Connect with us

Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá

São Gonçalo de Amarante – Padroeiro dos violeiros

São Gonçalo de Amarante nasceu em Arriconha, Distrito de Braga, norte de Portugal, no ano de 1187 e sua devoção no Brasil é herança cultural dos nossos colonizadores.

Publicado

em

Como em todo Brasil, no território caiçara também encontramos manifestações religiosas e culturais invocando este santo do catolicismo, fortemente ligado ao devocionário popular.

São Gonçalo de Amarante nasceu em Arriconha, Distrito de Braga, norte de Portugal, no ano de 1187 e sua devoção no Brasil é herança cultural dos nossos colonizadores. De linhagem familiar nobre, concluiu os estudos religiosos e uma vez ordenado, desejou peregrinar aos lugares sagrados em Roma e em Jerusalém, designando um sobrinho, também padre, para os cuidados espirituais da comunidade onde era pároco. Demorou 14 anos para retornar, tempo o suficiente para ter seu cargo e seus bens usurpados pelo próprio sobrinho que espalhara a falsa notícia de seu falecimento. Evitando intriga, parte pregando o Evangelho, fazendo parada na região do Rio Tâmega, hoje Amarante, no Distrito de Porto, naquele mesmo país, onde começou sua penitência, orações e pregações e ali inicia a construção de uma capela e junto desta, uma ponte sobre aquele rio, possibilitando a travessia segura da população e resolvendo problemas de inundações no povoado – por isso o invocam contra tempestades e enchentes; também é invocado como casamenteiro.

Conta-se que, preocupado com os problemas que a prostituição causava naquela região, decidiu ocupar o tempo das prostitutas para que não prosseguissem seu ofício. Aos sábados, com trajes femininos e pregos dentro dos sapatos como forma de penitência, passava a noite a tocar viola para que dançassem, almejando assim convertê-las e uma vez cansadas, deixavam de se prostituir no domingo. É muito cultuado em Portugal como também em várias cidades no Brasil, tendo três processos de beatificação e canonização aberto, porém nunca foi canonizado pela Igreja. 

Em seu culto e devoção apresenta-se representado de duas formas: No catolicismo aparece trajando uma túnica branca e capa preta, portando nas mãos uma Bíblia e na outra um cajado; Já no devocionário popular, veste calça azul e blusa verde, capa marrom, chapéu preto, calça botas e sempre carrega uma viola nos braços.  No calendário litúrgico religioso e no devocionário popular a data de sua morte – 10 de janeiro de 1262 – é utilizada como de festejos em sua homenagem.

Na tradição caiçara, a devoção a São Gonçalo é representada sob duas maneiras: Enquanto dança e enquanto moda, esta última integrada à outras modas do Fandango Caiçara.  A Dança de São Gonçalo configura-se uma ‘paga’ de promessa. Aquele que porventura tenha invocado e recebido por intercessão do santo algum benefício, reúne seus familiares e amigos para a celebração. É montado um altar onde se coloca a imagem do santo e na falta desta, uma mesinha com uma flor branca, para onde os violeiros e cantadores, seguido dos casais dançadores, sempre enfileirados, cavalheiros de um lado e damas de outro, a passos lentos, se dirigem e reverenciam São Gonçalo no altar, retornando ao final da fila. A Dança pode durar horas quando não a noite inteira, seguindo a cantoria e com determinadas marcações na coreografia, por exemplo, nunca dão as costas ao altar, sempre, portanto, executando a dança de frente para São Gonçalo.

Já no Fandango Caiçara – Patrimônio Imaterial do Brasil – se executa enquanto moda valseada, ou seja, trata-se de mais uma moda, como outras tantas que serão cantadas durante a função, porém, geralmente também ocorre como “paga” de promessa. Em épocas de plantio ou colheita, quando se reunia toda a vizinhança para o trabalho, o dono do mutirão recorria a intercessão de São Gonçalo para que a chuva desse uma trégua e não comprometesse o dia de trabalho na roça. Uma vez amanhecendo de sol e o trabalho na roça sendo concluído, o dono do mutirão oferecia sua casa como ‘paga’ pelo dia de trabalho e ali faziam o Fandango Caiçara, sendo a primeira moda dançada em homenagem a São Gonçalo, onde o dono da casa e sua esposa, ainda com as vestimentas com que trabalharam na roça, valseavam ao redor do salão, ao toque da viola, da rabeca e do adufe, atento aos versos que homenageiam o santo.

Na Dança de São Gonçalo, assim como na Romaria do Divino Espírito Santo, a viola é tocada de modo “sagrado”, estando o violeiro tão somente de pé; alguns violeiros ainda amarram uma fita branca no braço da viola quando vão tocar a moda de São Gonçalo, outros, oferecem seu instrumento ao padroeiro pedindo sua proteção, outros ainda, mesmo não tendo “paga de promessa” sempre cantam a primeira moda ou apenas saúdam o santo protetor. Viva São Gonçalo de Amarante.

 “SÃO GONÇALO ME AJUDE ENQUANTO EU ESTIVER CANTANDO AJUDE MEUS CAMARADAS E O POVO QUE TÁ DANÇANDO”

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.