Connect with us

Legendado

O Brasil vive duros tempos recessão

O ativo advém do fato de controlarem no governo Temer ministérios que tocam programas sociais vitrines.

Publicado

em

O Brasil vive duros tempos recessão, e o governo Temer presenteia o "centrão" com cargos e máquinas de fazer votos. Mais do que tempo de tv, os partidos que compõem o Centrão têm como principal atrativo o fato de unidos serem uma “máquina de votos”. DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade fizeram a diferença nas últimas eleições, mas, desta vez, a decisão de agir em bloco tornou o grupo uma potência.

O ativo advém do fato de controlarem no governo Temer ministérios que tocam programas sociais vitrines. Prefeitos e vereadores beneficiados com verbas serão cobrados a retribuir com votos a eleger os candidatos do bloco. A EBC, empresa do governo que administra rádio, TV e uma agência online, tem na folha de pagamento de 83 empregados que recebem mais de R$ 20 mil por mês.

Entre os concursados, o maior vencimento é de R$ 35,8 mil de uma funcionária do setor de contabilidade. Por ser mais do que o salário de um ministro do Supremo (R$ 33,7 mil), sofre o abate-teto. Há cinegrafistas que receberam, em maio, R$ 25 mil (a iniciativa privada paga em média R$ 4 mil) e uma secretária, R$ 27,8 mil, mesmo salário de um juiz em início de carreira. A carga horária varia de seis a oito horas de trabalho por dia. Ou seja, a velha prática do balcão de negócios que levou o país a viver o lamaçal de corrupção instalado atualmente na República.

Vale lembrar que a tática do "unidos venceremos", levou a operação Lava Jato a unir partidos, não para consolidação eleitoral, mas na prisão. Enquanto isso, na contra mão das benesses, existem exemplos de que quem quer, faz a diferença. O pré-candidato à Presidência, Alvaro Dias (Podemos), apresentou durante o programa Jornal da Clube, maneiras de como acabar com benefícios em excesso concedidos a políticos no Brasil.

O presidenciável falou sobre medidas que ele próprio fez, durante sua trajetória de mais de 27 anos de vida pública. O ex-governador destacou um exemplo feito por ele mesmo, de como é possível manter a máquina pública abastecida se os privilégios diminuírem. “Eu sou ex-governador e tenho direito a uma aposentadoria no valor de R$ 33 mil por mês. Essa aposentadoria, somada em um período de 27 anos, totaliza R$ 10 milhões na minha conta bancária. Eu simplesmente renunciei esse direito e fui o único ex-governador do Paraná que abdiquei desse recebimento”.

O pré-candidato destacou os privilégios que negou na condição de senador da República, e mostrou que é possível atuar no exercício público sem receber regalias pagas pelo Estado, resultante de elevados impostos que o cidadão paga diariamente. “Eu renunciei o auxílio-moradia do Senado no valor de R$ 5,5 mil por mês e não moro em apartamento funcional. Recuso também os R$ 15 mil mensais de verba indenizatória, e pago todas as minhas despesas com meu próprio salário”. Ações como estas, mostram aos brasileiros que é possível acabar com os privilégios das autoridades.

Paulinho Oliveira é cientista político, administrador de empresas, bacharelando em Direito, empresário, e secretário municipal de Saúde e Prevenção da Prefeitura de Paranaguá.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.