Connect with us

Segurança

Álcool em gel exige cuidados no uso e armazenamento

Produto não deve ser armazenado em grande quantidade, segundo o comandante

Publicado

em

O álcool em gel

Comandante do 8.º GB concede orientações sobre utilização do produto 

O álcool em gel 70% está sendo utilizado por toda a população mundial de forma intensa no período da pandemia da Covid-19, visto que, usado de forma correta, ele é capaz de eliminar o vírus e pode ser transportado com facilidade em frascos, algo que fez com que o produto fosse um dos carros-chefes na tão necessária higienização neste período de crise sanitária. O comandante do 8.º Grupamento de Bombeiros (8.º GB), major Jonas Emmanuel Benghi Pinto, esclareceu que o uso do álcool em gel deve ser feito seguindo as orientações do fabricante, bem como longe de fontes intensas de calor. Confira todas as dicas:

“Sempre se deve ler as orientações do fabricante. Sendo inflamável, manter longe o álcool em gel das chamas e fontes intensas de calor. É necessário fazer a armazenagem doméstica em pequenas quantidades, em local seguro e não permitindo que crianças brinquem com ele”, explica o major. 

Chegada do verão e aumento na temperatura

Outro ponto é o aumento da temperatura em Paranaguá, no litoral e em todo o Brasil, algo que aumenta o potencial inflamável do álcool. “Mesmo tendo um manuseio mais seguro que o álcool líquido, o álcool gel pode se tornar um pouco mais volátil/inflamável com o aumento da temperatura. Mas, em termos de risco de incêndio, nada além da preocupação normal que devemos ter”, acrescenta. 

Outro ponto esclarecido foi o uso na pele do álcool em gel, algo que é feito constantemente nas mãos pelas pessoas durante a pandemia. “Em condições normais de aplicação sobre a pele, longe das chamas, o álcool gel é bastante seguro”, esclarece.

Uso na cozinha

Um alerta feito pelo comandante é com relação ao uso do álcool em gel em ambientes de cozinha e churrasqueira, onde há a presença de fontes de calor mais intensa. “Mesmo sendo mais seguro, em termos de propagação das chamas do que o álcool líquido, o ideal é que as embalagens de álcool em gel fiquem afastadas das chamas. Além disso, após a aplicação nas mãos, aguarde o álcool gel secar bem e se dissipar antes de aproximar a pele de qualquer fonte de ignição”, afirma.

“Mesmo tendo um manuseio mais seguro que o álcool líquido, o álcool gel pode se tornar um pouco mais volátil/inflamável com o aumento da temperatura”, afirma o major Emmanuel

Com relação a carregar álcool em gel nos carros, motos, utensílios como mochilas e bolsa, bem como no próprio bolso, algo que está sendo costume devido à Covid-19, o major esclarece que há necessidade de cuidado. “Sempre devemos consular e seguir as orientações do fabricante. Mas, por regra, pequenas quantidades de álcool em gel, dentro de seu frasco original, com tampa ou fecho, para higienização pessoal, não constituem uma ameaça”, esclarece.

Armazenamento

Não é seguro fazer armazenamento de grande quantidade do produto, segundo o comandante. “Sempre devemos consultar e seguir as orientações do fabricante. Mas, por regra, pequenas quantidades de álcool em gel, dentro de seu frasco original, com tampa ou fecho, para higienização pessoal, não constituem uma ameaça”, informa.

Em caso de acidente o que deve ser feito?

“No caso de acidente com álcool gel, por eventual ingestão ou queima acidental com danos à pele, deve-se acionar o SAMU, pelo telefone 192. Caso esteja ocorrendo algum tipo de incêndio relacionado a embalagens com álcool em geral, acionar o Corpo de Bombeiros pelo telefone 193”, finaliza o comandante do 8.º GB.