partir das 8h30, haverá uma ação de apoio a ONG Pró-Restinga, no Parque Estadual do Palmito, em Paranaguá.

Ainda no dia 6, também está programado um mutirão de limpeza de áreas de manguezais e praias do Paraná, além da Ilha da Cotinga e no Rio Itiberê, em Paranaguá. Na terça-feira, dia 7, a partir das 9h, haverá a continuidade do mutirão nos mangues, praias e no Rio Itiberê.

No dia 8, quarta-feira, o mutirão de limpeza acontece na Ilha do Mel, a partir das 9h. E, no dia 9 de junho, quinta-feira, o mutirão será na Ilha das Cobras.

Até o dia 3 de junho, segue a campanha para recolhimento de resíduos eletrônicos nos escritórios regionais do Instituto Água e Terra (IAT). Também segue a campanha nas redes sociais da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest) para a preservação e manutenção dos recursos hídricos, além de um quiz on-line sobre espécies exóticas no site da secretaria.

Início das atividades

O IAT entregou no domingo, 29 de maio, equipamentos ao Clube Paranaense de Montanhismo (CPM), para utilização em ações de limpeza e manutenção de trilhas das Unidades de Conservação (UCs). A ação marcou o início das atividades em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente.

Os materiais foram utilizados pelo grupo para a manutenção da trilha do Parque Estadual Pico Paraná, com a participação de mais de 30 voluntários, integrantes do CPM. O clube é um dos integrantes da Federação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam).

Ação no Parque Estadual Pico do Paraná marcou o início das atividades em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente
Foto: Divulgação/Sedest

O diretor-presidente do IAT, José Volnei Bisogin, destacou que o movimento da Federação e dos seus membros, especialmente o de montanhismo, é muito importante. “Ser voluntário é muito difícil e esses equipamentos representam o reconhecimento ao trabalho desses integrantes. Sem eles, seria muito difícil cuidar de um parque deste tamanho”, disse.

O IAT destinou, por meio de um Termo de Cooperação, cordas de apoio ao grupo, que substituíram as antigas estruturas. Além disso, no fim do ano passado, foram doadas fitas de demarcação, motosserras, EPIs, cavadeira, machado, trena e fitas métricas. A ação deste domingo também contou com o plantio de mudas de araucária na base do Pico Paraná.

“Nós mantemos um diálogo constante para discutir renovações de Termos de Compromisso e Cooperação, para cada vez contar com os voluntários na conservação da montanha. Para que possamos avançar nesse apoio e ter as Unidades de Conservação em pé, restauradas e com plantio de mudas, precisamos desses voluntários”, afirmou o diretor de Políticas Ambientais da Sedest, Rafael Andreguetto.

Os equipamentos cedidos pelo IAT tiveram custo de aproximadamente R$ 20 mil. Segundo o presidente do Clube, Ricardo Modesto, pedras foram carregadas nas trilhas para fazer as contenções e os degraus, com o objetivo de oferecer segurança e evitar o impacto ambiental causado pelos visitantes.

“Conforme as pessoas vão pisando na trilha, a água desce com muita força e ela começa a afundar. Como fica perigoso pisar no local, o pessoal acaba pisando mais para fora dela e abre uma grande trilha, que era para ser estreita. Além disso, diminuir a velocidade da água evita a lixiviação, que pode diminuir o nível do rio e atacar o bioma como um todo. As cordas novas também deixam a descida bem mais segura e menos impactante”, disse.

Com informações da AEN