conecte-se conosco

Litoral

Prevenção e salvamento: Corpo de Bombeiros forma novos guarda-vidas militares e civis

Cursos têm como objetivo a capacitação para prevenção, salvamento aquático e atendimentos

Publicado

em

As solenidades ocorreram de manhã e à tarde no município de Matinhos / Fotos: SESP

O Corpo de Bombeiros Militar do Paraná (CBMPR) promoveu nesta segunda-feira, 5, as formaturas dos cursos de guarda-vidas militar e de guarda-vidas civil. As solenidades foram em Caiobá, no Litoral, pela manhã e à tarde, respectivamente. Os cursos têm como objetivo a capacitação para prevenção, salvamento aquático e atendimentos de socorro em casos de afogamento. O primeiro é destinado a integrantes do efetivo da instituição; o segundo, para voluntários da sociedade.

Para os 39 bombeiros militares que participaram do curso voltado ao efetivo – 37 homens e 2 mulheres –, o treinamento começou em outubro. Em um primeiro momento, as atividades consistiram de treinamento físico e instruções teóricas em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba. Só depois os alunos foram para o trabalho prático, nas águas do litoral paranaense. Ao todo, a formação teve duração de 620 horas, incluindo 240 horas de estágio, realizado durante o Verão Maior Paraná 2023/2024.

“Nesse período de estágio eles estão sempre acompanhados de um guarda-vidas mais antigo, justamente para poder pegar a rotina do serviço. Eles aprendem na prática o que é uma corrente de retorno, sua dinâmica, o que deve ser sinalizado no posto de guarda-vidas, qual é a preocupação em relação às pessoas que chegam ali para se banhar”, explica o comandante do 8º Grupamento de Bombeiros, responsável pelo atendimento do Litoral, major Fabrício Frazatto dos Santos.

De acordo com ele, a maior preocupação é desenvolver a capacidade de resposta qualificada em caso de emergências e, especialmente, a habilidade de prevenir acidentes e afogamentos.

“O serviço tem se tornado cada vez mais profissional, e tem que ser assim porque é extremamente técnico e lida muito próximo com as vidas das pessoas, entre a vida e a morte. É preciso saber o que fazer e no momento adequado”, complementa.

No final da celebração, os novos guarda-vidas militares, como manda a tradição, entraram no mar em busca da camiseta amarela / Fotos: SESP

O comandante do 8º GB acrescenta que o guarda-vidas deve estar ainda mais preparado para reconhecer as pessoas que potencialmente se colocam em risco e não deixar que esse afogamento aconteça.

“O maior desafio não é fazer o salvamento, mas evitar que ele aconteça identificando os perigos daquele ambiente, sinalizando esses perigos, orientando as pessoas sobre locais perigosos e, por vezes, retirando-as desses espaços”, complementa ele, citando que estes formando vão propagar seus conhecimentos por todo o Estado.

No final da celebração, os novos guarda-vidas militares, como manda a tradição, entraram no mar em busca da camiseta amarela. O uniforme representa o preparo e a honra do guarda-vidas. O curso de formação é um dos mais concorridos dentro da corporação.

“O curso tem uma grade horária extenuante, cansativa. Mas quem vem está consciente e treinado para suportar as adversidades do curso. Vale a pena. É difícil, mas gratificante”, celebra o cabo Manoel Orlando Gapski, que atua há 13 anos no Corpo de Bombeiros e foi o orador da turma de formandos.

CIVIL

A data também foi de muita emoção para os 84 guarda-vidas civis voluntários que finalizaram o curso na modalidade águas abertas, ou seja, voltado para as ações no mar. Durante o período de capacitação, os aspirantes ao posto de guarda-vidas civil atuaram como reforço ao trabalho dos bombeiros militares na prevenção de ocorrências e no atendimento a afogamentos. Antes, porém, passaram por um período de instrução de 120 horas. O tempo de estágio foi de 300 horas.

“O curso de guarda-vidas civil é o nosso maior projeto social. Nós pegamos pessoas que gostam de estar na água, surfistas, pescadores, em geral moradores ribeirinhos, e potencializamos o conhecimento de prevenção aquático para toda uma sociedade”, disse o major Frazatto. “Esse civil aprende os conhecimentos e os perigos do ambiente aquático e vai difundir isso no seu espaço social e amplifica nossa missão, que é a prevenção de afogamentos”.

A versão civil do curso é mais curta em função da compreensão de que esses voluntários precisam equilibrar o tempo da preparação voluntária com suas responsabilidades no trabalho, na família e nos estudos. Durante o Verão Maior Paraná, o estágio é sempre sob acompanhamento de um guarda-vidas militar. Formados, eles se tornam aptos a participar do trabalho de guarda-vidas quando houver necessidade.

“Hoje celebramos a conquista desse certificado, que agrega em si fatores que extrapolam os conhecimentos técnicos adquiridos, sendo reflexo da disposição, coragem e perseverança que norteou nossa trajetória ao longo desses meses”, disse o orador da turma, Marcelo Paes, que é subtenente da reserva do CBMPR.

VERÃO MAIOR PARANÁ

O Verão Maior Paraná reúne uma série de ações voltadas aos veranistas e moradores dos municípios do Litoral, além de Porto Rico e São Pedro do Paraná, no Noroeste. São atividades esportivas e de lazer que englobam aulas de ginástica, dança, caminhadas, recreação infantil, shows, torneios e competições nacionais e internacionais, programação inclusiva e educação ambiental. A agenda completa pode ser consultada no site www.verao.pr.gov.br.

Fonte: AEN

plugins premium WordPress