conecte-se conosco

Agronegócio

“É o maior anúncio para o agronegócio paranaense em 50 anos”, afirma governador

Motivo é de celebração pelos novos potenciais econômicos

Publicado

em

“Esse é o maior anúncio para o agronegócio paranaense nos últimos 50 anos”. Esse é o sentimento do governador Carlos Massa Ratinho Júnior ao comemorar o novo status de área livre de febre aftosa sem vacinação, concedido pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) na quinta-feira, 27. “É um dia que temos que celebrar, porque coloca o Paraná em um grau alto de qualidade sanitária animal no mundo todo. A conquista abre um mercado importante não apenas para a carne bovina, mas também para outras proteínas e seus derivados, gerando uma cadeia de oportunidades de novos investimentos no Estado”, acrescentou.

O reconhecimento foi comemorado pelo governador durante uma live promovida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento na manhã desta quinta para destacar a conquista, que remonta mais de 50 anos de esforços. Junto do Paraná, também receberam o selo Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e parte do Amazonas e do Mato Grosso do Sul.

“Temos a alegria de ser o maior produtor de proteína animal do Brasil, representando 22% do total do País; somos líderes no frango e no peixe, o segundo em suínos, um dos maiores na pecuária. O agronegócio é o grande alicerce da economia do Paraná”, enfatizou o governador. “E agora estamos falando de bilhões de dólares que nossos produtores passam a ter a oportunidade de acessar. É muito dinheiro envolvido que vai ajudar na geração de empregos e na atração de novos investimentos na agroindústria. É um mercado fantástico que vai fazer do Paraná ainda mais protagonista na produção de alimentos, com alta qualidade e de forma sustentável”.

Em 2020, o Paraná produziu mais de R$ 5,7 milhões de toneladas de carne de porco, boi e frango – o que representa quase um quarto do que foi produzido no País. No frango, o Estado lidera a produção brasileira com 33% do total. No peixe, o percentual é de 21,4%, também em primeiro lugar. A expectativa é que, com o novo selo, os números se fortaleçam nos próximos anos.

MARCO

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, reforçou a importância do marco dos seis estados que receberam o reconhecimento da OIE. “Hoje celebramos uma importante conquista para a agropecuária brasileira. O Brasil possui, agora, 44 milhões de cabeças de gado em áreas livres de febre aftosa sem vacinação, o que corresponde a 20% do nosso rebanho bovino. No caso da suinocultura, é quase 50% do rebanho brasileiro, e 58% dos frigoríficos de abate suíno com Serviço de Inspeção Federal estão agora em regiões com esse novo status sanitário. Ressalto o empenho dos pecuaristas brasileiros e de toda a cadeia produtiva em cumprir as normas sanitárias”, afirmou a ministra.

Aos Estados que obtiveram a certificação nesta quinta-feira, 27, soma-se Santa Catarina, que mantém seu status desde 2007. A meta é que todo o território brasileiro seja considerado livre de febre aftosa sem vacinação até 2026. “Comemoramos hoje, mas seguimos trabalhando diariamente para o fortalecimento da defesa agropecuária nacional, mirando no objetivo de levar todo o Brasil para a condição de livre de febre aftosa sem vacinação”, completou a ministra.

No Estado, os esforços para erradicar a febre aftosa somam décadas de trabalho integrado entre diferentes atores, que vão desde o pequeno produtor até o Governo do Estado. Para as entidades do setor produtivo paranaense, o motivo é de celebração pelos novos potenciais econômicos, mas também de responsabilidade sanitária que envolve transparência e rapidez nas ações contra zoonoses. No evento, eles relembraram as principais conquistas e desafios.

“Essa é uma notícia esperada há mais de 50 anos e que nos leva à euforia. Mas é preciso manter o pé no chão porque, nesse momento, temos que acompanhar os desdobramentos com relação a uma vigilância mais forte. Temos a responsabilidade de lembrar aos produtores para estarem atentos e vigilantes sobre questões relacionadas ao rebanho”, disse Otamir Cesar Martins, diretor-presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar).

O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, reforçou que o selo não é apenas um certificado para ser emoldurado na parede, mas a lembrança de um esforço de vigilância sanitária que será permanente. Esse investimento reverte para o Estado um impacto direto em novos mercados para exportação.

“Faz bem para o ego dizer que subimos a régua e fomos reconhecidos como eficientes do ponto de vista do serviço veterinário, com capacidade de superar problemas tipo aftosa. Mas, para nós, isso é negócio. Queremos vender, e nos preparamos para disputar mercados inéditos”, afirmou Ortigara. “As criações que têm a ver com aftosa são porcos e bois, mas quando mostramos ao mundo a eficiência do serviço veterinário, damos a confiança para o consumidor de que se pode importar qualquer produto daquele pedaço de chão chamado Paraná”.

José Roberto Ricken, presidente da Ocepar, estima que a certificação possa dobrar a exportação do Estado em produtos do agronegócio, já que 65% do mercado internacional ainda não compram do Paraná. “Ainda não estamos presentes em grande parte do mercado porque se entende que quem faz a vacinação ainda tem circulação de vírus e não possui um sistema adequado de sanidade. Hoje, nós estamos provando que o temos, o que vai movimentar a economia e impulsionar a cadeia do agronegócio como um todo”, relembrou.

EMPREGO

Para além do investimento direto trazido através da movimentação na economia, o Estado também é beneficiado pelo fortalecimento das cadeias de produção, gerando mais emprego e renda como consequência. É o que lembra Marcos Brambilla, presidente da Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Paraná.

“A expectativa é que tudo isso se transforme num grande processo de distribuição das riquezas que essa oportunidade traz para o Estado, tanto de geração de trabalho no campo e na indústria, quanto de renda aos produtores. É um avanço considerável e requer cuidado e responsabilidade de todos de manter esse status ileso”, afirmou Brambilla.

“Esse é um reconhecimento muito importante para uma luta de décadas do setor produtivo, dos governos federal e estadual e de diversas instituições. Mas não só isso: o mais importante é o reconhecimento da segurança da defesa agropecuária no Estado”, reforçou Cleverson Freitas, superintendente do Mapa no Paraná.

PRESENÇAS

Participaram da videoconferência o vice-governador Darci Piana; o secretário executivo do Ministério da Agricultura, Marcos Montes Cordeiro; o secretário de Defesa Agropecuária, José Guilherme Leal; o diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério, Geraldo Moraes; o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite; o governador do Mato Grosso, Mauro Mendes; o governador do Amazonas, Wilson Lima; o vice-governador de Rondônia, José Atílio Salazar Martins; o secretário estadual de Produção e Agronegócio do Acre, José Aristides Junqueira; os senadores Luis Carlos Heinze e Ana Amélia Lemos; o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado federal Sérgio Souza, e o deputado federal Daniel Trzeciak; Ottorino Cosivi, diretor da Panaftosa; Gedeão Pereira, representante da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA); e autoridades dos demais Estados participantes.

Fonte: AEN

Foto: Jonathan Campos / AEN

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.