Connect with us

Educação

Professoras intérpretes destacam a importância da Língua de Sinais para a inclusão

Maioria dos surdos está inserida no mercado de trabalho

Publicado

em

Nos últimos anos, tem sido constante a presença de tradutores da Língua Brasileira de Sinais em eventos e programas de utilidade pública. A comunidade surda representa 14% da população brasileira, ou seja, cerca de 30 milhões de pessoas.

Em Paranaguá, a realidade segue o perfil nacional, e conta com uma escola bilíngue (Cedap), vários professores intérpretes e também escolas que ministram Libras. A professora Gisele Cuch atua como intérprete e ressalta que a Libras é a segunda língua oficial do Brasil desde 2002.

“Para que as pessoas possam se sentir realmente cidadãs elas precisam ser respeitadas e compreendidas na sua primeira língua. Por isso a sociedade precisa se preparar para aprender essa língua que é tão magnífica e bonita, cheia de movimentos e expressões faciais e corporais. É uma língua do nosso povo, da comunidade surda brasileira”, ressalta.

A professora Gisele aponta, ainda, que os surdos passam por várias situações tanto na área de saúde, como no comércio e na área jurídica. “Os cidadãos surdos necessitam dessa acessibilidade comunicativa em todas as áreas. Agora estão sendo passadas informações de utilidade pública da Covid-19, então é importante que todos saibam, inclusive os surdos, é importante que eles estejam cientes de todas as notícias e tudo que está acontecendo no Brasil e no mundo”, ressalta.

Gisele Cuch atua como intérprete e ressalta que a Libras é a segunda língua oficial do Brasil

A professora intérprete, Nice Celestino, ressalta que a Libras representa a socialização. “Quando consideramos a relevância da Libras na vida das pessoas surdas,  percebemos que a Língua Brasileira de Sinais não é só um meio de comunicação. Em outras palavras, essa língua  assegura a socialização e interação do surdo na sociedade e ainda contribui para a valorização e reconhecimento da cultura surda. A Libras é uma língua que permite a expressão  das pessoas surdas”, define.

A professora interprete Nice Celestino ressalta que a Libras representa a socialização.

O que dizem os surdos

Jose Vitor Faganello é surdo, tem 18 anos e está no 3.º ano do Magistério. Ele ressalta que todas as pessoas precisam aprender Libras. “Existem muitos surdos no Brasil. Eu, por exemplo, sinto bastante dificuldade, pois não são todas as pessoas ao meu redor que sabem Libras, por isso, na maioria das vezes, tento fazer leitura labial”, conta o estudante.

Jose Vitor Faganello tem 18 anos e está no 3º ano do magistério

O estudante João Victor Ferreira dos Santos tem 17 anos e trabalha em supermercado. Ele está no 3.º ano do Ensino Médio no Instituto Estadual de Educação e ressalta a importância das pessoas aprenderem Libras. “Eu acho muito importante todos terem conhecimento porque os surdos têm dificuldade no dia a dia, por isso seria ideal essa aprendizagem”, conta. 

João Victor tem 17 anos e trabalha em supermercado