conecte-se conosco

Editorial

Autorizada a vacinação de crianças contra a Covid-19: prioridade pela vida e controle pandêmico

Há urgência em todos os pais e responsáveis compreenderem a segurança e eficácia do imunizante contra uma pandemia que ainda não acabou. Seguidores de “Zé Gotinha”, nós brasileiros somos acostumados com as campanhas de vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS)

Publicado

em

editorial

O jornalismo exerce um papel essencial na sociedade como forma de trazer informações com respaldo científico e técnico, fugindo das “fake news” e do achismo. Desde o início da pandemia, a Folha do Litoral News se esforça neste alicerce, trazendo informações oficiais do Poder Público e das entidades científicas mais respeitadas, que sempre reforçaram que é a vacinação que controlará de fato a pandemia. Na quinta-feira, 6, o Ministério da Saúde (MS) do Governo Federal trouxe mais uma ampliação desta imunização da população brasileira: a aprovação da vacinação contra o Coronavírus de crianças de 5 a 11 anos. Com isso, o público infantil, ou seja, o futuro do País, poderá ter direito a se proteger de forma eficaz contra uma doença que já levou centenas de milhares de vidas brasileiras.

É válido ressaltar que a vacina que será utilizada para a vacinação desta faixa etária possui uma fórmula pediátrica e será da Pfizer, devidamente aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A campanha deverá ser iniciada no Paraná e no Brasil em janeiro. Há urgência em todos os pais e responsáveis compreenderem a segurança e eficácia do imunizante contra uma pandemia que ainda não acabou. Seguidores de “Zé Gotinha”, nós brasileiros somos acostumados com as campanhas de vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS), com o preenchimento completo da carteirinha dos nossos filhos, que agora deverá ser completada por mais uma vacina: a contra a Covid-19. 

É comprovado cientificamente e pela realidade que a vacina salva vidas e evita internamentos. Há redução das chances de pegar o Coronavírus, mas não em 100%. A prova disso é a crescente e preocupante onda de casos da Covid-19, onde vacinados apresentam sintomas da doença, mas que, em sua imensa maioria, não estão sendo internados e não estão morrendo. É a vacina agindo. Temos que compreender que quanto mais se aumenta a população vacinada no Brasil, mais a doença será controlada e menos há a chances de que variantes surjam ou tornem o cenário pandêmico descontrolado. Imunizar as crianças é justamente fazer com que a porcentagem de imunizados no País cresça.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), no Paraná, 1.075.294 crianças com idade entre 5 a 11 anos devem ser vacinadas contra a Covid-19. Em janeiro, 3,7 milhões de doses ao Estado serão destinadas para a vacinação pediátrica, possibilitando que todo o pai e responsável vacine seu filho, com um imunizante eficaz e seguro, de forma gratuita e universal. Devemos ser responsáveis com a vida e o bem-estar de nossas crianças não somente no discurso, mas na prática. Fazer isso é defender e exercer a vacinação pediátrica, confiando na ciência e não dando ouvidos às notícias falsas, que são prejudiciais à sociedade e à vida humana. 

plugins premium WordPress