Connect with us

Ciência e Saúde

Vacinação contra a pólio e sarampo começa na segunda-feira

Objetivo é aumentar coberturas vacinais do País para evitar a reintrodução dessas doenças, já eliminadas no Brasil (Foto: Sesa/AEN)

Publicado

em

Campanha começa no dia 6 de agosto e vai até o final do mês. Objetivo é vacinar 95% do público-alvo no estado

De acordo com o Ministério da Saúde, a partir de segunda-feira, 6, todas as crianças de um ano a menores de cinco do País devem se vacinar contra a pólio e o sarampo, independente da situação vacinal. A nova Campanha Nacional de Vacinação contra a poliomielite e sarampo começa na segunda-feira, 6, e vai até o dia 31 de agosto. No total, 11,2 milhões de crianças devem ser vacinadas. Segundo o Governo Federal, o Dia D de mobilização nacional será sábado, 18, quando os mais de 36 mil postos estarão abertos no País.

Segundo o Ministério da Saúde, “a meta é vacinar, pelo menos, 95% das crianças para diminuir a possibilidade de retorno da pólio e reemergência do sarampo, doenças já eliminadas no Brasil. A madrinha da campanha deste ano é a Xuxa, eterna rainha dos baixinhos”, explica a assessoria.

PARANÁ

Segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), a meta é vacinar ao menos 95% das crianças dessa faixa etária em todo o Paraná. Antônio Carlos Nardi, secretário estadual de Saúde, destaca que desde 1989 o Brasil não registra casos de poliomielite (paralisia infantil). O controle da doença, que não tem tratamento e pode deixar sérias sequelas, só foi possível graças às campanhas sistemáticas de vacinação da população. Entretanto, uma vez que o vírus continua em circulação no mundo, ele pode voltar a fazer vítimas no Brasil, caso os índices de cobertura vacinal fiquem abaixo da meta. 

“Assim como o sarampo, a poliomielite é uma doença com a qual não podemos nos descuidar. O vírus pode entrar no País a qualquer momento e se as crianças não estiverem vacinadas podem ficar doentes. A prevenção através da vacina é fundamental para mantermos essas doenças longe dos nossos filhos”, afirma o secretário de Saúde.

SARAMPO

A Sesa esclarece que a preocupação em torno do sarampo é evitar o aumento no número de casos. “Desde o início do ano, o Ministério da Saúde já confirmou mais de 800 casos de sarampo no Brasil, a maioria no Amazonas e em Roraima. Outros 3.800 casos estão em investigação. A doença foi confirmada ainda em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia e Pará”, explica a assessoria. O Paraná não registra casos de sarampo desde 2000, mas a campanha pretende manter a doença longe do Estado, algo que depende atualmente do alto índice de vacinação.“Não há medidas preventivas eficazes no caso do sarampo. Apenas a vacinação pode frear o avanço da doença no País”, destaca Nardi. 

Segundo a superintendente de Vigilância em Saúde, Júlia Cordellini, enquanto houver o vírus em circulação no mundo, a doença pode voltar a contagiar crianças e adultos não imunizados a qualquer momento, mesmo em regiões onde a doença não é registrada há anos, como no Paraná, onde desde 2000 não há registros da doença. “Quando as pessoas estão vacinadas, mesmo que tenham contato com o vírus, não irão se contagiar nem transmitir a doença para outras pessoas. Mas para isso é preciso imunizar ao menos 95% da população”, completa.

MINISTÉRIO DA SAÚDE PREOCUPADO COM VACINAÇÃO

O Ministério da Saúde tem notado continuamente nos últimos anos queda nos índices de cobertura de diversas vacinas pela população, algo que declara como preocupante. “No caso específico do sarampo, a imunização é feita através da aplicação de uma dose da vacina tríplice viral aos 12 meses de vida e uma dose da vacina tetra viral aos 15 meses, considerado reforço da primeira. Dados preliminares do Ministério da Saúde mostram que no ano passado 85,2% das crianças brasileiras que deveriam ter tomado a vacina tríplice foram vacinadas e 69,9% tomaram a tetra viral, bem abaixo da meta de 95%. No Paraná, a cobertura vacinal da tríplice e da tetra viral também ficaram abaixo da meta no ano passado. Em 2017, 86,29% das crianças paranaenses receberam a vacina tríplice e 83,27% tomaram a tetra viral”, explica a assessoria da Sesa.

A superintendente da Sesa explica que a diminuição demonstra desconhecimento de parte da população sobre a importância da vacinação para a saúde e bem-estar de crianças, adultos e jovens. “A vacina está disponível gratuitamente em todo o País. Mas é preciso que as pessoas se vacinem, levem seus filhos para se vacinar, mantenham suas carteiras de vacinação atualizadas. Precisamos reconhecer a importância do ato de se vacinar e aproveitar melhor esse direito”, finaliza Júlia Cordellini.

 

*Com informações do Ministério da Saúde e Sesa

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.