conecte-se conosco

Cultura

Mostra de hip hop “Arte das Ruas” retomou agenda do Teatro Rachel Costa

Demanda antiga do segmento, evento foi histórico para a arte urbana de Paranaguá

Publicado

em

Foto: Alysson Skyller

No início de outubro, aconteceu em Paranaguá a primeira “Live Arte das Ruas – Mostra da Cultura Hip Hop”, que contou com transmissão ao vivo pela página do Facebook da Secretaria de Cultura e Turismo (Secultur) com apoio da prefeitura. 

O evento contou com batalha de rimas, graffiti, breaking e MC´s, com programação que retomou a agenda cultural do Teatro Rachel Costa. Segundo um dos organizadores do evento, Wagner Luíz Peixoto da Silva, o rapper “Wag”, a mostra foi uma “virada de chave” no cenário da arte urbana de Paranaguá e do litoral, combatendo preconceitos e ampliando conhecimentos, atendendo uma demanda antiga do segmento em reconhecimento à importância do hip hop no cenário cultural da cidade-mãe do Paraná.

“A proposta da mostra da Cultura Hip Hop foi muito bem acolhida pelos agentes culturais ligados a esse segmento. Depois de anos conseguimos reunir artistas do breaking, grafitti, mc’s e dj’s em um mesmo evento.  Estiveram presentes os artistas Alfid, Bigue, Cássia, DJ Luciano, Drope, Du Rap, Fabrício, G.R, Guga, Kakashi, Kenji, Shelps, Snop, Stace, Tarik e Thiago Stuart. Além da Secultur, estiveram envolvidos na organização Alysson Skyler, Wag e Wellington Fênix”, explica Wag, que teve contato com o hip hop desde os anos 90, passando a ser rapper de maneira efetiva desde 2013. “Como o evento foi transmitido pelas redes sociais, foi possível alcançar pessoas de diversos estados do país e que nos deram um retorno positivo nos comentários. Como esse material está salvo no canal da Secultur muitas pessoas podem ter acesso a esse conteúdo a qualquer tempo”, complementa.

De acordo com o rapper, há tempos foi estabelecido um diálogo com a Secultur para apresentar a demanda da mostra. “Vimos nisso uma ótima oportunidade de apresentar para a sociedade  e pro próprio Poder Público um pouco mais sobre a arte urbana produzida em Paranaguá, no intuito de diminuir qualquer preconceito ou desinformação quanto a essas expressões culturais. A live Arte das Ruas marca a reabertura das atividades no palco do Teatro Rachel Costa, o que além de ser uma honra, também carrega um peso simbólico, mostrando que é possível converter um local historicamente marcado como um espaço de exclusão e privilégio em um espaço inclusivo e plural”, ressalta.

Perspectivas para o futuro

“Sentimos uma predisposição por parte da atual gestão em reconhecer essas expressões artistícas e em compreender a cultura enquanto um direito”, argumenta Wag. Segundo ele, é mantido um diálogo contínuo para incluir expressões urbanas, especialmente o hip hop, nos principais editais municipais, como a Lei Aldir Blanc e o Cultura na Rede. “A mostra é um pontapé inicial daquilo que queremos realizar futuramente, que é um festival de artes urbanas e quem sabe com isso tornar Paranaguá uma referência nacional nesse segmento. Há também uma lei municipal que trata da Semana da Cultura Hip Hop e estamos mobilizados para que ela saia literalmente do papel”, acrescenta. 

Como apoiar o hip hop parnanguara

“Vimos nisso uma ótima oportunidade de apresentar para a sociedade e para o próprio Poder Público um pouco mais sobre a arte urbana produzida em Paranaguá, no intuito de diminuir qualquer preconceito ou desinformação”, explica Wag (Foto: Alceu Lopes – Divulgação)

Para Wag, a comunidade pode somar forças junto ao hip hop parnanguara, algo que passa muito por espaços acadêmicos e imprensa local, no sentido de difundir essas expressões de arte urbana. “Há ainda alguns espaços comerciais que seguem dando total liberdade para que essa cultura se expresse. Hoje o que temos feito é fortalecer os nossos coletivos como a Hey Ho Raps e a Companhia de Dança Fênix.  Vemos com bons olhos a criação do grupo de hip hop Freedom Art Nation, a mobilização dos grupos de artistas ligados ao grafitti, que estão cada vez mais organizados através de sopas – que são basicamente mutirões para grafitar muros”, destaca. 

“As batalhas de rimas também estão conseguindo se consolidar na cidade, destaco aqui a Batalha da Street. Enfim, precisamos dos agentes culturais, do público, da comunidade interessada e do Poder Público para ampliar a difusão das artes de rua como promotora de inclusão e transformação na cidade de Paranaguá”, finaliza o líder cultural.