conecte-se conosco

Ciência e Saúde

Em uma semana, Litoral confirma 42 novos casos de Dengue

Paraná contabiliza 11.678 infectados desde agosto de 2021

Publicado

em

Foto: Divulgação / Pixabay

Na terça-feira, 5, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou o Informe Epidemiológico n.º 32/2021-2022 sobre a situação da dengue em todo o Paraná. Segundo os dados técnicos, neste boletim o litoral paranaense contabilizou 42 novos casos de Dengue, doença causada pelo mosquito Aedes aegypti. A análise abrange o período entre o dia 30 de março a 5 de abril.

Desde o início do ciclo foram confirmados 11.678 casos e duas mortes por Dengue no Paraná.

Os dados são do 32.º Informe Epidemiológico, do novo período sazonal da doença, que iniciou no dia 1.º de agosto de 2021 e deve seguir até julho de 2022.

Litoral 

No informe divulgado pela Sesa, os municípios de Guaraqueçaba e Morretes não registraram casos confirmados da doença causada pelo mosquito Aedes aegypti, desde agosto de 2021. Ao todo, o litoral contabiliza 67 casos, sendo Matinhos (34); Pontal do Paraná (22); Paranaguá (6); Guaratuba (3) e Antonina (2).

Segundo o documento emitido nesta semana, nenhum óbito foi registrado nos municípios da região litorânea.

O litoral do Paraná tem 107 casos em investigação da doença, sendo: Pontal do Paraná (51); Paranaguá (29); Matinhos (13); Guaratuba (9); Antonina (3) e Morretes (2).

O Informe Epidemiológico n.º 32/2021-2022 da Secretaria de Estado da Saúde indica que no litoral não há confirmações de febre Chikungunya e de Zika Vírus.

novos casos de Dengue no Paraná
Ao todo, o litoral contabiliza 67 casos da doença causada pelo mosquito Aedes aegypti (Foto: Arquivo / Sesa)

Novos casos de Dengue no Paraná

O boletim semanal da Dengue publicado na terça-feira, 5, pela Secretaria de Estado da Saúde registra mais de 52.000 casos notificados, com 11.678 confirmações. São 3.725 casos a mais, um aumento de 47% em relação aos números do informe anterior.

Dos 353 municípios que registraram notificações de dengue, 258 confirmaram a doença, sendo que 26 municípios confirmaram seus primeiros casos autóctones no período, ou seja, a dengue foi contraída no município de residência dos pacientes. Nesta semana, não houve registro de nenhum óbito.

“Diante do cenário atual, as equipes da Vigilância Ambiental da Sesa estão em alerta para o combate à proliferação do mosquito Aedes Aegipty, transmissor da Zika, Chikungunya e Dengue, doenças chamadas de arboviroses, sendo a última considerada endêmica em todo o Paraná. Várias ações estão sendo tomadas a fim de intensificar e implementar medidas de prevenção e controle, além daquelas já existentes”, informou a Sesa.

Reunião

Na próxima quarta-feira, 13, a Sesa realizará uma reunião do Comitê Intersetorial de Controle da Dengue. Este será o primeiro encontro presencial desde o início da pandemia. Foi criado em 2019, com o objetivo de implementar ações de mobilização para a intensificação do combate à doença. O comitê é composto por 13 secretarias, autarquias e órgãos do Governo do Estado.

Campanha

O Serviço Social do Comércio (Sesc/PR) e a Sesa estão juntos na segunda edição da Campanha “Aqui o Mosquito Não Entra”. O intuito da iniciativa é conscientizar a população em uma força-tarefa contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença.

Uma das estratégias dessa parceria é a disponibilização de um aplicativo, criado em 2021, que pontua as várias ações realizadas nos municípios. Uma espécie de “jogo do bem”, em que os participantes, equipes, instituições de ensino e municípios que obtiverem a maior pontuação por eliminação do mosquito e criadouros, serão premiados após o término da campanha. A iniciativa vai até o dia 30 de abril.

Na primeira edição, em 2021, os 3.128 paranaenses de 249 municípios que participaram da campanha, eliminaram 108.551 focos e criadouros do mosquito Aedes aegypti.

Óbitos

Duas pessoas já morreram em decorrência da dengue este ano. Eram dois homens que residiam nos municípios de Nova Esperança, Região Noroeste do Estado e Arapongas, município de abrangência da 16.ª Regional de Apucarana.

Transmissão

“As arboviroses (Dengue, Zika e Chikungunya) são transmitidas pela picada do Aedes aegypti. É necessário ficar atento a possíveis criadouros do mosquito e, assim, eliminar esses locais de risco, para evitar a propagação das doenças. É fundamental que a pessoa identifique os sintomas das arboviroses para buscar o serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequado, o quanto antes”, alertou a secretária.

Com informações da Sesa