Logotipo

Com horário amplo de atendimento, Hemepar Paranaguá necessita de doadores de sangue

20 de outubro de 2019

Unidade atende especificamente para doação de sangue no horário das 8h às 11h30 e das 13h às 16h de segunda à sexta-feira.

Compartilhe

A demanda do banco de sangue da Unidade de Coleta e Transfusão (UCT) de Paranaguá do Hemepar é contínua. Além de atender e disponibilizar sangue para o sistema de saúde dos sete municípios litorâneos, a UCT de Paranaguá atende o Hospital Regional do Litoral (HRL), principal casa hospitalar da região, e aumenta sua necessidade de reposição com a proximidade da temporada de verão 2019/2020, quando a população aumenta consideravelmente, chegando, por exemplo, no Ano-Novo, a receber cerca de dois milhões de turistas. Para atender a esta demanda, o Hemepar atende doadores de segunda à sexta-feira, das 8h às 11h30 e das 13h às 16h, bem como orienta e expede certificados até mesmo em período posterior ao de doação.

Ricardo José Nascimento Moura, chefe da Unidade de Coleta e Transfusão do Hemepar de Paranaguá, informa que alterações foram feitas no horário de atendimento em Paranaguá aos doadores de sangue. "Estamos trabalhando de segunda à sexta-feira, sendo que no período da manhã é das 8h às 12h, sendo que das 8h às 11h30 fica exclusivo para doação e das 11h30 até o meio-dia orientações e emissão de certificados. No período da tarde, o atendimento é das 13h às 17h, sendo que das 13h às 16h é período exclusivo para doação e às 16h é para orientações e certificados", explica, ressaltando que as documentações são expedidas durante todo o período, bem como orientações gerais.

De acordo com Ricardo Moura, a UCT de Paranaguá atende os sete municípios litorâneos e a doação de sangue é algo sempre bem-vindo. "É um ato de amor. Uma doação pode ajudar três a quatro pessoas. As pessoas podem agendar a vinda em grupos, organizando campanhas, ligando para o setor de Assistência Social no telefone (41) 3420-6663 falando com a nossa assistente social, Nádia Tadra, que irá agendar e orientar", explica. "Recebemos os doadores de braços abertos de segunda à sexta-feira com equipe completa. Fizemos algumas alterações técnicas para melhor, recebemos equipamentos, então estamos aptos a atender com qualidade os nossos doadores", acrescenta.

O chefe da UCT de Paranaguá explica que o endereço do Hemepar é na Rua Gabriel de Lara, 657. "O telefone para contato é o (41) 3420-6663, como já foi dito, que agenda e realiza orientações preliminares com a nossa assistente social", explica. "Faço o convite a toda população do litoral que nos procure, que venha ao Hemepar Paranaguá, doe e faça um ato de amor e que salva vidas. Temos o Hospital Regional do Litoral (HRL) e agora teremos a Operação Verão 2019/2020, período em que sabemos que a população no litoral aumenta muito e, infelizmente, muitos acidentes acontecem, algo que faz com que aumente a necessidade de sangue e de reposição", explica, ressaltando a qualificação dos médicos, equipe de enfermagem e de recepção para atendimento aos doadores.

COMO SER DOADOR

Nádia Cristina Tadra, assistente social do Hemepar Paranaguá, ressalta que há uma série de requisitos para o cidadão ser doador de sangue. "As condições básicas para doação é que a pessoa esteja em boas condições de saúde, tenha entre 16 a 69 anos. Se ela tiver 16 ou 17 anos ela deve vir acompanhada dos pais ou responsáveis. Acima de 60 anos a pessoa terá que ter feito uma primeira doação para poder doar. A pessoa precisa pesar acima de 50 quilos, estar alimentada, evitando alimentos gordurosos, deve ter um repouso de no mínimo seis horas e não esquecer um documento original com foto", explica.

Segundo a assistente social, existem alguns impedimentos para ser doador, algo que pode ser consultado no próprio Hemepar. "Todo candidato que quer ser doador passará por uma triagem aqui, com um técnico da nossa unidade de coleta e transfusão", explica.

VACINA CONTRA O SARAMPO

Nádia Tadra afirma que a pessoa que se vacinou contra o sarampo, por exemplo, é sugerido que faça a doação antes de ser imunizado. "Porque, depois de tomar a vacina, o doador fica com o impedimento de 30 dias", explica.

MEDULA ÓSSEA

Outro foco de atendimento do Hemepar Paranaguá é o de doação de medula. "O cadastramento de medula é feito nos hemocentros. Nós fazemos parte da rede Hemepar, aqui é feito o cadastramento do doador, que faz exames com 5 ml de sangue, preenchendo um cadastro que vai para o Registro Nacional de Doadores (REDOME), e este exame de compatibilidade genética irá ao cadastro. Lá, se ele for compatível com algum dos pacientes que estão aguardando por uma medula óssea, ele será chamado para a doação. Nunca a medula é passada especificamente para um paciente, depende tão somente da compatibilidade genética com doador e receptor. Não há uma doação de forma dirigida, só é dirigida entre parentes, entre eles pai, mãe, irmãos e receptor", explica Nádia.

"As pessoas podem vir ao Hemepar Paranaguá fazer o seu cadastramento de medula óssea", complementa. Outro ponto importante é que o doador de medula óssea mantenha seu cadastro constantemente atualizado. "O REDOME tem mais de 4,9 milhões de doadores de medula óssea cadastrados, mas muitos deles estão sumidos, por fazer o cadastro apenas uma vez e não atualizar, ficando desaparecido. Se não houver dados atualizados, às vezes é encontrada a compatibilidade genética entre doador e receptor, mas não se encontra o doador, que não consegue ser chamado", explica, ressaltando que a atualização de cadastros pode ser feita no REDOME, principalmente com foco no endereço e formas de contato.

SIGILO

"Quando existe chamamento de doadores de medula, esses dados são em sigilo, não podemos saber ou divulgar estas informações. A pessoa que está fazendo a doação nem sabe para quem está doando. Dizem que após um ano, o doador e receptor, se quiserem, podem vir a se conhecer. É algo sigiloso com toda uma ética", destaca. "A doação de medula óssea é algo que vale a pena e salva vidas. Isso que é importante de ser frisado", finaliza.


Colunistas