Logotipo

Escudo FIFA é entregue a árbitro e assistente paranaenses

08 de fevereiro de 2019

Presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Paranaense de Futebol, Afonso Vítor de Oliveira, fez a entrega dos escudos a Rodolpho e Bruno.

Compartilhe

A Federação Paranaense de Futebol recebeu em sua sede o árbitro Rodolpho Toski Marques e o assistente Bruno Boschilia para entregar novamente o escudo da FIFA. Eles são membros do quadro de arbitragem paranaense, e seguem representando a entidade máxima do futebol mundial para a temporada 2019.

A entrega dos novos escudos foi realizada pelo presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Paranaense de Futebol, Afonso Vítor de Oliveira. 

Rodolpho Toski Marques contou que um de seus sonhos dentro da arbitragem era justamente tornar-se um árbitro FIFA. “O escudo da FIFA é o sonho de qualquer árbitro que tem como objetivo, desde quando inicia a carreira, chegar ao quadro da entidade. Sempre falei sobre os meus sonhos e esse era um dos principais. Agora tenho que lutar a cada ano para me manter, porque chegar já é muito difícil, mas manter é mais difícil ainda”, enfatizou Rodolpho, destacando ser muito importante manter-se bem durante toda a temporada, principalmente porque a cada jogo que apita, carrega a responsabilidade de representar diferentes entidades. “Estou sempre em busca de melhorar, de aprimorar. Nós carregamos o nome da nossa Federação, da CBF, da Conmebol e da FIFA. São entidades que temos que respeitar e zelar pela imagem”, completou. 

Receber mais uma vez o escudo deixa o árbitro orgulhoso. “É um sentimento de dever cumprido, de muito trabalho, sabendo que tem muito mais trabalho pela frente. Vamos continuar o bom trabalho para seguir com o escudo no Paraná, o que é importante para o nosso futebol”, finalizou Rodolpho.

Orgulho também é o sentimento do assistente Bruno Boschilia, que também recebeu mais uma vez o escudo que vai ser usado durante esta temporada. “É um misto de orgulho e responsabilidade, porque a gente renova a cada ano e então é uma conquista durante o ano, que envolve muito trabalho e dedicação”, disse. 

Para Boschilia, receber o escudo da FIFA pode ser comparado a uma convocação para a Seleção Brasileira, por exemplo. “No Brasil são 10 árbitros e 10 assistentes, como se fosse a Seleção Brasileira da arbitragem então queremos manter a titularidade no time”, comparou, revelando o principal para se manter no topo. “É uma mistura de trabalho físico, mental e técnico, que são as exigências da FIFA, e a regularidade nos jogos, minimizar os erros a todo o momento”, concluiu.

 

Com informações da FPF

Foto: FPF

 


Colunistas