Connect with us

Direito & Justiça

Covid-19 pode ser equiparada à doença ocupacional

Contaminação no ambiente do trabalho é acidente/doença do trabalho conforme enunciado do artigo 19 da Lei 8.213/1991

Publicado

em

Ela é considerada acidente de trabalho se contraída no serviço

Em plena pandemia de Covid-19, com o Brasil sendo um dos epicentros da doença, milhões de cidadãos diariamente se expõem ao vírus em ambientes de trabalho que não respeitam as normas de distanciamento social e higiene ou que não tenham concedido aos seus colaboradores a possibilidade de cumprir jornada via “home office”. Neste sentido, o ordenamento jurídico, na área de Direito e Saúde, ressalta que é possível que o empregado que contrair o novo Coronavírus no desempenho de suas funções pode ter a enfermidade considerada doença ocupacional, sendo que o contágio também pode ser considerado um acidente de trabalho. 

Ernesto Emir Kugler Batista Junior, médico com especialidade em Medicina do Trabalho e Oftalmologia e advogado com especialidade em Direito material e processual previdenciário, professor da ABD Const, afirma, nesse sentido, que o ordenamento jurídico é notável em proteger apropriadamente a saúde do trabalhador, algo estipulado na Constituição Federal, na parte em que aborda as regras no ambiente de trabalho em torno de acidentes e doenças decorrentes da função.

“A contaminação com a Covid-19 no ambiente do trabalho e a serviço da empresa é acidente/doença do trabalho, conforme enunciado do artigo 19 da Lei 8.213/1991”, explica o advogado e médico. Ainda de acordo com o jurista, o trabalhador tem direito à indenização por danos morais e materiais, como os custos de tratamento e/ou de eventuais sequelas. “Em caso de morte, poderá haver o pensionamento para os sucessores ou os dependentes legais”, explica.

Durante a pandemia, houve a emissão da Medida Provisória (MP) N.º 927/2020, que em seu artigo 29, afirma que “os casos de contaminação pelo Coronavírus (Covid-19) não serão considerados ocupacionais, exceto mediante comprovação do nexo causal”, entretanto, diversas ações de inconstitucionalidade (ADIs) fizeram com que o Supremo Tribunal Federal (STF) em abril suspendesse a MP que autorizava empregadores a adotarem medidas excepcionais em razão do estado de calamidade pública decorrente da pandemia do novo Coronavírus, inclusive com exclusão do entendimento em Projeto de Lei de Conversão N.º 18/2020 que tramita no Senado. 

Constituição 

O jurista afirma que a Constituição, no artigo 7.º, afirma que o trabalhador tem direito contínuo de que os riscos que ele corre no ambiente de trabalho sejam reduzidos com normas de saúde, higiene e segurança, sempre com base na ciência. “A questão basilar neste aspecto é que, embora o Direito tutele a ciência e haja conexão costumeira para a verificação entre ato e dano, a dimensão da ciência em si traz a complexidade do rigor metodológico para a verificação e objetivar saber se a doença teve causa no trabalho ou não”, complementa Batista Junior. 

De acordo com o médico, o STF decidiu em setembro que é constitucional a responsabilidade objetiva do empregador nesta esfera. “Isso reforça que danos decorrentes de acidentes de trabalho nos casos especificados em lei ou quando a atividade normalmente desenvolvida, por sua natureza, apresentar exposição habitual a risco especial, com potencialidade lesiva, e implicar ao trabalhador ônus maior do que aos demais membros da coletividade”, acrescenta.

Segundo o advogado, para que seja considerado acidente de trabalho, a contaminação por Covid-19 deve ser proveniente do exercício da sua atividade, conforme a Lei Federal N.º 8.213/1991. “Portanto, a contaminação ocorrida fora do ambiente de trabalho, no caso da pandemia, quando levada para o interior da fábrica, não constitui acidente de trabalho porque a possível contaminação de outros trabalhadores não decorre do exercício da atividade”, explica. 

“Para que a contaminação seja acidente, é preciso que a atividade tenha relação com o agente infeccioso e não que o agente venha de fora da empresa. Este aspecto enfoca a caracterização do acidente de trabalho e do risco profissional”, ressalta. “É preciso atenção porque a interdição de empresa e o afastamento dos empregados podem decorrer de medidas sanitárias de caráter geral e não por conta da atividade do trabalhador. A responsabilidade do trabalhador não ocorre neste caso por conta das condições de trabalho, embora possa surgir violação de regras sanitárias”, completa, ressaltando que nesta situação não há relação causal entre a atividade de auxiliar de produção em frigorífico, por exemplo, e contaminação pela Covid-19. 

“Portanto, o acometimento por Covid-19 pode ser equiparado a acidente/doença do trabalho, a depender de avaliação do caso concreto”, diz.

“Nas ações de indenização isto se faz de modo a individualizar cada caso, e através de produção de prova pericial, utilizando-se do correto e rigoroso método científico, este poderá demonstrar que, além da exposição habitual a risco especial, mas que também implicou ao trabalhador ônus a maior do que a população em geral”, salienta.

Em alguns ambientes empregatícios, o colaborador pode demonstrar existência de risco maior nestes locais de contágio pela Covid-19 do que em locais públicos. “O empregador deve oferecer aos que trabalham no mesmo ambiente distanciamento social e higiene, de modo que o resultado a maior de fração de risco atribuível ao trabalho pode acontecer mesmo em ambientes que a higiene/prevenção foi instituída. O STF na decisão sobre a responsabilidade exalta que o risco no ambiente não pode ser maior do que a população em geral”, completa, ressaltando que o caso concreto avaliará os riscos com métodos científicos. 

Home office

O advogado afirma que os riscos ao empregador e aos empregados reforçam o home office como alternativa importante durante a pandemia. “A lógica do trabalho remoto demonstra que o empregador não cria o risco, aliás, neste aspecto, foi além da higiene/prevenção e cria outra dimensão, a da precaução e cautela para o trabalhador, de modo que não há como ser responsável por risco que não criou, neste caso de trabalho remoto”, finaliza.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.