conecte-se conosco

Coronavírus

Anvisa analisará uso da CoronaVac para vacinação em crianças de 3 a 5 anos

Butantan apresentou resultados positivos na imunização do público infantil no Chile

Publicado

em

Foto: Marcelo Segura/Chilean Presidency

Está em análise pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o possível uso para vacinação contra a Covid-19 do imunizante CoronaVac em crianças de 3 a 5 anos, algo que poderá ampliar mais uma faixa etária a ser imunizada no Brasil. Resultados positivos da aplicação da vacina em questão foram apresentados em reunião pelo Instituto Butantan, responsável pela fabricação nacional da CoronaVac, junto a cientistas que apresentaram dados preliminares de efetividade, segurança e imunogenicidade em crianças da idade em questão que já foram vacinadas no Chile. 

“Participaram da reunião especialistas da Anvisa e pesquisadores do Chile e do Instituto Butantan. Durante a reunião, também foi discutida a estratégia a ser adotada pelo Instituto para solicitar a ampliação da faixa atualmente aprovada (crianças acima de 6 anos). Após receber o pedido, a Anvisa irá avaliar se os dados obtidos demonstram a segurança e a eficácia da vacina, conforme os critérios adotados internacionalmente para a aprovação de vacinas”, informa a assessoria.

Segundo a agência, até agora não foi apresentada à Anvisa uma data para submissão pelo Butantan do pedido para crianças da faixa etária de 3 a 5 anos. “Tão logo os dados necessários sejam submetidos à Agência, o processo de avaliação será iniciado. Atualmente, a vacina CoronaVac está autorizada no Brasil para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos de idade, conforme aprovação obtida no dia 20 de janeiro deste ano. Para adultos, a vacina está em uso no país desde 17 de janeiro de 2020.

Butantan reforça importância de ampliar imunização infantil no Brasil

Segundo o Butantan, os estudos foram apresentados à Anvisa junto a pesquisadores do Instituto Milênio do Chile. “A pesquisa demonstrou que a vacina do Butantan e da Sinovac promoveu alta proteção contra o SARS-CoV-2 nesta faixa etária, maior até do que nos adultos, e comprovou que o imunizante é altamente seguro também para este público”, detalha. 

Segundo o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, a reunião junto à Anvisa foi uma condição para que a aprovação possa ser feita. Ele destaca resultados altamente positivos da equipe apresentada, algo que foi divulgado inclusive em artigo científico. Atualmente, a CoronaVac já é autorizada para aplicação em crianças e adolescentes de seis a 17 anos no país desde 20 de janeiro de 2022.

“Os dados são extremamente positivos. A população infantil responde muito bem à vacina, a resposta imune nessa população é muito melhor até do que nos adultos e idosos e ela tem um perfil de segurança absolutamente fantástico. É a vacina mais segura de todas as vacinas empregadas contra Covid-19. Com esses dados, esperamos que haja um claro posicionamento da Anvisa no sentido de evoluir neste processo e que brevemente possa ser autorizado”, afirma Dimas Covas.

Segundo o presidente, a aprovação para crianças permitirá a imunização de um público que atualmente está totalmente descoberto com relação à vacinação contra o Coronavírus no Brasil. “Esperamos que haja sim a sensibilização à vacinação desse público, o que é fundamental neste momento. É a única vacina em vias de aprovação para esse público no Brasil. Estamos aguardando com muita expectativa essa reunião”, finaliza Covas.

Com informações do Instituto Butantan e Anvisa