Connect with us

Meio Ambiente

Portos do Paraná lançam cartilha de proteção ao boto-cinza

O boto-cinza (Sotalia guianensis) é listado pelo Ministério do Meio Ambiente como espécie ameaçada (Foto: Pierpaolo Neto)

Publicado

em

cartilha

Material orienta marinheiros sobre como proceder ao encontrar a espécie 

O cuidado com animais marinhos que vivem na área dos portos de Paranaguá e Antonina é o tema de uma nova campanha da Portos do Paraná. A empresa pública, em conjunto com a Cia Ambiental, desenvolveu uma cartilha para orientar embarcações sobre como agir ao encontrar grupos de botos-cinza durante a navegação.

A ação inclui conversas e web reuniões para alertar sobre o tema. “Identificamos a necessidade de falar e sensibilizar os donos de embarcações menores, como lanchas, iates, voadeiras, entre outros. Isso porque, nas atividades de monitoramento que realizamos de forma regular, nossos biólogos identificaram animais com pequenas cicatrizes de hélices no dorso, nas costas”, explica João Paulo Santana, diretor de Meio Ambiente da Portos do Paraná.

A iniciativa foi bem aceita por quem já foi contatado, como o coordenador-geral da Lunamar Transportes Marítimos, Renato Rocha. “É um trabalho muito importante para o turismo na cidade. Os barcos hoje param para ver os botos, o que não acontecia antes, pois não víamos famílias inteiras de botos. Hoje eles estão em grande quantidade e, muitas vezes, pertinho da costa. Então, é preciso preservar”, diz.

Para o gestor da empresa Oceânica, Adaury Silva Demétrio, o cuidado deve ser de todos. “Apesar de haver uma conscientização de defesa dos animais, principalmente os que vêm procriar na baía, às vezes, os marinheiros desconhecem a importância da preservação. Esse trabalho os ajuda a entender”, afirma.

“Sabemos que temos que preservar o boto, a natureza em si. Aqui na marina, vamos distribuir o folder explicativo dos cuidados que temos que ter com a espécie, para todos os nossos clientes, para que colaborem na proteção do boto-cinza, que habita o litoral paranaense,” reforça Iranor Norberto Jamnik Filho, da Porto Marina Oceania.

Como Agir

• Embarcações devem manter distância mínima de 300 metros dos animais;

• Quando a distância for menor que 300 metros, o motor deve ser colocado em neutro ou velocidade mínima;

• Ao encontrar o boto-cinza, deve-se navegar apenas em velocidade inferior a 5 nós (cerca de 10km/h);

• Evitar mudanças bruscas de direção;

• Não acompanhar a bordo de embarcações os botos por mais de 30 minutos;

• Em caso de fêmea com filhotes, não exceder 15 minutos.

Fonte: AENPR