Connect with us

Caos Ferroviário

Rumo afirma que lei sobre os horários de uso da linha férrea não poderá ser aplicada

Acidente entre van e trem aconteceu no fim de semana

Publicado

em

No último fim de semana, dois acidentes envolvendo trem e veículos foram registrados no litoral do Paraná. Em Paranaguá, um acidente entre uma van e trem aconteceu na Avenida Roque Vernalha e, em Morretes, uma composição da RUMO colidiu contra um veículo na Vila Ferroviária, caindo no rio. Tais situações contribuem para deixar o tráfego mais complicado, prejudicando a mobilidade urbana da população.
A Folha do Litoral News já mostrou recentemente que, além dos acidentes, pais de alunos da Escola Municipal Professora Berta Rodrigues Elias, no bairro Emboguaçu, têm sido prejudicados pelos horários de manobras do trem, os quais coincidem com os de entrada e saída das crianças na escola.

LEGISLAÇÃO MUNICIPAL

Pensando nos problemas ocasionados pela passagem do trem e pela presença da linha férrea na área urbana, a Câmara Municipal de Paranaguá elaborou a lei n.º 4.924/2017, aprovada por unanimidade na na sessão do último dia 10. A iniciativa, que ainda precisa ser sancionada pelo Executivo, exigirá da empresa concessionária informações sobre os horários de uso da linha férrea no trecho da Avenida Roque Vernalha, melhorando assim a sinalização no local.
Segundo informações da assessoria de comunicação da Câmara de Paranaguá, caso a lei não seja respeitada, a prefeitura poderá aplicar multas diárias à empresa concessionária. Além disso, a empresa não poderá ocupar a linha férrea, na Avenida Roque Vernalha, nos seguintes horários: 6h30 às 7h30, 12h30 às 13h30 e 17h30 às 19h, de segunda à sexta-feira.
“A Câmara de Paranaguá faz uso da sua atribuição legal de legislar dentro do município de Paranaguá, cabendo a quem se sentir prejudicado contestar na Justiça as decisões tomadas por esta Casa”, informou, em nota, a Câmara de Paranaguá.

EMPRESA CONCESSIONÁRIA

A empresa concessionária Rumo se manifestou por meio de assessoria de imprensa, esclarecendo que cabe somente à União legislar sobre transporte ferroviário, sendo este um serviço que deve ser prestado de forma contínua e ininterrupta. “Reforça que suas operações seguem todas as normas vigentes e procura causar o menor impacto possível à população. Toda ferrovia de carga funciona 24 horas por dia e os horários de circulação dos trens dependem das operações de carregamento e descarregamento entre outros fatores”, disse.

OPINIÃO

Margarete Félix Silva é comerciante na região contemplada pela lei na Avenida Roque Vernalha e afirmou que o trem causa transtornos à população.

“Todos os dias filas se formam e, na pressa, carros acabam batendo em ciclistas e motociclistas. O pior horário é ao meio-dia, no horário de saída de escola e trabalho. Quando o trem buzina, as pessoas aceleram para não ter que ficar esperando”, contou

.
Segundo a moradora, o modo de utilização da linha férrea não acompanhou o crescimento da cidade. “A população cresceu, mas não vimos desenvolvimento. Muito se fala na construção de um viaduto para melhorar o tráfego, mas com isso o comércio perde. Acho um absurdo também o som alto gerado pelo trem, nesses momentos não conseguimos conversar com os clientes nem atender ao telefone, por isso facilitaria se soubéssemos com antecedência sobre os horários do trem”, enfatizou Margarete.
O também comerciante na região da Avenida, Marcos Antonio Surian, acredita que é preciso melhorar o relacionamento entre a empresa e a comunidade.

“A empresa depende de Paranaguá e a cidade precisa da empresa, por isso os dois precisam se adequar, é preciso andar juntos. Temos que ver o que está errado e o que precisa ser feito”, destacou.

Uma das medidas que poderiam ser tomadas, de acordo com Marcos, é com relação à cancela que, se implantada nas regiões mais prejudicadas, ofereceria mais segurança aos moradores. “Com a quantidade de habitantes em Paranaguá, é obrigatório ter cancela, porque os carros não parariam em cima da linha férrea. Essa esquina é uma tragédia anunciada. Só na semana passada foram três acidentes”, ressaltou Surian.

Foto: WhatsApp

Continuar lendo