conecte-se conosco

Polícia

Receita Federal participa da 55.ª Fase da Lava Jato Operação Integração II

A Receita Federal do Brasil (RFB), participa nesta quarta-feira (26), em conjunto com a Polícia Federal (DPF) e o Ministério Público Federal (MPF) de mais uma fase da Operação Lava Jato, denominada Integração II

Publicado

em

A Receita Federal do Brasil (RFB), participa nesta quarta-feira (26), em conjunto com a Polícia Federal (DPF) e o Ministério Público Federal (MPF) de mais uma fase da Operação Lava Jato, denominada Integração II, tendo como investigados concessionárias de pedágios, executivos, empresas, empresários e agentes públicos supostamente envolvidos em diversas irregularidades, entre elas as relacionadas à gestão de concessão de trechos de estradas rodoviárias do Paraná, dentro do denominado Anel de Integração.

Tal fase é, em grande parte, resultante das investigações da 48ª Fase, denominada “Integração”, deflagrada em 22/02/2018, quando foram cumpridos 07 mandados de prisão temporária e 51 mandados de busca e apreensão, expedidos ainda pela 13ª Vara Federal de Curitiba.

O conteúdo probatório reunido pelo MPF e pelo DPF para esta fase contou com amplo apoio de unidades da Receita Federal da 9ª Região Fiscal, especialmente equipes de fiscalização das Delegacias da Receita Federal em Londrina e Ponta Grossa, que nos últimos quatro anos desenvolveram, e ainda desenvolvem, exaustivas auditorias e diligências fiscais em algumas das empresas envolvidas e em terceiros ligados, para verificação da regularidade de apropriações de receitas e/ou de contabilizações de custos relacionados aos referidos contratos de concessão.

Reiterando o já mencionado na fase anterior, em algumas destas ações fiscais foram identificadas diversas irregularidades, que além de embasar expressivos lançamentos tributários, também subsidiaram, em parte, a instrução penal, destacando-se: diferimento indevido de receitas; superfaturamento de despesas; contabilizações de despesas com serviços de fato não prestados; contratações de supostas prestadoras de serviços ligadas, que apenas intermediavam valores; subcontratações de empresas inexistentes de fato, sem capacidade operacional e, algumas, até com quadro societário composto por sócios “laranjas”.


Muitos destes procedimentos irregulares descortinados pela RFB, possivelmente, serviram como instrumento de dissimulação ou ocultação para circulação de valores indevidos e que, por óbvio, resultaram em redução indevida do lucro declarado de algumas dessas empresas investigadas, especialmente algumas das concessionárias.

Com a participação de mais de trinta Auditores-Fiscais e Analistas Tributários da Receita Federal estão sendo cumpridos, entre outras medidas judiciais, mais de cinquenta mandados de busca e apreensão expedidos pela 23ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, principalmente em cidades do Estado do Paraná.

A Polícia Federal (PF) cumpre mandados judiciais na 55ª fase da Operação Lava Jato desde a manhã quarta-feira (26) em cidades dos Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo. A investigação mira casos de corrupção ligados aos procedimentos de concessão de rodovias federais no Paraná que fazem parte do chamado Anel da Integração. Estão sendo cumpridos 73 mandados de busca e apreensão, três de prisão preventiva e 16 de prisão temporária (duração de cinco dias) em quatro Estados: Santa Catarina (Joinville e Palhoça), São Paulo (São Bernardo do Campo, São José dos Campos, São Paulo e Jundiaí), Rio e Janeiro (Niterói) e Paraná (Ponta Grossa, Irati, Londrina, Guaratuba, Morretes, Matinhos, Maringá, Cascavel, São José dos Pinhais, Pinhais, Balsa Nova, Araucária e Curitiba).

Entre os alvos das outras ordens judiciais, segundo o Ministério Público Federal (MPF), estão concessionárias que administram o Anel de Integração do Paraná: Econorte, Ecovia, Ecocataratas, Rodonorte, Viapar e Caminhos do Paraná, além de intermediadores e agentes públicos corrompidos beneficiários de propina.

De acordo com os relatos obtidos de colaboradores, segundo o Ministério Público Federal (MPF), quando se iniciou o esquema, o valor total da arrecadação mensal de propina era de aproximadamente R$ 120 mil, sendo que esse valor era rateado entre as seis concessionárias do Anel de Integração proporcionalmente ao faturamento de cada uma delas. “O montante da propina foi atualizado conforme os reajustes tarifários, chegando a aproximadamente R$ 240 mil mensais em 2010”, disse o MPF.

Continuar lendo
Publicidade

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.