conecte-se conosco

Ciência e Saúde

Boletim semanal da dengue registra mais cinco casos da doença no litoral

Litoral tem 85 casos sendo investigados pela doença

Publicado

em

Foto: Divulgação / Pixabay

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou na terça-feira, 29, o Informe Epidemiológico n.º 31/2021-2022 sobre a situação da dengue em todo o Paraná. A análise abrange o período entre o dia 22 a 29 de março.

Litoral

Segundo os dados técnicos, neste boletim o litoral paranaense contabilizou cinco novos casos de Dengue, doença causada pelo mosquito Aedes aegypti.

No informe divulgado pela Sesa, os municípios de Guaraqueçaba e Morretes não registraram casos confirmados da doença causada pelo mosquito Aedes aegypti, desde agosto de 2021. Ao todo, o litoral contabiliza 25 casos, sendo Pontal do Paraná (13); Paranaguá (4), Guaratuba (3), Matinhos (3) e Antonina (2).

Segundo o documento emitido nesta semana, nenhum óbito foi registrado nos municípios da região litorânea.

O litoral do Paraná tem 85 casos em investigação da doença, sendo: Pontal do Paraná (50); Paranaguá (19); Matinhos (8); Guaratuba (6) e Antonina (2).

O Informe Epidemiológico n.º 31/2021-2022 da Secretaria de Estado da Saúde indica que no litoral não há confirmações de febre Chikungunya e de Zika Vírus.

Paraná

A Sesa está em alerta para o combate à proliferação do mosquito Aedes aegipty, transmissor da zika, chikungunya e dengue, doenças chamadas de arboviroses, sendo a última endêmica em todo o Paraná.

Desde o novo período sazonal da dengue, que teve início no dia 1.º de agosto de 2021 e deve seguir até julho de 2022, o Paraná registrou dois óbitos pela doença. Até ao momento são mais de 42.000 casos notificados. Só na última semana houve um aumento de 77% de casos confirmados e mais de 81% de casos autóctones, ou seja, quando a dengue é contraída no município de residência.

Óbitos

O informe semanal confirmou mais um óbito. Trata-se de um homem, de 68 anos, que era residente de Arapongas, município de abrangência da 16.ª Regional de Apucarana.

O primeiro óbito ocorreu no município de Nova Esperança, Região Noroeste do Estado. Era um paciente do sexo masculino, com 58 anos de idade, com comorbidade.

Se comparado ao período sazonal anterior (2020/2021), o Estado teve uma redução no número de notificados (-7%), mas um aumento em 25% em relação aos casos confirmados.

Diante do cenário atual, a Vigilância Ambiental da Sesa incentiva por meio das Regionais de Saúde, a realização de ações de mobilização da população quanto à remoção mecânica de focos, bem como ações educativas em parceria com instituições públicas e privadas em todo o Estado. A secretaria acompanha a situação e reforçará o suporte técnico aos municípios para conter a doença.

Em 21 de janeiro, o Governo do Estado renovou a frota de campo das equipes de Vigilância Ambiental, que há mais de 10 anos não era atualizada. Trinta caminhonetes foram direcionadas e adaptadas para reforçar trabalhos, como a aspersão de inseticidas para controle de vetores, o chamado fumacê.

“Os órgãos de saúde pública trabalham de várias formas e têm ações junto à população e às instituições para tentar conter a proliferação do mosquito e assim, da doença, mas a contribuição das pessoas no acondicionamento adequado do lixo doméstico, limpeza do imóvel, nos quintais, calhas, piscinas é fundamental, alertou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Transmissão

As arboviroses (dengue, zika e chikungunya) são transmitidas pela picada do Aedes aegypti. É necessário ficar atento a possíveis criadouros do mosquito e, assim, eliminar esses possíveis locais, para evitar a propagação das doenças. É fundamental que a pessoa identifique os sintomas das arboviroses para buscar o serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequado, o quanto antes.

“Fica aqui o alerta para que as pessoas permaneçam atentas aos sintomas e alguns sinais que caracterizam a dengue. Orientamos que, caso apresentem sintomas como febre alta, dores no corpo, petéquias (manchas vermelhas no corpo), vômito, náusea, que procurem imediatamente os serviços de saúde e não façam o uso de medicação sem prescrição médica”, ressaltou a coordenadora de Vigilância Ambiental da Sesa, Ivana Belmonte.

Dengue

Normalmente o primeiro sintoma da dengue é a febre alta (39º a 40º C) de início repentino, com duração máxima de 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dores no corpo, prostração, fraqueza, ou erupções cutâneas.

Zika

Manchas vermelhas pelo corpo, com coceira intensa, febre baixa ou até mesmo ausente, olhos vermelhos e dores nas pequenas articulações.

Chikungunya

Febre alta, dores intensas nas articulações, dor nas costas, dores pelo corpo, erupção avermelhada na pela, dor de cabeça e dor retro-ocular.

Todas podem ocorrer em localidades com presença de mosquito Aedes aegypti.

Com informações da SESA