conecte-se conosco

Coronavírus

Atuante na linha de frente, psicóloga explica efeitos da pandemia na saúde mental

Angelica Martins atuou em Paranaguá com pacientes em tratamento do Coronavírus

Publicado

em

A pandemia da Covid-19 será um estigma eterno para a humanidade, pois contaminou e ceifou milhões de pessoas pelo mundo, trazendo prejuízos sanitários, assim como econômicos e sociais. Além disso, um dos sérios efeitos trazidos pelo Coronavírus às pessoas é também em torno da saúde mental. Segundo a psicóloga Angelica Martins da Silva Pereira, graduada e com pós-graduação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) em Psicopedagogia Clínica e Institucional e em Saúde Mental e Dependência Química, a atuação dela na linha de frente no enfrentamento à pandemia em Paranaguá demonstrou quadros depressivos, de ansiedade, medo e traumas em pacientes e familiares, reforçando a importância do apoio psicológico profissional

Servidora municipal há 12 anos com cursos de capacitação nas áreas infanto-juvenil e adulto, Angelica Pereira ressalta que discussões e leituras profissionais estão trazendo luz aos efeitos e consequências psicológicas decorrentes do momento pandêmico que o mundo está enfrentando. “Percebeu-se que uma parcela significativa de indivíduos sentiram e expressaram uma ou mais alterações em seu estado de comodidade após o anúncio oficial da pandemia. O diferencial nas manifestações emocionais e a necessidade de intervenção profissional está relacionado com o grau (ou nível) de comprometimento que acarreta em prejuízo em algum âmbito da vida do indivíduo podendo ser de cunho pessoal, ocupacional, social e outros”, esclarece.

“No início da pandemia levantou-se como hipóteses de médio a longo prazos o aparecimento e aumento dos quadros de transtornos emocionais avaliados e constatados atualmente, no entanto que a atenção direcionada à saúde mental tem sido cada vez mais debatida, enfatizada e exigindo cuidados profissionais imediatos”, explica a psicóloga, que já trabalhou na Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) e atualmente atua na Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), no Ambulatório de Saúde Mental.

Linha de frente em Paranaguá

Durante a pandemia, Angelica atuou na linha de frente do enfrentamento ao Coronavírus. “Segundo as pesquisas realizadas e divulgadas neste período , bem como de acordo com a prática do trabalho que realizei junto à equipe do Hospital de Campanha no João Paulo II em nosso município e de acordo com os atendimentos psicológicos realizados no Ambulatório de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) especificamente ao serviço ofertado à demanda pela Pandemia, pode-se dizer que os usuários atendidos presencialmente desses serviços tiveram e estão tendo que lidar com situações impactantes e traumáticas”, afirma.

“Nos casos dos internamentos no Hospital de Campanha, foram percebidas fragilidades humanas, sentimentos e emoções diversos frente à uma doença devastadora para pacientes, familiares e equipe multidisciplinar. As principais reações independentes do grau de manifestações estão relacionadas à ansiedade, medos, fobias, sono irregular, quadros depressivos, luto. Enfatizo o aumento das preocupações excessivas que englobam os quadros ansiógenos e os medos diversos como da contaminação do coronavírus, a expectativa e resultado positivo de exame, medo do internamento e possibilidade de intubação, medo da morte de si e/ou de pessoas queridas”, esclarece a profissional da saúde.

Apoio psicológico e distanciamento

Angelica afirma que a procura por apoio psicológico na pandemia está relacionada “à dificuldade do indivíduo em lidar com o estresse, traumas, medos, fobias, ansiedade, depressão, isolamento social ou outras alterações emocionais, comportamentais manifestados persistentemente e com  prejuízos em sua vida”, diz. “Quanto ao distanciamento entre os indivíduos como medida de segurança sanitária essencial, destaco o desencadeamento do isolamento social, aumentando e/ou potencializando sintomas ou quadros de transtornos mentais pré-existentes à pandemia, como por exemplos a depressão, fobia social, ansiedade generalizada”, afirma.

Segundo ela, é sabido que as relações sociais fazem parte constitutiva dos indivíduos, sendo que a necessidade repentina de afastamento um dos outros trouxe estranheza às pessoas. “Nos deparamos com a contenção de gestos de afeto inclusive entre os membros da própria família. Quantos abraços, beijos, apertos de mãos tiveram que ser contidos, sorrisos foram escondidos e os olhares muitas vezes interpretados em meio à turbulenta roda de emoções”, observa.

Vacina

Para a psicóloga, o surgimento da vacina contra a Covid-19 trouxe uma sensação de proteção e controle da doença, principalmente com esperança do controle epidemiológico do vírus, que é altamente contagioso.”Emocionalmente vivenciamos e compartilhamos sentimentos relacionados à esperança de melhoras à saúde física e consequentes benefícios ao mundo tão doentio. O avanço da ciência, a valorização do SUS, apoio das autoridades envolvidas com a responsabilidade esperada, oportunizou a tomada de recursos para o ‘controle da situação’ com a diminuição da contaminação, casos confirmados, internamentos e mortes. Somos responsáveis uns pelos outros neste período de enfrentamento à pandemia em prol da saúde e bem-estar coletivo”, acrescenta.

“Acredito que seguindo os protocolos assimilados e alertados pelos órgãos competentes de saúde, com a vacinação em massa e acelerada, a retomada  gradativa dos encontros presenciais entre os indivíduos permite delinear perspectivas conscientemente seguras de auto-cuidado visando a coletividade e assim a socialização poderá alcançar sua eficácia  no desenvolvimento humano”, ressalta a profissional.

Atuação do Estado em prol da saúde mental

De acordo com a psicóloga, a volta à chamada “normalidade”, “no meu ponto de vista em particular, é algo no viés da utopia. seu ponto de vista, é algo que está no viés da utopia”, completa. “Percebo que já estamos numa fase de enfrentamento e aprendendo a lidar com as consequências da pandemia na saúde mental, na economia, política e sociedade.  A implementação de políticas públicas e investimentos na área da saúde mental demandam cada vez mais olhar diferenciado e humanizado para que os indivíduos com danos emocionais ou comportamentais tenham a oportunidade de receber as devidas intervenções imediatas, com atuações técnicas e qualificadas dos profissionais. Protelar cuidados à saúde mental pode causar sequelas irreversíveis na vida do ser humano”, finaliza Angelica Martins.

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.