Connect with us

Educação

Recomendações enviadas pelo MEC às escolas dividem opiniões

Ministro reconhece erro e retira trecho de slogan utilizado no período eleitoral

Publicado

em

Os dirigentes de escolas de todo o País, públicas e privadas, receberam na segunda-feira, 25, um e-mail do Ministério da Educação (MEC), contendo algumas recomendações. Entre elas, o pedido para que as escolas cantem o hino nacional, filmem as crianças e, ainda, leiam uma carta encerrada com os dizeres “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos”, slogan de campanha do atual Governo.

No entanto, o ministro da Educação, o professor Ricardo Vélez Rodríguez, voltou atrás na terça-feira, 26, e enviou uma carta revisada, na qual reconhece que errou ao pedir a slogan da campanha e ao solicitar a filmagem das crianças sem a autorização dos pais. Em nota, o MEC informou que: "A carta a ser lida foi devidamente revisada a pedido do ministro, após reconhecer o equívoco, tendo sido retirado o trecho também utilizado durante o período eleitoral".

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), que integra o Ministério Público Federal, afirmou que havia realizado um "pedido de esclarecimentos" ao ministro.

REAÇÃO NO MEIO EDUCACIONAL

A União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) se pronunciou sobre o assunto, esclarecendo que não foi informada previamente e considera inadequadas, na forma e no conteúdo, as recomendações encaminhadas às escolas.

“Em consonância com a defesa do Estado Democrático de Direito, do diálogo e da pactuação entre os diferentes entes da federação, dirigentes municipais de Educação reiteram a importância do fortalecimento do regime de colaboração, do respeito à autonomia dos sistemas de ensino e do exercício da prática pedagógica, independentemente de correntes ou ideologias político-partidárias. Neste sentido, a Undime não recomenda a adoção dos procedimentos indicados tais como a gravação de vídeos com alunos sem a devida autorização dos responsáveis legais. Tampouco aceita a utilização de conteúdo eleitoral e de promoção pessoal de qualquer agente político nas redes de ensino. O procedimento de execução do Hino Nacional já está regulamentado em legislação vigente”, declarou em nota a Undime.

FEDERAÇÃO DAS ESCOLAS PARTICULARES

Diversos órgãos ligados à área da Educação expressaram suas opiniões quanto às recomendações do MEC. Uma delas foi a Federação Nacional de Escolas Particulares (Fenep), que defende a intenção de respeitar o hino nacional e a retomada do patriotismo.

“Particularmente, acho que foi uma tentativa de ação afirmativa, mas nos perdemos em 'entretantos'. Uma ação positiva foi distorcida por questões menores. E a questão da autorização para as filmagens foi um erro de comunicação. E é uma orientação. O que acontece à escola se ela não fizer? Nada. Há 181 mil escolas no Brasil, se 500 fizessem os vídeos – não vejo problema nenhum de fazer um filminho das crianças. Sobre o slogan de campanha, isso estava na carta, mas era uma orientação, uma sugestão. A gente está com autoestima muito baixa", declarou o presidente da Fenep, Ademar Batista Ferreira.

ABRAPAR DIZ QUE É ILEGAL

Já o diretor da Abepar (Associação Brasileira de Escolas Particulares), Arthur Fonseca Filho, não concordou com as recomendações. "Isso é ilegal, o MEC não tem competência para pedir nada disso às escolas", destacou Fonseca Filho.

Nos anos 1970, durante a Ditadura Militar, as escolas eram obrigadas a cantarem o hino, mas em 2009 foi modificada e agora exige apenas que se toque o hino uma vez por semana para crianças do Ensino Fundamental.

"Não considero que seja possível um ministro pedir em um e-mail para introduzir uma prática na escola sem considerar o projeto pedagógico dela", disse Fonseca Filho, da Abepar.

O coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação (CNDE), Daniel Cara, acredita que se trata de uma propaganda do governo. "Reconhecer o erro é importante, mas está virando praxe. O MEC propõe algo fora do que é razoável, as pessoas criticam e eles voltam atrás. A questão é que a iniciativa, sob desculpa de valorizar símbolos nacionais, é uma clara estratégia de propaganda do Governo, em um contexto em que o Ministério da Educação não demonstra vontade ou competência para resolver os problemas da área”, afirmou Cara.

Foto: MEC.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.