conecte-se conosco

Coronavírus

Com eventos públicos cancelados, Sesa pede prevenção para feriado de Carnaval

Estado pede que pessoas completem esquema vacinal, bem como uso de máscara

Publicado

em

Foto: Geraldo Bubniak/AEN - Arquivo

Devido à continuidade da pandemia da Covid-19 em 2022, algo relacionado à chegada da variante Ômicron, as prefeituras dos sete municípios do litoral do Paraná cancelaram eventos públicos de Carnaval para controlar os índices da doença na região. Apesar disso, um alto fluxo de turistas deverá chegar às praias litorâneas no feriado em questão, algo que exige a prevenção por parte dos cidadãos, bem como por organizadores de eventos privados, que estão autorizados em algumas cidades da região. É o que orienta a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), através da Nota Orientativa n.º 01/2022, pedindo não somente o uso de máscara e álcool em gel, como evitar aglomerações e que todas as pessoas completem o esquema vacinal contra o Coronavírus.

Segundo a assessoria da Sesa, caso realizados, os eventos privados de Carnaval devem ser prioritariamente em ambientes abertos. “Nos casos de locais fechados, com capacidade máxima de lotação de 70%. Os organizadores também são responsáveis pela elaboração, execução e monitoramento do protocolo de segurança dos colaboradores, fornecedores e público em geral”, detalha. 

De acordo com a nota, os organizadores deverão também garantir acesso à informação quanto às medidas de prevenção contra a Covid-19 aos frequentadores. Controle de acesso deverá ser feito nos locais de festa, bem como na questão de alimentação e na entrada aos sanitários. 

“Tivemos um imenso número de novos casos no início do ano. Aglomerações, festividades e viagens foram as grandes vilãs. Não gostaria que esse cenário voltasse a se repetir. Portanto, peço a todos os paranaenses que não descuidem dos protocolos sanitários, usem a proteção indicada e de preferência, façam o teste em caso de algum sintoma”, afirma  o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. 

Sintomas e responsabilidade

Segundo a Sesa, qualquer pessoa que apresente sintomas de Síndrome Gripal, entre eles febre, tosse, dor de garganta, coriza ou dificuldade respiratória, é definida como caso suspeito de Covid-19. Este cidadão deve se afastar dos locais de eventos, com avaliação médica e investigação do diagnóstico. 

“Quem esteve em contato próximo (menos de um metro de distância sem o uso de máscara ou que teve contato físico direto) a um caso confirmado da Covid-19 durante o período de transmissibilidade, ou seja, entre dois dias antes e 10 dias após a data de início dos sinais ou sintomas do caso confirmado, deve ficar atento aos possíveis sinais e sintomas”, alerta a Sesa.

Vacina

Para a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes, é essencial que todos atendam às recomendações preventivas da Sesa, procurando atendimento médico em qualquer caso de dúvida. “Em todos os casos, é fundamental completar o ciclo de vacinação. O monitoramento do cenário epidemiológico da doença está sendo feito constantemente pela secretaria”, completa a diretora.

“A flexibilização para realização dos eventos poderá ser revogada, condicionada à avaliação e monitoramento do cenário epidemiológico da Covid-19 com agravamento da pandemia e da capacidade de resposta da atenção à saúde. Poderá ocorrer por decisão do município sede dos eventos”, finaliza a nota da Sesa.

Qualquer dúvida pode ser sanada pelo telefone 0800-644 4414 e pelo WhatsApp (41) 3330-4414. A Nota Orientativa pode ser acessada clicando aqui.

Com informações da Sesa/AEN