Connect with us

Ciência e Saúde

Prefeitura instala 356 armadilhas para monitoramento do Aedes aegypti em Paranaguá

Ação é feita pela Semsa e conta com o apoio da Semseg, Defesa Civil, 1.ª Regional de Saúde e UFPR (Foto: Prefeitura de Paranaguá – Semsa/Secom)

Publicado

em

Aedes aegypti

Operação servirá para coletar informações dos pontos com maior incidência do mosquito

Na manhã de quinta-feira, 15, a Prefeitura de Paranaguá, através da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), com apoio da Secretaria Municipal de Segurança (Semseg), Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) – 1.ª Regional de Saúde (1.ª RS), bem como Universidade Federal do Paraná (UFPR), iniciou a instalação de 356 armadilhas para monitoramento do mosquito Aedes Aegypti no município, com foco na prevenção à dengue. Segundo o município, a ação foi feita por meio de agentes de endemias, que durante todo o ano e estações realizam contínuas operações de prevenção à doença e ao mosquito em toda a área municipal.

Segundo a Semsa, são realizados durante todo o ano, com foco na prevenção à dengue, “projetos com empresas e imobiliárias, visitas nas comunidades marítimas, utilização de bomba costal, verificação em residências, terrenos baldios, comércios, entre outras medidas em todas as estações do ano”, complementa. “Na quinta-feira, 15, uma ação de monitoramento foi iniciada com a colocação de 358 armadilhas em pontos estratégicos espalhados pela cidade. As ovitrampas são colocadas em residências, comércios e empresas com uma distância de 300 metros entre cada uma delas”, completa.

De acordo com a pasta, a iniciativa conta com o apoio da 1.ª Regional de Saúde, Secretaria Municipal de Segurança por meio da Defesa Civil e Universidade Federal do Paraná (UFPR) e irá monitorar pontos no município com maior número de focos do Aedes aegypti. 

“Nos pontos são colocados os potinhos com “dois dedos” de água limpa e uma palheta para que as fêmeas do mosquito depositem seus ovos. Quatro dias após a colocação, a equipe retorna ao local e faz a coleta do material. Essas palhetas são direcionadas à UFPR que, por sua vez, identificará quais são os ovos do Aedes aegypti e de outras espécies de mosquito”, informa a Semsa.

Iniciativa durará o ano inteiro

Segundo a pasta de Saúde, a ação ocorrerá o ano inteiro e os dias para a colocação e retirada das ovitrampas já estão programados. “O município já conta com um geoprocessamento e as armadilhas auxiliarão nos “raios-x” da dengue na cidade. Com essas informações ainda mais precisas, as equipes poderão realizar ações mais específicas de combate ao Aedes aegypti nos locais que apresentarem focos”, finaliza a assessoria.


Com informações da Prefeitura de Paranaguá – Semsa/Secom