conecte-se conosco

Valmir Gomes

As férias do Tcheco

Neste espaço, nos últimos tempos, a nova diretoria do Rio Branco só me deu motivos para elogios.

Publicado

em

Neste espaço, nos últimos tempos, a nova diretoria do Rio Branco só me deu motivos para elogios. Reforma da Estradinha, contratação de qualificada comissão técnica, contratação de bons jogadores, Pedro Botelho, Bruno Andrade, Salazar, Zezinho entre outros, iluminação do estádio e por aí vai. Ontem, falando com o amigo e colega radialista Valdir Braz, fiquei sabendo que o técnico Tcheco nem bem chegou e já está em férias. Isso mesmo, abandonou a pré-temporada para passear. Lógico que isto deve ter sido um acordo, entre as partes quando contratado. Erro duplo. Do presidente Erminho e do Itamar Bill, que o contrataram nesta condição. Não se admite no futebol profissional, num clube centenário como o Rio Branco, uma atitude amadora deste porte. O Tcheco nem trabalhou e já ganhou férias, isso não existe. O noviciado dos diretores facilitou o erro. Que fatos como este não se repitam, na dúvida, calcem as sandálias da humildade, consultem os experientes, como Possas, por exemplo. Não esqueçam do didático ditado. "O Diabo é sábio, não porque é diabo, e sim porque é velho".

 

MARLON E GUILHERME OS REIS DA AREIA

Gente, o projeto Ágatha/Sespor merece o nome que tem, tanto pela campeoníssima Ágatha, como pelo trabalho feito por seus componentes. Agora me vem a notícia que a dupla de jovens Marlon e Guilherme, representantes de Paranaguá na categoria sub-17, foi pela quarta vez medalha de ouro no Circuito Paranaense de Vôlei de Praia. De quebra também fomos medalha de bronze com a dupla Abner e Adrian. Parabéns!

 

BRUNO COVAS

Conheci o então prefeito de São Paulo Mário Covas numa visita ao secretário de Esportes Fabio Lazari, no Parque Ibirapuera décadas atrás. Covas me falou de Curitiba com  intimidade, tinha parentes na cidade e vinha seguido visitá-los. Por sua simplicidade, comecei a acompanhar sua carreira política. Hoje seu neto, Bruno Covas, é o prefeito da capital paulista. Bruno na juventude se dividiu entre os estudos e as baladas na noite paulistana, se formou advogado, economista e caiu na política. Hoje Bruno é notícia como político e como doente, já que foi acometido de um câncer no sistema digestivo. Bruno merece elogios por seu trabalho decente como político e nossas orações por sua saúde como ser humano.

 

ERAM ANÔNIMOS VIRARAM ESTRELAS

Começo pelo técnico Tiago Nunes, de um ilustre desconhecido no sub-23 até o maior vencedor de títulos do quase centenário Athletico. Grande profissional. Quando o craque Renan Lodi foi embora, ressurgiu Márcio Azevedo, um lateral mediano tecnicamente. Pois bem, Márcio Azevedo conquistou a confiança da comissão técnica e torcida com seguras atuações. Um dia sem alarde chegou Marco Ruben, indicação Argentina do Lucho Gonzalez. Ao natural Marco conquistou a todos com sua garra e gols importantes. O velho estilo de centroavante que além de ser goleador, não dá folgas para os zagueiros. Útil ao extremo. Estes profissionais quase anônimos viraram estrelas.

 

OS URUGUAIOS BOM DE BOLA

Gente, cresci ouvindo e vendo muitos uruguaios tratarem bem a pelota de couro. Obdulio Varela, William Martínez, Julio Perez, Schiafino, Francescoli, Pedro Rocha, Diego Forlan, Dário Pereira, Rubens Sosa, Mazurkiewicz, Rodolfo Rodrigues, Morena, Suarez, Cavani, Godin, Caceres. Além da lenda como técnico Oscar Tabarez. Uruguai, um vizinho simpático, um País pequeno com grandes craques de futebol.

Publicidade






Em alta

plugins premium WordPress