conecte-se conosco

Dia da Mulher

Capitania dos Portos do Paraná promove a primeira capitã-tenente

Adriana Rodrigues da Matta relata sua história na Marinha do Brasil

Publicado

em

Neste ano, a Capitania dos Portos do Paraná promoveu a primeira capitã-tenente em Paranaguá.  Adriana Rodrigues da Matta está há sete anos na Marinha, contribuindo para a representatividade das mulheres nas Forças Armadas.

Professora na rede municipal de ensino, a história de Adriana na Capitania começou através de uma nota publicada no Facebook.

“Quando eu vi a nota pensei:  vou tentar fazer esse processo seletivo, vai que dá certo, então, fiz minha inscrição no último dia e, graças a Deus, deu certo. Desde então, estou nessa missão, esta que se completa sete anos, fazendo o meu melhor e representando as mulheres na Marinha”, destacou a capitã. 

O desejo de fazer parte da Marinha surgiu justamente quando se deparou com a oportunidade e viu que poderia ser possível. “Venho de uma família humilde e não tenho nenhum parente militar na família, então entrar para a Marinha foi uma vontade que surgiu mais tarde, hoje um sonho realizado”, declarou Adriana.

Exemplo para outras mulheres

O momento profissional é de comemoração, por saber que também pode ser exemplo para outras meninas e mulheres que sonham em construir uma carreira na Marinha. “É maravilhoso viver esse momento de promoção e ter esse reconhecimento. E aos jovens que querem seguir carreira militar, busquem, estudem e venham fazer parte das Forças Armadas, uma carreira brilhante!”, incentivou.

Segundo ela, o meio majoritariamente masculino não a intimidou para alcançar seus objetivos. “Sempre fui respeitada por todos os militares da Capitania, por mais que o número de militares masculino seja maior, sempre existirá hierarquia e disciplina”, relatou Adriana.

Com orgulho, a capitã-tenente reforça o sucesso alcançado, marcando história em Paranaguá. “Agradeço primeiramente a Deus pela oportunidade que ele me deu, ao meu esposo, as minhas filhas e aos amigos que sempre estiveram ao meu lado. Hoje sou imensamente grata, pois sou a primeira mulher Capitão-Tenente Parnanguara da Capitania dos Portos do Paraná”, ressalta Adriana.

Hoje, ela exerce as mesmas funções que já desempenhava. “Sou responsável pelos Concursos da Marinha na Capitania dos Portos do Paraná e pelos cursos Aquaviários e Portuários, da carreira dos Aquaviários e outras demandas mais que existem na Capitania”, contou. Concursos esses que podem trazer outras mulheres incentivadas pelo seu exemplo.

“É maravilhoso viver esse momento de promoção e ter esse reconhecimento”, afirmou a capitã-tenente Adriana

Pioneirismo

Em 1980, o então Ministro de Estado da Marinha, Almirante de Esquadra Maximiano Eduardo da Silva Fonseca, propôs a criação do Corpo Auxiliar Feminino da Reserva da Marinha (CAFRM) e promulgada a Lei nº 6.807, tornando a Marinha pioneira na participação das mulheres nas fileiras das Forças Armadas. Nascia, assim, o Corpo Auxiliar Feminino da Reserva da Marinha, formado pelo Quadro Auxiliar Feminino de Oficiais (QAFO) e pelo Quadro Auxiliar Feminino de Praças (QAFP).

Para a Marinha do Brasil, o ingresso das mulheres constituiu um marco de grande repercussão na sociedade brasileira. “Como parte dessa história, é imperioso destacar que, devido ao mérito e à competência demonstradas ao longo do tempo, as mulheres conquistaram cargos e funções importantes. Que o legado formado ao longo destes anos sirva de inspiração às novas gerações e de estímulo para futuras conquistas, consolidando cada vez mais a compreensão de que, por mérito próprio, elas são parcela relevante e indispensável da nossa Força”, divulgou a Marinha.