Connect with us

Centro de Letras

Escola Normal

Em 1922, estavam aprovados os projetos dos edifícios da Escola Normal de Paranaguá e de Ponta Grossa

Publicado

em

milho

Em 1922, segundo relatório do governo estadual, estavam aprovados os projetos dos edifícios da Escola Normal de Paranaguá (atual Instituto de Educação) e de Ponta Grossa. Faltava apenas a prefeitura pontagrossense definir o local de construção para poderem abrir os editais chamando concorrentes interessados na empreitada. Apenas depois disso e conforme os recursos permitissem, seriam abertos os editais para o prédio em Paranaguá.

A Prefeitura de Paranaguá escolheu a Praça João Gualberto como local da futura Escola Normal. Apesar da Nova Estação e do calçamento nas proximidades urbanizando aquela área, a antiga região da Fonte Nova e da lavanderia popular ainda permanecia praticamente vazia. Entretanto a população já frequentava a praça e existia até mesmo um campo de futebol utilizado inclusive para grandes partidas, como em 1923, quando um time de fora viria enfrentar o Rio Branco (por algum motivo não explicado no jornal os adversários não puderam viajar até Paranaguá). Vale a pena adiantar que por muito tempo aquela praça foi um local de prática de esportes variados e a escolha da João Gualberto para construção do Ginásio de Esportes acabou se mostrando algo natural, automático.

O início das obras aconteceria apenas dois anos depois da aprovação do projeto, com o lançamento da pedra fundamental em 1924, no governo de Caetano Munhoz da Rocha, cuja carreira política foi alavancada por suas gestões como prefeito de Paranaguá. As obras duraram longos três anos e o magnífico prédio foi inaugurado em 1927, no dia do aniversário da cidade. O jornal curitibano “O Dia” foi duro em suas críticas afirmando que em plena crise da economia e agricultura, Munhoz inauguraria duas “obras perfeitamente inúteis, nesses 20 annos mais próximos: – a estradinha Munhoz e a escola normal de Paranaguá”.  

Por Alexandre Camargo de Sant’Ana