conecte-se conosco

Coronavírus

Duas doses da AstraZeneca e Pfizer são eficazes contra a variante Delta

Estudo publicado por órgão científico britânico reforçou proteção

Publicado

em

Nesta semana, um estudo científico publicado no “New England Journal of Medicine” apontou que pessoas que tomaram as duas doses das vacinas contra o Coronavírus Pfizer/BioNTech ou Oxford/AstraZeneca, ambas aplicadas no Brasil e na imunização no litoral paranaense, possuem proteção contra a variante Delta do Coronavírus. A nova variante é mais transmissível que as demais e está obrigando vários países a reforçar as medidas de prevenção ao vírus.

Segundo a Agência Italiana de Notícias – Brasil (ANSA Brasil), que repercutiu e traduziu o estudo do órgão científico inglês, a análise foi feita após dados recolhidos pelo Instituto de Saúde do Reino Unido no mundo real, incluindo 20 mil casos da variante Delta. “No caso da Cominarty, da Pfizer, as duas doses foram capazes de prevenir a Covid-19 sintomática em 88% dos casos, um pouco menos do que o resultado contra a primeira cepa, a Alfa, que era de 93,7%”, detalha a agência. Com relação ao imunizante da Astrazeneca, a eficácia foi de 67% contra a variante Delta e 74,5% contra a variante Alfa.

De acordo com o estudo, com uma dose da Pfizer ou da AstraZeneca, a vacina possui eficácia de 30% contra a variante Delta. “Foram notadas algumas diferenças modestas na eficácia das vacinas contra a variante Delta em relação à Alfa após as duas doses. As diferenças são muito marcantes depois de receber apenas a primeira dose. Esses dados dão apoio para os esforços de maximizar a difusão da vacinação completa entre as populações vulneráveis”, informam os autores do estudo.

“No entanto, as duas vacinas foram criadas para evitar casos graves e mortes pela Covid-19 e, até o momento, a eficácia nesses casos continua altíssima”, afirma a ANSA Brasil sobre o estudo.

“A variante Delta se espalhou pelo Reino Unido de maneira intensa, tornando-se predominante e provocando uma forte onda de novos casos. Mesmo com 88% da população tendo recebido uma das doses disponíveis e 69,1% com o ciclo vacinal completo, a flexibilização extrema das regras sanitárias e a mutação Delta fazem com que os britânicos tenham uma média de 47,6 mil casos diários – em um nível semelhante ao início do ano”, informa a agência.


Com informações da ANSA Brasil