conecte-se conosco

Maçonaria

O SILÊNCIO NA MAÇONARIA

Como devem ter ouvido dizer que a Maçonaria é secreta…

Publicado

em

Como devem ter ouvido dizer que a Maçonaria é secreta, que não se comenta nada sobre Maçonaria quando alguém não é um Maçom, isso é verdade, não comentamos nada fora da Loja, mas também não temos segredos de nossas ações, fazemos o bem sem olhar a quem, ajudamos o menos favorecido, porém, o silencio é uma virtude em qualquer ocasião de nossas vidas.

“O exercício do silêncio é tão importante quanto a prática da palavra” (Willian James).

Esta frase resume bem o ensinamento maçônico do “permanecer calado”, não como uma imposição, mas, sim como uma virtude que alerta para a necessidade de preparo para o “Uso da Palavra”.

Temos alguns Ritos Maçônicos que determinam quais Irmãos podem ou não podem se manifestar durante as sessões e este ponto é inquestionável.

Não há de se fazer comparações ou avaliações, se é preconizado pelo Rito que devem permanecer em silêncio, esta é a verdade para o Rito e deve ser seguida, se há Ritos que permitem a fala dos , tudo bem. Jamais devemos deixar de obedecer as normas e procedimentos ritualísticos. O que não pode acontecer é confundir Silêncio com Sigilo ou Segredo. A todos os Maçons (independentes de Graus e Ritos) é obrigatório o Sigilo. O silêncio é uma virtude aprendida na Maçonaria e que é usada não só nos trabalhos maçônicos, mas em nossa vida comum.

O Silêncio Maçônico é a discrição que conquista a confiança dos que nos rodeiam. Esta virtude nos remete ao VITRIOL para silenciosamente corrigirmos nossos defeitos e usar prudência e tolerância em relação aos defeitos dos outros.

A visão e a audição devem ser educadas, tanto quanto as palavras e as maneiras. Em Maçonaria, ao prestar o seu compromisso iniciático, o Candidato promete guardar silêncio sobre tudo o que se passa no interior do templo maçónico.

Para que entendais corretamente o significado o silêncio para o maçom devemos acudir a sua definição, indicando que é a privação voluntária da faculdade de falar. E em verdade, quase todos sabemos falar, mas poucos sabemos calar. Por ele, saber calar a língua e os sentidos é uma virtude de Deus.

A lenda ensina que o príncipe Bahzam um dia qualquer saiu a caçar perto de seu palácio; nesta atividade foi surpreendido pela noite, quando precisamente buscava uma boa presa. Já cansado, o príncipe se sentou debaixo de uma árvore frondosa com o propósito de respirar; neste momento sentiu sair das matas a voz de uma ave; em seguida Bahzam se colocou de pé e disparou sua sarabatana ao pássaro, matando-o em seguida. Tendo o jovem a seus pés a ave morta, meditou, suspirou e disse: “Oh!, Quão bonito é saber calar e cuidar a língua! Se esta ave não tivera falado não havia perecida”.

 

A melhor palavra é a curta e breve, a sábia que transmite a verdade; a que se dirige ao bem. Aprender a falar pouco, o justo e suficiente, significa no maçom em geral, não somente aquele novato, a força de vontade, o caráter moderado, o domínio de si mesmo, a elevação de seu espírito.

Finalmente, é pertinente recordar ao sábio Lokman que ensinou a seu sucessor: “Meu filho! Se a gente se orgulhar pela tua eloquência e pela tua arte de bem dizer, tu deverás agradecer a Deus ao ter te dado juízo para saber calar”.

Yassin Taha

Dep.Federal GOB – Loja Perseverança

 

 

Continuar lendo
Publicidade

Em alta