Connect with us

Cidadania

Projeto Pet Saúde oferece melhor qualidade de vida aos estudantes do Colégio Bento Rocha

Debates são voltados à saúde física e mental na pandemia

Publicado

em

Mesmo com pandemia da Covid-19, o Pet Saúde não parou. O projeto é uma parceria entre a Unidade Básica de Saúde da Serraria do Rocha, a UFPR Litoral e o Colégio Estadual Bento Munhoz da Rocha Neto.

O projeto começou em 2019 com a formação do grupo de adolescentes composto por alunos do colégio. Por meio de encontros quinzenais, eram ofertadas palestras, rodas de conversas, atividades esportivas, entre outras atividades, visando ao desenvolvimento saudável dos jovens.

O diretor do Colégio, Everton Vieira Borges, conta que em 2020, com a suspensão das aulas presenciais, o projeto passou a funcionar de forma on-line, com discussões voltadas à saúde física e mental na pandemia. “O projeto foi apresentado à comunidade escolar, em reunião on-line, com a participação do grupo PET Saúde UFPR Litoral, das doutoras Jéssica Teixeira e Tainá Ribas Melo e da chefe do Núcleo Regional de Educação, Clarice Ubessi. A próxima etapa contará com interação, desafios, jogos e atividades lúdicas para os alunos”, ressalta. 

“O projeto, além de proporcionar melhores condições de desenvolvimento socioemocional aos adolescentes, também se destaca em eixos importantes como a presença da universidade na escola e o  fortalecimento da rede de proteção à criança e ao adolescente”, complementa o diretor.

Antes da pandemia atividades eram presenciais

O projeto é voltado para todo o bairro, da Serraria do Rocha à Vila Ruth, ou seja, até mesmo alunos que não estão matriculados podem participar. A rede de proteção tem auxiliado muito neste sentido.

“Inicialmente, ele começou com nossos alunos que já eram atendidos no posto de saúde com a psicóloga Jéssica e outros médicos. Com isso fomos reforçando o contato para saber se os alunos que tinham dificuldades de convivência precisavam desenvolver a questão da inteligência emocional e também alguma situação de vulnerabilidade”, finaliza o diretor.