Connect with us

Editorial

Alcance da imunidade contra a Covid-19 demanda logística e tempo

Apesar de ser o ideal em nossos sonhos, não poderemos sair do local de vacinação já tirando a máscara e achando que o mundo está de volta ao normal. É necessário aguardar dias para que o imunizante passe a ter sua eficácia cientificamente válida e, mesmo após isso, teremos que aguardar a imunização da maior parte da população para que a pandemia seja superada

Publicado

em

Alcance da imunidade contra a Covid-19 demanda logística e tempo

A vacina contra a Covid-19 é a pauta jornalística do momento no mundo. O fato obviamente se justifica, pois ela é a cura do período crítico que estamos vivendo com uma pandemia que causa mortes diariamente, algo perceptível na nossa realidade, visto que somente na quinta-feira, 18, quatro vidas foram perdidas para a doença no Hospital Regional do Litoral (HRL). A velocidade da chegada das vacinas a todo o Brasil ainda não é a ideal. Há uma logística programada pelo Ministério da Saúde (MS), Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e municípios que é funcional, mas demanda da chegada de mais doses, sejam elas importadas ou fabricadas no Brasil.

E quando a vacina chegar, a imunização não vai ser instantânea. A volta à normalidade demandará paciência, tanto pela chegada da vez de cada um na fila da vacinação, quanto pela imunização com as duas doses necessárias (no caso dos imunizantes da Coronavac e AstraZeneca), bem como dias necessários para que sua eficácia seja efetiva. Apesar de ser o ideal em nossos sonhos, não poderemos sair do local de vacinação já tirando a máscara e achando que o mundo está de volta ao normal. É necessário aguardar dias para que o imunizante passe a ter sua eficácia cientificamente válida e, mesmo após isso, teremos que aguardar a imunização da maior parte da população para que a pandemia seja superada.

Conforme matéria divulgada nesta edição da Folha do Litoral News, após a aplicação das duas doses, os imunizados terão que aguardar, no mínimo, 22 dias no caso da vacina de Oxford e cerca de duas semanas no caso do imunizante CoronaVac para estarem protegidos contra a Covid-19. Isso é importante de ser destacado, visto que nesta semana começou a ser aplicada a segunda dose em idosos asilados e funcionários de asilos, bem como profissionais da saúde na linha de frente contra a pandemia. Somente na primeira quinzena de março, em dia que será informado pela pessoa que irá vacinar cada paciente, que a vacina já estará protegendo efetivamente contra o vírus.

Assim como veículos de comunicação de todo o Brasil, a Folha do Litoral News foca o seu conteúdo jornalístico na ciência. Desta forma, torna-se, portanto, essencial que a vacina contra o Coronavírus seja defendida, que as fake news em torno do imunizante sejam desmentidas e que todos nós, como cidadãos responsáveis, aguardemos nossa vez na fila da imunização. É através da vacina que deixaremos para trás este período triste para a sociedade brasileira e mundial.

Leia também: Chegada da nova variante do Coronavírus ao Paraná acentua perigo da pandemia