conecte-se conosco

Ciência e Saúde

Paraná registra 10 novos casos de Dengue em novo período epidemiológico

Litoral não contabiliza casos da doença desde o dia 1.º de agosto

Publicado

em

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou o informe epidemiológico n.º 02/2021-2022 do novo período de monitoramento da dengue no Paraná. De acordo com o boletim semanal da doença emitido na terça-feira, 24, foram 10 novos casos registrados no Estado. Os dados são do novo período sazonal da doença, que iniciou no dia 1.º de agosto e deve seguir até julho de 2022.

De acordo com os dados divulgados no informe, nenhum dos sete municípios no litoral do Paraná registrou casos da doença desde o dia 1.º de agosto. Há apenas cinco notificações, ou seja, cinco suspeitas, no município de Paranaguá.

“Nosso trabalho continuará sendo realizado, as ações não param, mas lembramos que a dengue não acaba, então precisamos continuar atentos. Pedimos que a população continue se cuidando e evitando água em recipientes que podem se tornar criadouros como pneus, lonas, vasos, calhas, ralos, entre outros”, ressalta a coordenadora de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde de Paranaguá, Ângela Marques.

O documento registra o total de 10 casos da doença no Paraná, confirmados em Foz do Iguaçu (3), Medianeira (2), Santa Isabel do Ivaí (2), Cambé (1), Londrina (1) e Sarandi (1). Há ainda, 493 casos em investigação e nenhum óbito neste período. Até agora, 87 municípios registraram notificações de dengue.

O Informe Epidemiológico n.º 02/2021-2022 da Secretaria de Estado da Saúde indica que no litoral não há confirmações de febre Chikungunya e de Zika Vírus.

Alerta

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, alerta que a dengue é uma doença grave, que pode ser evitada com a colaboração de todos.

“Alertamos que a dengue continua registrando muitos casos em todas as regiões e que a população deve estar atenta aos cuidados preventivos eliminando pontos que acumulem água parada nos ambientes externos e também internos dos domicílios. O mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti, se prolifera em todo tipo de recipiente que acumule água parada”, afirmou o secretário de Estado da Saúde da Sesa, Beto Preto.

Sintomas

A dengue se manifesta com a febre, de início abrupto, associada a dores de cabeça, dores musculares, nas articulações, atrás dos olhos e o surgimento de exantemas, que é a vermelhidão pelo corpo. Os sinais de alerta da dengue apontando evolução para quadros mais graves associam dores abdominais fortes e contínuas, vômitos, tonturas, sangramentos, queda no número de plaquetas, hipotensão, entre outros. Na dengue grave, podem surgir sangramentos severos, inclusive hemorragia digestiva, choques e formas de comprometimento neurológico, hepático e cardíaco.

Com informações da Sesa

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil