conecte-se conosco

Maçonaria

Vaidade e Sabedoria (1)

Examinamos nas semanas anteriores que a perseverança é uma virtude que se mede pela experiência e que só é alcançada com o bom aproveitamento do tempo pelo homem

Publicado

em

Examinamos nas semanas anteriores que a perseverança é uma virtude que se mede pela experiência e que só é alcançada com o bom aproveitamento do tempo pelo homem. Para o Maçom, o tempo bem aproveitado é aquele que ele dedica ao seu aperfeiçoamento moral, estudando, praticando virtudes e combatendo vícios, para assim contribuir com a melhoria de toda a Sociedade.

Em relação a virtudes e vícios, o Maçom logo descobrirá em seus estudos sobre a moral que “o coração dos justos está onde se pratique a virtude, e o dos tolos, onde se festeja a vaidade”, e ainda que “a ignorância é a mãe de todos os vícios”. Não por menos, a Sabedoria – luz que elide a sombra da ignorância — é uma das três colunas gregas que sustenta simbolicamente a arquitetura do Templo Maçônico. Assim, a lógica permite dizer que, signo da mediocridade e da pobreza interior, a vaidade é uma tolice, um vício fruto da ignorância, e que, portanto, ela simplesmente não pode existir onde – realmente – exista a sabedoria. Mas, o que é vaidade, e o que é sabedoria, e como elas se contrapõem?

Vaidade, com origem no latim vanitate, é tudo aquilo que é “vazio de valor, sem consistência ou fundamento”. “Tudo” que é “vão, ilusório, instável ou pouco duradouro”; “tudo” que é “desejo imoderado de atrair admiração ou homenagens”, “tudo” que é “vanglória, presunção, fatuidade”; “tudo” que é “fútil ou insignificante; frivolidade, futilidade, tolice”. O vaidoso “apregoa um valor que não tem (…) com o desejo de atrair as homenagens ou a admiração dos outros.”

Vaidade é a opinião que gostaríamos que os outros tivessem sobre nós, sendo, portanto, filha do orgulho, a opinião supervalorizada que temos de nós mesmos. “(…) tão comum à espécie humana, foi a causa da tragédia de Narciso na mitologia grega, se encontra entre os 7 pecados capitais, é citada em obras de autores famosos, merecedora de análises e ensaios de comportamento, e há tempos nas modernas sociedades de consumo, foi descoberta pela publicidade como poderosa ferramenta da psicologia.” (Boscatto)

Sorrateira, “está quase sempre presente dentro de nós” mas, infelizmente, “o vaidoso o é, muitas vezes, sem perceber”. Revela-se, porém, no vestir, na autopromoção de qualidades intelectuais, no realce de dotes físicos, culturais ou sociais, na intolerância com os humildes, na aspiração a cargos ou posições de destaque que lhe acentuem referências respeitosas ou elogiosas, no não reconhecimento de culpas e na “obstrução mental na capacidade de se autoanalisar, não aceitando suas possíveis falhas ou erros, culpando vagamente a sorte, a infelicidade imerecida, o azar.” (Peres)

“A vaidade gera às vezes o filhote perverso da ganância, que levará ao desejo incontrolável pelo poder, pela fama e por dinheiro, e a não ter medidas para obtê-los; tudo para alimentá-la, e quanto mais a alimento maior ela fica. É um narcisismo doentio que já não me deixa perceber o outro. Estamos cheios de exemplos na política, nas mídias e em todas as instituições públicas ou privadas. Nietzsche com sua contundência dizia que ’a vaidade dos outros só vai contra o nosso gosto quando vai contra a nossa vaidade.’” (Boscatto)

Francisco de Sales já alertava que “se nos mostramos vãos e exigentes para cargos, precedências e títulos, além de expormos as nossas qualidades ao exame, à investigação e à contradição, tornamo-las vis e dignas de desprezo; a honraria que é bela, quando é recebida como um dom, torna-se feia quando exigida, procurada, solicitada. Quando o pavão faz a roda para mostrar-se, levantando suas belas plumas, arrepia-se e mostra o que tem de mais feio”.

Fato é, porém, que a vaidade pode afetar a pretensa sabedoria, mas a verdadeira sabedoria nunca está adormecida, como veremos na próxima edição.

Com base em: obras de N. P. Peres (www.espirito.org.br); E. Boscatto (lounge.obviousmag.org); livro de J. A. Souza; wikipedia.org.; bibliaonline.com.br; e Dicionário Aurélio Eletrônico.

Responsável: Loja Maçônica Perseverança – Paranaguá – PR ([email protected])

Continuar lendo
Publicidade