conecte-se conosco

Tecnologia

Psicóloga explica como lidar com a disseminação de ódio nas redes sociais

“As pessoas precisam entender que as mesmas regras sociais que aprendemos para conviver em sociedade valem também para a vida on-line”, frisou a psicóloga Caroline Chiarelli Colle

Publicado

em

É muito comum encontrar comentários com conteúdos ofensivos e críticas destrutivas nas redes sociais, direcionados tanto a pessoas como a instituições ou organizações. Esses comentários, normalmente carregados de insultos, humilhações ou acusações, aparentemente, fazem parte de um comportamento sem justificativa. Ou seja, o espaço que deveria ser utilizado para debate de ideias e construção de pensamentos torna-se um local de disseminação de ódio gratuito, sem fundamento. Essas pessoas foram intituladas como “haters”, ou “odiadores”, na tradução literal.

QUEM SÃO ESSAS PESSOAS ATRÁS DAS TELAS?

A psicóloga Caroline Chiarelli Colle acredita que, como o nome mesmo sugere, os “haters” odeiam porque odiar é algo natural para eles. “Disseminam discurso de ódio e atacam pessoas que têm opiniões diferentes da dele. Eles não contra-argumentam o que o outro falou, eles ferem verbalmente a pessoa simplesmente por ela não pensar ou agir como eles gostariam”, avaliou Caroline.

As postagens de conteúdo ofensivo tendem a trazer sentimentos positivos para essas pessoas. “Eles se sentem melhor depois de ofender os outros, pois descarregam a sua raiva e frustrações. Isto gera uma descarga de neurotransmissores que causam a sensação de alívio da tensão e da ansiedade. Pisam no outro para se sentir melhor, sentirem que são superiores ao outro”, apontou a psicóloga.

Na frente do computador, as coisas se tornam mais imediatistas e impulsivas, de acordo com especialista (foto: EBC)

PESSOAS FRUSTRADAS E INSATISFEITAS

Segundo ela, tal comportamento esconde um perfil de pessoas frustradas, insatisfeitas com a própria vida e, por isso, elas precisam denegrir a vida do outro para se sentirem melhor. “Claro que tem muita coisa que este tipo de pessoa vivenciou para ter que chegar a este ponto, como algumas situações difíceis, porém, nada justifica ferir o outro, mesmo que virtualmente, pois muitas ofensas deixam marcas piores que as físicas”, ressaltou Caroline.

Os “haters” ainda costumam ter autoestima baixa, sentimento de inferioridade, apresentam impulsividade e dispensam o filtro das regras sociais no seu dia a dia em frente à tela. Por isso, a psicóloga acredita que é preciso aprender a viver em sociedade no mundo virtual.

“Crescemos aprendendo a conviver em sociedade, seguindo normas sociais e, por isso, quando estamos frente a frente com uma pessoa, ponderamos o que vamos falar, pensamos antes de agir. Mas quando estamos na frente do computador, as coisas se tornam mais imediatistas e impulsivas. Escrevemos o que pensamos no momento, sem filtrar as palavras e sem refletir o que as minhas palavras causariam na vida do outro. As pessoas precisam entender que as mesmas regras sociais que aprendemos para conviver em sociedade, vale também para a vida on-line”, afirmou Caroline.

“Atenção é tudo o que eles querem, portanto, o ideal é sempre ignorar”, afirmou Caroline

 

EFEITOS DA DISSEMINAÇÃO DO ÓDIO

O resultado dessa disseminação de ódio tem impacto negativo na vida de muita gente, principalmente para aquelas que trabalham com as redes sociais. Entre as possibilidades de excluir o comentário, ignorar ou responder os “haters”, a psicóloga explicou qual a melhor atitude a se tomar.

“Compreender que existem pessoas que não sabem lidar com suas próprias frustrações, dificuldades e traumas é o primeiro passo. Temos que entender que, muitas vezes, o que nos é falado é conteúdo do outro que falou, e não nosso. Que pertence, simplesmente, a ele e não a nós. Isso nos ajuda a não nos ferirmos ou acreditar em tudo o que nos é dito”, orientou Caroline.

Depois, o caminho é ignorá-los. “Vai nos fazer melhor do que confrontá-los. Dar atenção a quem não é capaz de oferecer palavras de incentivo, consolo, ânimo, não vale a pena. A atenção é tudo o que eles querem, portanto, o ideal é sempre ignorar”, completou Caroline.

A recomendação da psicóloga é configurar o nível de privacidade nas publicações de modo a permitir que apenas amigos possam visualizá-las. “Se for publicar sobre um assunto que vá causar polêmica mesmo entre seus amigos, é possível personalizá-la para que somente alguns possam interagir com ela. Agora, se a pessoa possui muitos seguidores e não pode se dar ao luxo de configurar o nível de privacidade das publicações, o ideal é apagar os comentários maldosos, identificar os perfis e bloqueá-los. Ou quando julgar muito necessário uma resposta, retruque utilizando o bom humor”, finalizou Caroline.

Continuar lendo
Publicidade

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.