Connect with us

Dia da Mulher

Entenda, de fato, o que é o Feminismo

Psicóloga e mestra em educação diz que movimento é para acabar com a exploração sexista e opressão.

Publicado

em

Com o “boom” das redes sociais, temas que antes sequer eram discutidos, começaram a tomar conta da Internet. Assuntos que não eram tratados em casa ou nas escolas passaram também, com o apoio da mídia, a fazer parte das rodas de conservas, de palestras e de estudos. Um deles é o feminismo.

A psicóloga pela Universidade Federal de Juiz de Fora, mestra em educação pela Universidade Federal de Mato Grosso e doutoranda em psicologia pela Universidade Estadual Paulista, Molise de Bem Magnabosco, explica o que é o feminismo

O tema passou a ser discurso frequente de mulheres de representatividade, como Malala Yousafzai (a mais jovem ganhadora do prêmio Nobel da Paz), a ex-primeira dama Michelle Obama, as cantoras Beyoncé, Alicia Keys, e a princesa Meghan Markle, entre tantas outras.

Recentemente, livros de autoras contemporâneas reconhecidas, como a nigeriana Chimamanda Ngozi e Heloísa Buarque de Holanda, por exemplo, passaram a entrar na lista dos mais vendidos em todo o mundo e a chamar a atenção das pessoas para essa “explosão feminista”.

FEMINISMO NÃO É FALTA DE FEMINILIDADE

Segundo a escritora Clara Averbuck, “feminismo não tem nada a ver com deixar de usar batom, salto ou rímel. Usar a maquiagem e a roupa que tem vontade também são conquistas femininas”, destaca.

A própria princesa Meghan Markle passou a quebrar os protocolos e fazer seus discursos por conta própria sobre feminismo. “O voto feminino é sobre o feminismo e o feminismo é sobre justiça. Não se trata só do direito de votar, mas o que isso representa: o direito básico e fundamental de participar das decisões do seu futuro, da sua comunidade, o envolvimento e a voz que te permitem ser parte do seu mundo”, destacou a princesa modernista, em um de seus discursos públicos.

MAS O QUE É DE FATO ESSE MOVIMENTO?

A psicóloga pela Universidade Federal de Juiz de Fora, mestra em educação pela Universidade Federal de Mato Grosso e doutoranda em psicologia pela Universidade Estadual Paulista, Molise de Bem Magnabosco, explica o que é o feminismo tão discutido nos dias atuais. “O feminismo é um movimento amplo e variado. Podemos dizer, inclusive, que não há um feminismo especificamente, mas sim feminismos”, explica a psicóloga. “Gosto bastante de uma definição trazida pela Bell Hooks (teórica feminista negra norte-americana), em seu livro “O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras”, segundo a qual “feminismo é um movimento para acabar com o sexismo, exploração sexista e opressão”, destaca.

Molise diz ainda que “dito de forma simples, o sexismo é a discriminação baseada em gênero que faz com que pensemos que homens e mulheres têm modos de ser e de agir diferentes e, consequentemente, devem ocupar lugares distintos em nossa sociedade”, enfatiza.

A mestra em educação lembra a cultura do machismo que se perpetua na sociedade e que faz ainda ver hoje, o feminismo sob julgamentos e repúdios. “Para a sociedade, homens são razão e mulheres são emoção. Homens gostam de futebol e mulheres de balé. Homens dominam o âmbito público (trabalham fora, compõem a maior parte do quadro de representantes políticos eleitos) e mulheres são do mundo privado (responsáveis pelo cuidado da casa e dos filhos, por manter a harmonia do lar, ainda que também trabalhem em outros empregos)”, ressalta Molise.

DIFERENÇAS QUE NÃO SÃO NATURAIS E SIM SOCIAIS

“Vejamos, portanto, que essas diferenças não são naturais, mas sim construídas socialmente. Com isso, digo que as aprendemos e reproduzimos nas famílias, nas escolas, nos diferentes contextos sociais, inclusive desde antes do nascimento das próprias crianças e os chás de revelação do sexo do bebê, tão populares atualmente, retratam bem este mecanismo”, complementa a psicóloga, a qual enfatiza que essas mudanças precisam ser modificadas pouco a pouco na sociedade.

EXPLORAÇÃO SEXISTA

“Como decorrência de todo este processo, temos a exploração sexista, que pode ser observada, por exemplo, no âmbito do trabalho, em que mulheres trabalham 72% a mais que os homens nas tarefas domésticas (IBGE, 07/03/2018) e recebem remuneração menor em todos os cargos e níveis de escolaridade, chegando a um terço dos valores quando em cargos de chefia (IBGE, 07/03/2018)”, ressalta psicóloga, a qual levanta a bandeira pela igualdade entre homens e mulheres.

CONSEQUÊNCIAS E AGRAVANTES

A psicóloga e mestra avalia que todos esses quesitos de desigualdade citados traduzem o cenário atual de violência e feminicídios. “Como consequência, somos vistas como propriedades dos homens (e isto se revela, por exemplo, na contração do sobrenome do marido após o casamento, que mostra à sociedade a quem aquela determinada mulher pertence); nossos corpos são públicos e, por isto, podem ser tanto violados e quanto assassinados – o que se revela nas elevadas taxas de feminicídio do Brasil; nossa inteligência é questionada a todo o momento. Somos mais interrompidas quando falamos, somos desacreditadas”, complementa.

INÍCIO

O movimento feminista teve seu início durante o século XIX. Uma das maiores influências para o movimento foi a Revolução Francesa e as alterações sociais que começaram a acontecer nesta época. A partir das mudanças trazidas pela Revolução Francesa, as mulheres começaram a tomar consciência das desigualdades.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.