Logotipo

Voluntariado e devoção a Nossa Senhora do Rocio o ano todo

15 de novembro de 2018

Odete Pereira dos Santos e Rosângela do Rocio Neumann contam sua história de devoção à Mãe do Rocio por décadas e com trabalho de beneficência

Compartilhe

Mais do que um trabalho de beneficência, o voluntariado no Santuário Estadual de Nossa Senhora do Rocio é uma missão de fé e amor ao próximo. Odete Pereira dos Santos e Rosângela do Rocio Neumann, voluntárias há décadas do Santuário e na Festa Estadual de Nossa Senhora do Rocio, explicam como esta vocação surgiu na vida delas e a ligação íntima do trabalho de beneficência com a fé, amor ao próximo e envolvimento com a sociedade parnanguara. Além da festa em novembro, as voluntárias afirmam a necessidade dos fiéis parnanguaras prestigiarem e se dedicarem à Nossa Senhora do Rocio o ano todo. 

Odete Pereira dos Santos, voluntária do Santuário Estadual de Nossa Senhora do Rocio há cerca de 55 anos, afirma que sua missão no voluntariado iniciou com sua avó quando ainda era criança e prossegue até os dias atuais. “Trabalhei 25 anos na Santa Casa, me aposentei, mas sempre trabalhando eu vinha dar uma mão aqui na Igreja, trocava meu plantão e vinha trabalhar de voluntária, pois recebemos muitas graças e bênçãos de Nossa Senhora do Rocio a vida toda. Eu adoro trabalhar, principalmente aqui no Santuário do Rocio. Fazer o bem em prol dos necessitados é algo essencial, você não sabe se mais tarde você não vai precisar daqueles que hoje te pedem ajuda”, acrescenta.

“Tenho muito amor a Nossa Senhora do Rocio. Foi isso que fez acender esta chama do voluntariado em mim”, destaca dona Odete, que enfatizou já ter ido ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida e outros pontos religiosos católicos importantes, no entanto, nas orações nestes locais ela sempre lembra a Mãe do Rocio. “Acostumei a minha vida no Santuário, eu considero aqui a minha casa, meus filhos até falam que é capaz de eu pegar minhas roupas e vir embora para cá (risos)”, complementa a voluntária. “Sou ministra de Eucaristia há mais de dois anos, continuo trabalhando de voluntária, algo que eu adoro”, acrescenta.

Odete Pereira dos Santos é voluntária há 55 anos no Santuário de Nossa Senhora do Rocio

Segundo dona Odete, durante todos os anos que está como voluntária ela viu diversas bênçãos que a fizeram e fazem se emocionar. “Aqui recebemos muitas pessoas humildes, que vêm pedir e agradecer à Mãe do Rocio de forma pura e de coração”, explica, ressaltando que os voluntários são praticamente uma família. “Muitos casais são voluntários, enfim, tem muita gente que quer ser voluntária. Somos uma família aqui dentro, com muito amor a Deus e ao próximo”, ressalta.  

Duas semanas antes da Festa de Nossa Senhora do Rocio, os voluntários já estavam organizando o evento. “Todo terceiro domingo do mês diversas excursões vêm ao Santuário do Rocio. Começamos a trabalhar por volta das 5h da manhã, fazendo café e almoço, atuando até umas 15h30. É uma maravilha, um trabalho gratificante”, destaca. “O Santuário de Nossa Senhora do Rocio está aberto o ano inteiro para as pessoas. Podem vir que serão bem recebidas. Somos uma família, somos irmãos para receber as pessoas que chegam. Lembrando que o trabalho do Padre Joaquim Parron, nosso reitor,  está mudando positivamente o Santuário”, finaliza. 

FÉ E VOLUNTARIADO EM FAMÍLIA

Rosângela do Rocio Neumann, voluntária do Santuário desde 2001, ressalta que foi sua mãe quem a motivou ao voluntariado. “Sempre vim nas missas com ela, fiz minha primeira comunhão na Igreja de Nossa Senhora do Rocio, casei aqui, batizei minhas filhas e netos aqui. Já é uma tradição da nossa família, que é católica, e a devoção a Nossa Senhora é inevitável, a gente vê e sente os milagres dela. Para mim, é um juramento mesmo, meu pai e minha mãe já não estão mais aqui, mas quero seguir esta missão deles e toda a minha família é voluntária”, acrescenta. “O ano todo temos romaria nos terceiros domingos do mês, em que eu coordeno a cozinha e agora peguei a missão de coordenar todo o voluntariado. Todos vêm trabalhar com amor e têm uma história com Nossa Senhora”, complementa.

“Plantamos a semente de Nossa Senhora do Rocio diariamente, a pessoa vem nos conhecer na Casa da Mãe e a partir daí não sai mais. Sou voluntária eternamente”, afirma Rosângela. “Vale a pena quando vemos pessoas que chegam em dia de romaria e vêm por amor, com dinheiro contado, pedindo coisas que não sejam caras, falando que vieram somente pagar promessa. A gente acaba dando o que eles quiserem, pois sentimos o amor vindo deles a Nossa Senhora do Rocio. Tudo isso vai crescendo dentro da nossa fé, com pessoas que vêm de longe, que não conhecem, somente veem um folhetinho que vai pelo correio e elas começam a fazer as orações e alcançam graças”, explica, ressaltando que muitas vezes os fiéis de Paranaguá têm o Santuário do Rocio do “lado de casa” e não comparecem.

“Não esperem apenas novembro, prestigiem Nossa Senhora do Rocio o ano todo”, afirma a voluntária desde 2001 e coordenadora, Rosângela do Rocio Neumann

Segundo a voluntária, a Festa de Nossa Senhora do Rocio de 2018 está sendo especial, principalmente pela fila de espera de centenas de pessoas que querem ser voluntárias. “A festa está mais emotiva por causa do nosso reitor do Santuário, o padre Joaquim Parron, que deu uma aconchegada nas pessoas e todo mundo quer ajudar. Ele fez uma união de todas as comunidades católicas de Paranaguá. Este ano teremos uma das procissões mais lindas de todos os tempos”, afirma Rosângela. 

“Durante o ano, o Santuário está de portas abertas para quem quiser ser voluntário e também aos fiéis. Disponibilizamos cursos de formação gratuitos aqui. As pessoas saem capacitadas em inglês, artesanato e outras áreas. Convidamos também, para que, além da Festa e da procissão neste mês, os fiéis venham a cada terceiro domingo para a procissão do manto e no nosso salão social. Não esperem apenas novembro, prestigiem Nossa Senhora do Rocio o ano todo”, finaliza a voluntária. 

Colunistas