Connect with us

Coronavírus

Hospital Paranaguá tem redução de 50% na taxa de ocupação de leitos

Diretor do Hospital Paranaguá, Dr. José Antônio Ferreira Martins, destaca que nas últimas semanas o fluxo retornou à média de atendimentos anterior ao pico

Publicado

em

Acompanhamentos estatísticos realizados pelo Hospital Paranaguá mostram que a curva no atendimento de fluxo rápido (Covid-19) reduziu em 50%. Além disso, o número de internamento de pacientes também caiu pela metade.

O diretor do Hospital Paranaguá, Dr. José Antônio Ferreira Martins, comenta sobre essa curva no atendimento de fluxo rápido (Covid-19) na instituição. “O fluxo de pacientes atendidos no setor de Sintomas Respiratórios do Hospital Paranaguá sofreu aumento (pico) de atendimentos entre a segunda quinzena de junho/2020 até final do mês de julho/2020, nas últimas duas semanas, o fluxo retornou à média de atendimentos anterior ao pico”, explica, informando que hoje há uma redução em torno de 50% na taxa de ocupação. “No período de pico de atendimentos de pacientes com Sintomas Respiratórios, o Hospital alcançou 100% de ocupação da UTI e 100% de ocupação da Ala Covid na Enfermaria. Nesta semana, a ocupação retomou a média anterior de 40% UTI e 50% Ala Covid da Enfermaria”, completa.

Diretor do Hospital Paranaguá, Dr. José Antônio Ferreira Martins e equipe do HP analisam os números na sala de situação

Na avaliação do diretor, as deliberações governamentais no município, distanciamento social e até mesmo o aumento da percepção e responsabilidade da população são fatores favoráveis ao combate à doença.“Paranaguá é uma cidade conectada com o mundo, tem se mantido com suas principais operações ativas durante o período da pandemia, garantindo o corredor de exportação agrícola do Brasil. Os decretos governamentais federal, estadual e municipal permitiram aos serviços de saúde, empresas, órgãos públicos e população preparar, organizar e executar medidas de prevenção, as quais têm se mostrado efetivas ao combate à Covid-19”, externa Dr. José Antônio Ferreira Martins.

Questionado sobre como analisa a utilização da Ivermectina como proposta de combate ao Coronavírus, o diretor destaca que diversos medicamentos já utilizados no combate a outras doenças causadas por outros patógenos estão sendo estudados neste momento. “A Ivermectina já demonstrou ação efetiva contra o Coronavírus em laboratório. A medicina, em sua função primordial de cuidado à vida, deve obedecer aos preceitos básicos da Não Maleficência, Beneficência e Autonomia. Neste momento, o médico, baseado no seu conhecimento técnico, pode utilizar todo arsenal terapêutico farmacológico e não farmacológico (mesmo enquanto são aguardadas as evidências conclusivas dos medicamentos), para oferecer benefício à saúde de seus pacientes, preservando a autonomia deles através de consentimento e mediante devidos esclarecimentos. Neste sentido, a prescrição da Ivermectina pela equipe médica baseada em protocolos que garantam esclarecimento e segurança ao paciente, é uma medida com grande potencial benéfico que vem a somar com as demais medidas para prevenção e/ou desenvolvimento de casos graves de Covid-19. Os resultados são avaliados no quesito segurança e eficácia. Até o presente momento, o Hospital Paranaguá não recebeu caso algum de pacientes com reação adversa ou efeito colateral após utilizar o medicamento. Em relação à eficácia do medicamento frente ao Coronavírus, os resultados serão avaliados posteriormente, pois atualmente diversas medidas estão sendo aplicadas no combate à Covid-19 e somente através do correto tratamento estatístico e cruzamento de informações poderemos avaliar o efeito isolado da Ivermectina”, comenta.

Atendimento

“O Hospital Paranaguá organizou-se para o atendimento dos pacientes (conveniados e particulares) suspeitos ou confirmados de Covid-19 através de equipe multidisciplinar treinada (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogo, etc.), protocolos atualizados, fluxo separado e exclusivo para casos suspeitos, recursos diagnósticos avançados (tomografia e laboratório) bem como o suporte avançado para pacientes graves, 24 horas por dia, 7 dias da semana. A sistematização do atendimento permite classificar a gravidade do paciente suspeito e promover desde o diagnóstico de doenças diferentes da Covid-19 (ex: dengue), promover o isolamento e tratamento domiciliar do paciente, bem como o internamento dos pacientes moderados e graves. Atualmente, o resultado do exame para identificar o vírus através o Swab nasal conhecido como RT-PCR é obtido regularmente em 2 dias úteis, facilitando decisão terapêutica bem como menor tempo de afastamento do trabalho dos pacientes negativos. O hospital possui parcerias com hospitais em Curitiba para casos Covid ou não Covid que exijam terapias não disponíveis em Paranaguá. O monitoramento domiciliar via telefone também ocorre para casos que exijam atenção”, destaca Dr. José Antônio Ferreira Martins.

“Devemos manter as medidas de prevenção: etiqueta social, uso de máscara tapando boca e nariz, álcool em gel, procura presencial precoce do médico em caso de tosse, febre ou cansaço e isolamento dos casos suspeitos até confirmação do caso (Atenção: as consultas por celular ou indireta com profissionais colocam em risco a vida do paciente). Estas medidas aplicadas por todos vão permitir avançar para nova fase da pandemia que é nos mantermos “blindados” e com risco baixo de transmissão do vírus entre as pessoas. Evitando, assim, surtos de infecção que já foram evidenciados em outros locais que não mantiveram as medidas de proteção adequadas”, recomenda o médico.

Para finalizar, o diretor destaca que “o esforço humanitário perante a pandemia está sendo magnífico em todo mundo e entre as pessoas, porém ao adoecer os pacientes por diversas vezes se agravam, necessitando de internamentos prolongados com suas esperanças abaladas, passando por momentos de profunda tristeza e escuridão, uma vez que ficam isolados para o tratamento no quarto do hospital. Neste momento, lembre-se de que você precisa usar todas suas forças para superar o vírus: a respiração, o repouso, a concentração e controle da ansiedade, a alimentação e a oração têm ajudado muitos que estiveram internados a superar esta doença. Enquanto filhos amados de Deus, amados pelas famílias, devemos usar toda energia para manter a chama da vida acesa. O final desta tragédia está próximo, temos que nos manter atentos e protegidos para alcançarmos a vitória.  Em nome do Hospital Paranaguá, agradeço todo carinho, oração e reconhecimento da comunidade para com os profissionais que trabalham no hospital: médicos, enfermeiras, terapeutas, apoio, administrativo, higiene e alimentação, todo reconhecimento dos pacientes junto à equipe, sem dúvidas, dá energia para a continuidade do trabalho”, agradece o diretor.